VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha Rural
20/08/2011

Nova tecnologia promete reduzir aplicação de defensivos

Equipamentos identificam a presença do vírus antes que as lavouras sejam atacadas, o que gera uma economia de até 75% na aplicação de agrotóxicos

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina (UEL) está desenvolvendo uma tecnologia que poderá reduzir em 75% a aplicação de defensivos agrícolas nas lavouras. Um dos responsáveis pelo trabalho é o professor José Alexandre de França, do curso de Engenharia Elétrica. Ele acredita que a novidade vai contribuir para aumentar a renda do produtor e melhorar a qualidade dos alimentos que chegam à mesa da população. ''O que a gente espera com este estudo é mudar completamente a forma de usar defensivos agrícolas para tratar as doenças (das plantas) daqui para frente'', diz França.
PUBLICIDADE

A experiência consiste na união do "Siga" com a "árvore genealógica" - dois tipos de equipamentos que foram criados em épocas distintas e, embora diferentes, são complementares. Se antes o agricultor fazia aplicações periódicas de fungicidas nas lavouras obedecendo apenas a um calendário pré-determinado, mesmo sem saber se há necessidade ou não, com a adoção da nova tecnologia, o trabalho poderá ser feito de forma preventiva. Saiba mais na reportagem de Eli Araújo.

E mais:

Comercialização ainda será definida
Redação FolhaWeb
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Estudo da UFPR apontará oportunidades de produção no Paranapanema

Região tem potencial para produzir 40 mil toneladas de pescado por ano, mas produz apenas 5 mil

Entrega do ITR começa na próxima segunda-feira

Produtores têm até o dia 30 de setembro para acertar as contas com a Receita

Inventos podem reduzir aplicação de defensivos

Equipamentos identificam a presença do vírus antes que as lavouras sejam atacadas, o que gera uma economia de até 75% na aplicação de agrotóxicos

MEIO AMBIENTE RESPONSÁVEL - O ar que mata aos poucos

Recomendação médica: corra para uma cidade menor, busque qualidade de vida

Paranapanema deve ampliar aquicultura em áreas da União

Região tem potencial para produzir 40 mil toneladas de pescado por ano, mas produz apenas 5 mil; estudo desenvolvido pela UFPR apontará oportunidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic