VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha Rural
29/04/2017

Pecuária em Destaque

A utilização desses aditivos funcionais e consequentemente a isenção de APC’s é uma solução inovadora e sustentável para a cadeia produtiva de alimentos e que simboliza o sucesso do agronegócio

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Alimentando as bactérias benéficas
PUBLICIDADE

O principal objetivo da produção animal é fornecer alimento nutritivo, saudável e seguro ao consumidor. Uma exploração pecuária deve oferecer condições adequadas ao bem-estar animal e sempre respeitar o meio ambiente.
Atualmente a biotecnologia disponibiliza ferramentas que proporcionam uma exploração mais econômica e sustentável, melhorando o desempenho animal e beneficiando o consumidor.

O grande desafio atual é a substituição por completo dos antibióticos promotores de crescimento (APC), uma vez que o uso contínuo dessas substâncias provoca resistência microbiana, podendo esta ser transferida para as bactérias presentes no sistema gastro-intestinal (SGI) de humano abrindo margem à um grande problema de saúde pública.

Perante este impasse, em 2006 a União Europeia baniu a utilização dos APC´s na criação animal, bem como a comercialização de produtos contendo resíduos desses compostos. Em janeiro de 2017, nos Estados Unidos tomou-se a mesma decisão. Surgiu então, uma demanda crescente e voraz por alternativas efetivas que substituam os APC´s garantindo bons índices de produtividade, segurança alimentar e custos competitivos.

Os alimentos funcionais preenchem esta lacuna. São considerados alimentos e/ou ingredientes funcionais aqueles que, vão mais além do que apenas nutrir, promovem a saúde por meio de mecanismos não previstos pela nutrição convencional.

Muitos ingredientes funcionais são comercializados como aditivos alimentares, tanto para a alimentação humana, como para a alimentação animal. Nesse contexto destacam-se os prebiótico, os probióticos e os simbióticos os quais são considerados moduladores de microbiota intestinal, pois são capazes de aumentar a população de micro-organismos benéficos presentes no SGI, como os Lactobacilos e as Bifidobactérias, em detrimento dos microrganismos causadores de doenças como Clostridium, Salmonella, E.coli, Campylobacter, entre outras, desempenhando assim um papel decisivo na manutenção da saúde do "hospedeiro", que é o organismo que hospeda esses micro-organismos.

Vivemos uma nova fronteira na alimentação animal e humana. A fronteira de alimentar e multiplicar as bactérias benéficas intestinais (Efeito Bifidogênico). Os oligossacarídeos são definidos estritamente como sendo carboidratos que contêm entre 2 e 10 monossacarídeos, covalentemente ligados através de ligações glicosídicas (MEHRA e KELLY, 2006). Os oligossacarídeos (fruto-oligossacarídeo, galacto-oligossacarideo, xilo-oligossacarideo, Inulina, etc) são fibras solúveis que tendem a ser fermentadas na porção distal do intestino, majoritariamente pelas populações de Lactobacillus e Bifidobacterias.

Estudos científicos demostram que com a utilização em doses adequadas de FOS e GOS a população de Lactobacillus e Bifidobacteiras pode ser multiplicada em centenas de vezes. Por isso, o seu efeito bifidogênico. Os Lactobacillus são produtores de bacteriocinas (antibióticos naturais) e de ácido láctico, enquanto as Bifidobacterias são grandes produtoras de ácido butírico, propionatos e acetatos. O aumento da população de bactérias benéficas proporciona o aumento das bacteriocinas e ácidos graxos de cadeia curta e média. As bacteriocinas e a acidificação do bolo fecal, provocam importante redução das populações de bactérias nocivas (principalmente Salmonellas e E. Coli).

Além disso, essa acidificação aumenta significativamente a ação de algumas enzimas e a absorção de nutrientes, especialmente minerais e vitaminas.
Outro mecanismo, cientificamente comprovado, mostra que a microbiota é capaz de trocar sinais celulares de caráter regulatórios com o hospedeiro, estimulando o sistema de defesa, no qual o epitélio e o muco intestinal bem como as bactérias residentes nesse ambiente provêm o primeiro mecanismo de defesa.

Portanto uma alternativa eficaz aos APC's são os oligossacarídeos, que ao multiplicar a população de bactérias benéficas promovem o aumento da concentração de ácidos graxos de cadeia curta e média. Com isso, temos melhor equilíbrio da microbiota, preservação do epitélio intestinal, secreção equilibrada de mucina e melhor resposta imunologia.

A utilização destes aditivos funcionais e consequentemente a isenção de Antibióticos Promotores de Crescimento, é uma solução inovadora e sustentável para a cadeia produtiva de alimentos, que simbolizam "SIM" o sucesso do agronegócio.

Carlos Ronchi, médico veterinário e Gerente Técnico e Marketing Global da Yes; e Juliana Bueno, doutora em Ciência de Alimentos e gerente de pesquisa e desenvolvimento da Yes
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

O verdadeiro vizinho solidário

"A reunião era muito badalada, tinha aqueles que vinham pra ajudar, outros pra conversar, contar história, dedilhar uma viola e até os que frequentavam para beber uma cachacinha. Porém, todos eram bem-vindos"

Antibiótico com fim nutricional: produção controversa

Usado para aumentar a eficiência alimentar na produção de carnes, o medicamento fomenta o debate da classe científica de que poderia ocasionar o surgimento de superbactérias

Conceito futurista para o trator

Máquina modelo apresentada pela Case IH pode ser monitorada a distância

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados