VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Segunda-feira, 24 de Julho de 2017
Folha Rural
15/07/2017

Microrganismos são parceiros contra a erosão

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois


Um olhar mais minucioso para o solo e o produtor vai perceber a complexidade em mantê-lo fértil e produtivo. Muitas vezes, por falta de informação, quando se fala de fertilidade do solo, existe a tendência em se pensar apenas no aspecto químico, ou seja, ligado à utilização de fertilizantes. "Hoje a grande parte das informações que existem no mercado estão relacionadas à aplicação ou não de adubos. O solo vai muito além disso", explica o pesquisador da área de solos do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Élcio Balota.

Balota é doutor no assunto e nos últimos 25 anos pesquisou o solo. Recentemente ele lançou o livro Manejo e Qualidade Biológica do Solo, justamente para mostrar que apesar da fauna e microrganismos (biota) representarem pequena porção do solo, têm papel fundamental nos processos relacionados à ciclagem de nutrientes e à sua sustentabilidade, inclusive o combate à erosão. "Temos que ficar atentos aos aspectos químicos, físicos e biológicos do solo. Não adianta ele ter muitos nutrientes do lado químico, se de repente está compactado (lado físico). Não adianta ele estar bem fofinho para as raízes crescerem, mas com uma população alta de nematoides (lado biológico). É preciso o equilíbrio entre os três aspectos."

Geralmente, segundo o pesquisador, o alicerce biológico é o que fica mais escanteado, porque talvez seja o mais difícil de avaliar. Quando se coloca um nutriente, por exemplo, é possível entender o comportamento químico com apenas um teste de laboratório. "A biota determina a ciclagem dos nutrientes do solo, não só para a nutrição das plantas, mas sua sustentabilidade. Quando se trata de microrganismos, temos uma flexibilidade, cada um atuando de uma maneira, com o tempo, podem ocorrer variações e adaptações de acordo com o ambiente."

Gustavo Carneiro
Gustavo Carneiro -
"Hoje a grande parte das informações que existem no mercado estão relacionadas à aplicação ou não de adubos. O solo vai muito além disso", alerta o pesquisador Élcio Balota


Cada manejo, portanto, gera um efeito nos indicadores biológicos, que apresentam alta sensibilidade para detectar alterações no solo, podendo apontar mudanças no seu funcionamento e na sua qualidade. "O produtor tem algumas informações, por exemplo, sabe da importância das minhocas e dos rizóbios na cultura da soja. Mas às vezes ele vê esses microrganismos como se fosse um adubo, quer saber 'qual bicho compra' para colocar na lavoura. Manter essa população em equilíbrio não é tão simples assim."

Na prática, a diversificação de culturas e um plantio direto bem feito, por exemplo, são excelentes estratégias para manter o sistema rico em organismos diversos e equilibrado, com muita vida. "Os microrganismos ajudam a evitar o processo de erosão. Quando o solo tem grumos, aqueles pelotes que chamamos de agregados, eles são feitos pelos microrganismos que produzem muitas substâncias. A rede de fios de fungos vai formando os grumos e assim o solo fica menos propenso à erosão por água, por exemplo", explica o especialista.
Victor Lopes
Reportagem Local
CONTINUE LENDO

Lembranças engavetadas

"De vez em quando é bom a gente desengavetar lembranças, jogar fora as que nos fizeram sofrer, apreciar as que nos trouxeram alegria e, enquanto estamos vivos, trancá-las e seguir em frente"

Um olhar para o solo, mais uma vez

Após erosão voltar a mostrar sua força nas áreas agrícolas do Estado, entidades públicas e privadas do agronegócio ligam sinal de alerta para a retomada das práticas conservacionista junto a produtores

Estoque privado de café da safra 2016 é de 9,86 milhões de sacas

Volume declarado neste ano é 27,4% inferior ao levantamento do final da safra 2015, quando o estoque privado registrado foi de 13,59 milhões de saca

Agricultor do Paraná tem produtividade histórica de soja

Marcos Seitz, de Guarapuava, bateu o recorde de todas as edições do concurso de produtividade do Comitê Estratégico Soja Brasil, com a média de 149,08 sc/ha

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados