VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016
Folha Rural
18/08/2007

PLANTAS MEDICINAIS

CAFÉ-DE-BUGRE - Casearia sylvestris Sw.

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Aspectos Agronômicos: - Planta da família Flacourtiaceae, originada nas regiões secas a úmidas da América Central e do Sul. Distribuída desde o México a Argentina até 1800 m de altitude. Também ocorre nas ilhas ocidentais (Morton, 1981).

Nomes comuns: - Bugre, cafezeiro-do-mato, cafezeiro-brabo, chá-de-bugre, cambaqui, timbati, barredera, guassatonga, guaçatumba, guaçatomba, erva-de-lagarto,pau-de-lagarto, erva-de-pontada, erva-de-bugre, erva de teiú, língua-de-tuí, são gonçalinho.

Exigências climáticas: - Arbusto perene, de regiões tropicais a subtropicais de altitude. Pode tolerar geadas moderadas. Desenvolve-se na orla/borda de florestas, matas regeneradas (pouco densas). Tolera sombreamento.

Solos: Baixa exigência em fertilidade, desenvolve-se em solos com pH 4 - 6, mas prefere solos com boa drenagem.

Propagação: Por sementes, coletadas em outubro-novembro, semeadas em sacos plásticos de 15-20 cm de comprimento e 5 - 8 cm de largura. Após 2 meses as mudas podem ser levadas para o campo.

Espaçamento: 1 metro x 2 a 2,5 m.

Porte: Atinge 3 a 4 m. É planta de meia sombra

Colheita: 1 a 2 anos após plantio no campo.

Rendimento: 0,5 - 1 kg/folha seca/pé (estimativa).

Secagem: À sombra, em secadores solares, à lenha ou eletricidade.
Temperatura máxima do ar na massa de folhas 45oC.

Propriedades terapêuticas: Antisséptico (Gavanales & Brandão, 1998) febrífugo, depurativo, usado em dores pleurísticas, manifestações sifilíticas cutâneas, eczemas, sarnas, úlceras (Basile et al. 1990). Possui ação antiofídica, pode inativar veneno de cobras (Hirschmann & Arias, 1990), tratamento de leproses. Cicatrizante, gastrites e úlceras, por diminuir a secreção ácido-péptica (Trentini A. et. Al., 1995 e Basile A. et. Al., 1986).

Princípios ativos: Nas folhas são encontrados diterpenos, denominados clerodaneos I a VI, outros denominados casearinos B a S (Itokawa, et al. 1992) e triterpenos, além de saponinas, taninos, alcalóides e flavonóides.

Partes utilizadas: Folhas, cascas e raízes

Formas de uso e dosagem:

- Uso tópico: Cataplasmas ou emplasto das folhas; infusão das folhas ou decocção das cascas e raízes; tintura.

Dosagem de preparo: 100 a 200 g de folhas/cascas/ litro de álcool de cereias.

- Uso interno: Infusão das folhas ou decocção das cascas e raízes: 20 a 30 gr/litro de água.

Tempo de uso: Evitar o uso prolongado e em altas doses.

Efeitos colaterais: Hemorragias, vômitos e diarréia no uso prolongado e em altas doses.

Contra-indicações: Gravidez.

Fonte principal de consulta: Cultivo de Plantas medicinais e aromáticas - autor: Paulo Guilherme Ribeiro, co-autor: Rui Cépil Diniz. Editora do Iapar - livro em fase de publicação

RUI CÉPIL DINIZ é médico especialista em Fitomedicina e Saúde da Família, responsável pelo Programa Municipal de Fitoterapia (e-mail: fitoterapia @ asms.londrina.pr.gov.br e telefone 43-3321-0652).
Rui Cépil Diniz
Continue lendo
17
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados