VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha Rural
09/09/2017

Queridinho, saudável (e rentável)

O brócolis já é parte essencial do cardápio de quem busca alimentação saudável; na agricultura, o potencial do Estado e o alto valor agregado da hortaliça atrai produtores

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Fotos: Anderson Coelho
Fotos: Anderson Coelho


Ele se tornou o "queridinho" da alimentação saudável nos últimos anos no Brasil. Basta dar uma passada de olho pelo Instagram e outras redes sociais, para notar facilmente como o brócolis já é parte essencial do cardápio de atletas, recomendado por nutricionistas, blogueiras fitness, sem dizer que é apontado pela literatura e pesquisas médicas há anos como um grande aliando na prevenção de doenças, principalmente alguns tipos de câncer.
PUBLICIDADE

Se o consumo da hortaliça da família das brássicas (ou crucíferas) – parente da rúcula, couve-flor, repolho e rabanete – cresceu substancialmente, na outra ponta da cadeia, os produtores paranaenses aproveitam para apostar na cultura e, claro, faturar com ela. E com um detalhe importante: com a evolução da tecnologia de sementes, associado ao clima ameno em diversas regiões do Estado, é possível produzir brócolis quase o ano todo no Paraná. Um produto que na agricultura é considerado de alto valor agregado.

Os números mostram a evolução do plantio paranaense nos últimos anos. Em 2012, a área era de 1.166 hectares (ha) e a produção de 19,9 mil toneladas, com uma Valor Bruto de Produção (VBP) de R$ 28 milhões. Três anos depois, a área saltou para 1.987 ha, produção de 41,7 mil toneladas e VBP de R$ 68,1 milhões. Dados, que segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), devem fechar em ainda melhores em 2017. Sim, os chamados consumidores "brocolovers" têm movimentado a olericultura estadual.

No Paraná, os principais municípios produtores são São José dos Pinhais (41%), Colombo (11%), ambos no Cinturão Verde da Região Metropolitana de Curitiba (RMC), seguido de Tamarana (9%), onde a reportagem da FOLHA encontrou produtores empolgados. O maior produtor do Brasil é São Paulo, seguido pelo Sul de Minas Gerais, que teve um crescimento significativo na produção recentemente. Em território nacional, a cultura movimenta anualmente R$ 1,2 bilhão no varejo, com uma produção de 290 mil toneladas e um crescimento médio de mercado de 4% a 5% ao ano. Os números são da Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (ABCSEM).

O professor do departamento de ciências agronômicas de olericultura e nutrição de plantas da UEM (Universidade Estadual de Maringá), Rerison Catarino da Hora, atua por mais de 20 anos com a hortaliça e explica a movimentação atual no sistema produtivo. "Existem duas variedades de brócolis: o de cabeça-única e o ramoso. O consumo no Brasil era maior do ramoso, porque antes existia mais forte a figura das feiras livres. Ele precisava ser colhido no dia. Agora, com advento dos alimentos pré-processados, embalados e congelados, o brócolis de cabeça-única ganhou o maior espaço, já que ele dura mais tempo".

E aí entra o "pulo do gato" do Paraná, já que o brócolis de cabeça-única precisa de frio para ter qualidade. "Temos muitas regiões com clima ameno e com facilidade de produzir em comparação a outros estados, que acabam focando apenas no inverno. Isso nos torna diferenciados". "Outro ponto importante é que o brócolis de cabeça-única tem um manejo mais fácil e necessita de bem menos mão de obra, diminuindo os custos do produtor", complementa Rerison.
Victor Lopes
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

( …entre parentes…)

E algum tempo depois... A volta para a minha cidade querida, meus avós amados, a casinha que minha mãe havia comprado do Cambota. Felicidade, eu estava, novamente, em casa! Aí, sim, começava a viver..."

Paranaguá exporta 2 milhões de toneladas de grãos em agosto

Novo recorde histórico de embarque supera em 5,6% o recorde anterior - 1,9 milhão de toneladas movimentadas em junho de 2015

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados