VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
A Cidade Futura
Marco A. Rossi é sociólogo e professor da Universidade Estadual de Londrina. Gosta de caminhar no Zerão e no Campus da UEL, ouvindo Pearl Jam e deixando as ideias voarem. É autor de livros de poesias e de crônicas. Seu passatempo predileto é exercitar a imaginação sociológica, essa difícil arte/tarefa de reunir biografias particulares e histórias comuns, em busca de alguns dos inúmeros sentidos do mundo. É apaixonado pelo Fluminense Football Club e frequenta habitualmente as margens esquerdas da vida.
Fale com Marco A. Rossi
18/05/2017
A CIDADE FUTURA

Cem anos depois

"O tempo atual tem se revelado tão exigente quanto o início do século 20. Os desafios são diferentes, mas nem um pouco menos dramáticos"


Cem anos depois
Em 1917, o pensador Antonio Gramsci, ao lado de jovens piemonteses, publicou o jornal "La cittá futura", que tinha por objetivo amadurecer o debate sobre os grandes temas italianos daquele início de século, articulando o passado vivido, o presente inevitável e o futuro desejado numa reflexão que pudesse se universalizar e atingir povos de todo o mundo. A publicação continha críticas culturais, análises políticas e ponderações sobre a economia europeia, destruída pelos acontecimentos então em curso da guerra total.

Na edição única de "La cittá futura" – que não pôde sobreviver aos tempos de tantas armas em punho -, Gramsci deixou registrado seu conhecido texto Os indiferentes. Tratava-se de uma crítica mordaz a quem não tem coragem de tomar partido diante de situações delicadas e exigentes, nas quais prevalecem injustiça, opressão e desesperança. Gramsci responsabilizava os indiferentes (esses que veem os outros mais como obstáculos aos seus projetos pessoais do que como parceiros no mundo da vida) pelas agruras da Itália e da Europa, pela disseminação dos horrores da guerra no cotidiano de todos. Em essência, os indiferentes pensam que nada lhes diz respeito, a não ser aquilo que imediatamente lhes traga benefícios e privilégios.

Um século se passou. O mundo de hoje é bem diferente daquele conhecido e enfrentado pela juventude italiana que concebeu e lançou a histórica edição de "La cittá futura". Em toda parte, mudaram as formas de fazer política e experimentar a vida cultural, assim como se transformaram as relações entre leitores e jornais, jovens e informação. A indiferença, contudo, ainda anda à solta.

Arquivo FOLHA
Arquivo FOLHA


No coração da América Latina, no Sul de um país complexo chamado Brasil, no seio de uma linda e inspiradora cidade com nome Londrina, vem à luz esta "A cidade futura", uma maneira humilde e muito sincera de homenagear cidadãos e cidadãs que não desistem de sonhar com tempos mais felizes, com uma cidade que seja aberta e justa, com ideias que possam circular crítica e livremente, sem jamais se entregar a polarizações fáceis nem temer combater toda forma de indiferença.

Aqui, em "A cidade futura", que, entre outras coisas, reitera a belíssima tradição pluralista e democrática da Folha de Londrina, o intuito será sempre refletir sobre o tempo do agora, rememorando lutas de ontem, aspirando a um amanhã mais promissor, inclusivo, aberto e afeito ao espírito democrático que tanto caracteriza nossa terra vermelha.

O tempo atual tem se revelado tão exigente quanto o início do século 20. Os desafios são diferentes, mas nem um pouco menos dramáticos. A opinião insalubre se alastra, a negação da política intimida, os equívocos de quem não se cansa de querer sempre mais varrem como uma tempestade a vida dos que só podem contar com seu trabalho e entregam tudo à esperança. Como ensinou a dupla João Bosco e Aldir Blanc, em canção imortalizada pela voz de Elis Regina, a esperança precisa ser equilibrista, ou seja, permitir que se possa andar com coragem em uma fina corda suspensa sobre o abismo.

Semanalmente, "A cidade futura" trará uma passagem dessa caminhada, pensando os desafios que se impõem a quem insiste em ser feliz, apesar de – e graças a – tudo. Que a Londrina que tanto queremos, pois, possa ser, um dia, a cidade presente.
Por Marco A. Rossi (sociólogo e professor da UEL)
25/05/2017
A CIDADE FUTURA

Os sinais da crise

"A história se move continuamente e a possibilidade de retorno ou avanço no tempo sem destituir direitos nem provocar prejuízos é nula"

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic