VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Terça-feira, 30 de Maio de 2017
MARCO ROSSI
Marco A. Rossi é sociólogo, mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), onde também é professor, e chega para ampliar o time de opinião do jornal com análises dos acontecimentos e suas consequências para Londrina e região.
Fale com MARCO ROSSI
18/05/2017

A CIDADE FUTURA

"O tempo atual tem se revelado tão exigente quanto o início do século 20. Os desafios são diferentes, mas nem um pouco menos dramáticos"


Cem anos depois
Em 1917, o pensador Antonio Gramsci, ao lado de jovens piemonteses, publicou o jornal "La cittá futura", que tinha por objetivo amadurecer o debate sobre os grandes temas italianos daquele início de século, articulando o passado vivido, o presente inevitável e o futuro desejado numa reflexão que pudesse se universalizar e atingir povos de todo o mundo. A publicação continha críticas culturais, análises políticas e ponderações sobre a economia europeia, destruída pelos acontecimentos então em curso da guerra total.

Na edição única de "La cittá futura" – que não pôde sobreviver aos tempos de tantas armas em punho -, Gramsci deixou registrado seu conhecido texto Os indiferentes. Tratava-se de uma crítica mordaz a quem não tem coragem de tomar partido diante de situações delicadas e exigentes, nas quais prevalecem injustiça, opressão e desesperança. Gramsci responsabilizava os indiferentes (esses que veem os outros mais como obstáculos aos seus projetos pessoais do que como parceiros no mundo da vida) pelas agruras da Itália e da Europa, pela disseminação dos horrores da guerra no cotidiano de todos. Em essência, os indiferentes pensam que nada lhes diz respeito, a não ser aquilo que imediatamente lhes traga benefícios e privilégios.

Um século se passou. O mundo de hoje é bem diferente daquele conhecido e enfrentado pela juventude italiana que concebeu e lançou a histórica edição de "La cittá futura". Em toda parte, mudaram as formas de fazer política e experimentar a vida cultural, assim como se transformaram as relações entre leitores e jornais, jovens e informação. A indiferença, contudo, ainda anda à solta.

Arquivo FOLHA
Arquivo FOLHA


No coração da América Latina, no Sul de um país complexo chamado Brasil, no seio de uma linda e inspiradora cidade com nome Londrina, vem à luz esta "A cidade futura", uma maneira humilde e muito sincera de homenagear cidadãos e cidadãs que não desistem de sonhar com tempos mais felizes, com uma cidade que seja aberta e justa, com ideias que possam circular crítica e livremente, sem jamais se entregar a polarizações fáceis nem temer combater toda forma de indiferença.

Aqui, em "A cidade futura", que, entre outras coisas, reitera a belíssima tradição pluralista e democrática da Folha de Londrina, o intuito será sempre refletir sobre o tempo do agora, rememorando lutas de ontem, aspirando a um amanhã mais promissor, inclusivo, aberto e afeito ao espírito democrático que tanto caracteriza nossa terra vermelha.

O tempo atual tem se revelado tão exigente quanto o início do século 20. Os desafios são diferentes, mas nem um pouco menos dramáticos. A opinião insalubre se alastra, a negação da política intimida, os equívocos de quem não se cansa de querer sempre mais varrem como uma tempestade a vida dos que só podem contar com seu trabalho e entregam tudo à esperança. Como ensinou a dupla João Bosco e Aldir Blanc, em canção imortalizada pela voz de Elis Regina, a esperança precisa ser equilibrista, ou seja, permitir que se possa andar com coragem em uma fina corda suspensa sobre o abismo.

Semanalmente, "A cidade futura" trará uma passagem dessa caminhada, pensando os desafios que se impõem a quem insiste em ser feliz, apesar de – e graças a – tudo. Que a Londrina que tanto queremos, pois, possa ser, um dia, a cidade presente.
Por Marco A. Rossi (sociólogo e professor da UEL)
25/05/2017
A CIDADE FUTURA

Os sinais da crise

"A história se move continuamente e a possibilidade de retorno ou avanço no tempo sem destituir direitos nem provocar prejuízos é nula"

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados