VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Segunda-feira, 24 de Julho de 2017
Folha Mais
15/07/2017

O segredo da cachaça

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Saulo Ohara
Saulo Ohara - Adriano Lazari, dono de engenho em Londrina: envelhecimento ajuda a filtrar, tirar a acidez e aromatizar a bebida, tornando-a mais saborosa
Adriano Lazari, dono de engenho em Londrina: envelhecimento ajuda a filtrar, tirar a acidez e aromatizar a bebida, tornando-a mais saborosa

Da moagem da cana à bebida engarrafada, a cachaça percorre um longo caminho. E para os apreciadores mais exigentes, esse caminho obrigatoriamente passa por um longo tempo de envelhecimento. Barris de carvalho, amburana, amendoinzeiro – entre outros tipos de madeira -, são usados nessa fase e conferem sabores e aromas refinados à bebida.

Adriano Lazari, do Engenho Lazari – ou Alambique da Saúde, como é mais conhecido -, conta que a cachaça pode ser consumida logo após o término do processo de fabricação, mas diz que o envelhecimento ajuda a filtrar, tirar a acidez e ainda aromatizar a bebida, tornando-a mais saborosa. Lazari, juntamente com o tio, o pai e os primos, toca a empresa familiar fundada nos anos 1970 pelo avô, na zona norte de Londrina.



"Depois da moagem da cana o caldo vai para a dorna, onde acontece a fermentação. Lá ocorre a conversão do açúcar em álcool. Esse líquido posteriormente é fervido e depois de extrairmos o teor alcoólico, o líquido vai para os barris de envelhecimento. Geralmente a cachaça fica envelhecendo de 1 ano e meio a 2 anos, mas é possível deixar muito mais tempo", descreve.

Lazari conta que depois de engarrafada a bebida para de envelhecer, portanto, não é necessário aguardar mais tempo em casa para consumir a cachaça. (E.G)
Érika Gonçalves
Reportagem Local
CONTINUE LENDO

Cada vez mais confortável

Com o passar do tempo, o jeans adquire até a forma do corpo de quem o usa. E não para de se renovar: já há tecidos com repelente de insetos, redutor de celulite, resfriamento...

Além do tempo

Móveis assinados são verdadeiras joias de design e valorizam o ambiente, além de serem muito confortáveis

Quanto mais velho, melhor?

Nem todo vinho precisa de tempo de maturação ou envelhecimento para ser consumido

A qualidade está no tempo

Amadurecer bem é desejo de muitos. Motociclista de 87 anos conta que sempre é tempo de viver intensamente

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados