VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
19/06/2017

Amigos de adolescente morto pedem justiça

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Gustavo Carneiro
Gustavo Carneiro - Colegas do jovem colaram cartazes no muro do colégio Maria José Balzanelo Aguilera
Colegas do jovem colaram cartazes no muro do colégio Maria José Balzanelo Aguilera

Tristeza, indignação e pedidos de justiça. Esses são os sentimentos expressados em cartazes colocados no muro do colégio estadual Maria José Balzanelo Aguilera, no Conjunto Cafezal (zona sul de Londrina), em homenagem que os amigos e a vizinhança da escola fizeram, na manhã deste domingo (18), ao adolescente de 17 anos morto por um policial militar no feriado de Corpus Christi (15).
PUBLICIDADE

O garoto foi atingido por um tiro disparado pelo caseiro da escola, um policial lotado na 4ª Companhia Independente, que alegou que o disparo foi acidental. Em torno de 30 pessoas participaram da homenagem, organizada pelo CAD (Coletivo de Ação Direta). "Tinha muitos amigos dele e ver a população do Cafezal comovida pelo meu filho me conforta. Ficaria muito triste se ninguém se revoltasse com a morte dele", disse Cristiane Sartori, mãe do adolescente.
Com a hashtag "Cafezalpelapaz", as frases nos cartazes são de repúdio pela atitude do PM e cobram justiça. "Os moradores estão indignados. Muitas pessoas vieram conversar comigo e dizer que conheciam meu filho, que sabiam que ele era um menino bom", afirmou Cristiane.
Uma vizinha da escola, que preferiu não se identificar, ficou emocionada com a homenagem ao garoto. "Estamos todos muito tristes com o que aconteceu. É uma vida interrompida", disse. A dona de casa Janaína Gomes, 38, não foi ao ato, mas passou pela escola para ver os cartazes. "O Cafezal está assim... bem chateado pelo menino e a mãe dele. (…) Podia ser meu filho. Ele era muito conhecido no bairro. Agora, ela (mãe do adolescente) não tem mais ninguém ao lado dela. É um sonho que morreu", comentou.
O policial chegou a ser preso, mas na sexta-feira (16) foi liberado. No fim de semana, ele desocupou a casa onde morava na escola.
Aline Machado Parodi
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Alerta para riscos do consumo de álcool durante a gravidez

Síndrome Alcoólica Fetal não tem cura e atinge, em média, três bebês a cada mil nascidos vivos

FERIADO

Mortes em Corpus Christi caem pelo 3º ano seguido no estado do Paraná

Durante a operação no feriado, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 65 pistolas, 2.460 munições e 687 quilos de maconha

Valsinha da urna eletrônica

Mais uma canção do meu amigo Chico Buraco

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados