VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha Mais
04/11/2017
FILANTROPIA

Juventude consciente

Em uma idade em que muitos estão preocupados apenas com a futura carreira, outros fazem questão de reservar um pouco do seu tempo para ajudar quem precisa

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Saulo Ohara
Saulo Ohara - Formado em Direito e Ciências Sociais, Gabriel da Silva, 28, atua como voluntário na Itália, recebendo crianças e adolescentes refugiados. Veja vídeo utilizando a tecnologia da Realidade Aumentada
Formado em Direito e Ciências Sociais, Gabriel da Silva, 28, atua como voluntário na Itália, recebendo crianças e adolescentes refugiados. Veja vídeo utilizando a tecnologia da Realidade Aumentada


O dicionário define "voluntário" como: 1. que não é forçado, que só depende da vontade; espontâneo. 2. que se pode optar por fazer ou não. Na prática, porém, ser voluntário é muito mais do que isso. Ser voluntário é abdicar de parte do seu tempo – seja para o lazer ou para a família -, se doar em prol do outro e no fim mais receber do que dar.
PUBLICIDADE

Em uma idade em que muitos jovens estão preocupados com a futura carreira, em crescer no trabalho ou apenas aproveitar a juventude, muitos outros fazem questão de reservar um pouco do seu tempo para ajudar.

Formado em Direito e Ciências Sociais, Gabriel Bernardo da Silva, 28, há três anos deixou o Brasil para ser voluntário em outros países. Ele conta que devido a sua formação sempre foi instigado a fazer trabalhos voluntários. "Por minha formação no Colégio Marista e depois na PUC (Pontifícia Universidade Católica) eu já participava de semanas de voluntariado, sempre me fez muito bem. Mas eu voltava para casa e me sentia incompleto. Quando terminei minha graduação recebi o convite para participar de um trabalho voluntário no Sri Lanka e depois Tailândia", conta.



De lá Silva foi convidado a estagiar nas Nações Unidas e foi para a Suíça. Atualmente ele mora na Sicília, na Itália, onde atua como voluntário recebendo crianças e adolescentes refugiados não acompanhados, ou seja, aqueles que se separaram dos pais durante a travessia, ou que ainda foram enviados sozinhos para a Europa. Depois de recebidos, eles são encaminhados para centros onde recebem roupas, alimentação, cuidados médicos e posteriormente documentos e encaminhamento para escolas ou cursos profissionalizantes. Muitos sofrem todo tipo de violência durante o trajeto e ainda sofrem o choque de chegarem sozinhos em uma cultura estranha. O trabalho faz parte de um programa denominado "La Valla 200", do Instituto Marista.

"Neste ano completamos 200 anos desde que Marcelino Champagnat deu início a sua obra, em La Valla, por isso o nome do programa. E o objetivo é descobrir novas formas de trabalho, por isso fui para a Itália, para atuar em todo tipo de serviço e descobrir o que é mais necessário. Me dispus a ficar três anos e neste primeiro ano trabalhei junto à Cruz Vermelha nos desembarques, dando aulas de italiano e inglês, além de trabalhar com a valorização da cultura deles e também na questão dos direitos legais, já que muita coisa ainda é nova e não prevista nas leis", explica.

Segundo ele, foi a vontade de fazer a diferença e transformar o mundo – mesmo que seja o mundo de apenas uma criança, que o motivaram a deixar tudo no Brasil para ser voluntário. "Quando eu era criança e morava próximo ao aeroporto de Guarulhos, via os aviões e ficava imaginando quem eram as pessoas que estavam neles. Eu queria conhecer outras culturas mas não viajando simplesmente e sim convivendo com os locais. Ajudar as pessoas é uma oportunidade."

Silva aponta que o único ponto negativo de estar tão longe de casa é justamente a distância, o que impossibilita que ele esteja presente em comemorações e datas festivas, já que vem apenas uma vez por ano ao Brasil.

"As pessoas podem se perguntar por quê, com tantas pessoas precisando aqui, fui me dedicar a trabalhar na Itália. Eu digo que o meu chamado foi esse. Mas e você que está aqui, ajuda quem? Muitas vezes o necessitado está ao nosso lado", finaliza.

Gina Mardones
Gina Mardones - Aos 24 anos, a arquiteta Catharina Cavasin é coordenadora dos voluntários do Lar Anália Franco:
Aos 24 anos, a arquiteta Catharina Cavasin é coordenadora dos voluntários do Lar Anália Franco: "Nosso compromisso é grande"


Fazendo um domingo diferente
Aos 24 anos, a arquiteta Catharina Cavasin é voluntária no Lar Anália Franco, em Londrina, desde os 18. Ela conta que morou perto da instituição e também teve parentes que trabalharam lá, por isso conhecia as dificuldades e necessidades dos internos. Porém, como a instituição só aceita voluntários maiores de 18 anos, foi necessário esperar. Hoje ela é a coordenadora dos voluntários do Lar e também cuida da página da instituição nas redes sociais.

"Aos 19 anos e já na universidade, criei uma página nas redes sociais e comecei a fazer reuniões. A primeira deu 50 pessoas, na semana seguinte já apareceu menos, mas depois de um tempo conseguimos formar um grupo com uns 25 voluntários. Nós trabalhamos no bazar e com as crianças e adolescentes, além de fazermos promoções para angariar recursos", descreve.

Cavasin conta que aos domingos os internos podem receber a visita dos familiares e sair para passear com os padrinhos, porém, nem todos têm quem os visite, por isso a presença dos voluntários é fundamental. "Nós viemos e fazemos atividades recreativas com as crianças. Com as adolescentes, conversamos, falamos sobre mercado de trabalho, educação sexual, profissões. Somos alguém em quem elas podem confiar e com quem podem conversar. Isso é muito importante porque aos 18 anos eles saem do Lar e precisam estar preparados para isso. Acredito que sem o trabalho dos voluntários o domingo deles seria pior", afirma.

Como arquiteta, Cavasin se uniu aos colegas de universidade quando ainda era estudante e através de um projeto de extensão e doações da comunidade conseguiu revitalizar a área de lazer das crianças, que conta agora com parquinho e quadra de vôlei de areia, onde são realizadas várias das atividades do domingo.

"Ser voluntário é algo bem sério, as crianças e adolescentes criam vínculo conosco e sentem falta, por isso nosso compromisso é grande. Todos os voluntários assinam um termo de compromisso se comprometendo a vir pelo menos duas vezes no mês. Nós não conhecemos o histórico das crianças, mas sabemos que não é fácil. Compreendemos que o domingo é um dia de ficar com a família, de descansar, mas saber que nesse dia que você podia não fazer nada, você fez a diferença na vida de uma criança, é muito gratificante. A semana começa de outra forma, a gente fica mais bem-humorada. Quando não posso vir fico pensando no que eles estão fazendo."

Para quem quiser ser um voluntário, ela diz que existem diversas funções e que a entidade está sempre aberta a novos colaboradores. Interessados podem entrar em contato pelo e-mail voluntariado @ laranaliafrancolondrina.com.br (E.G)

'Você vai ajudar o outro e ele te ajuda'
O acadêmico de engenharia mecânica Guilherme Vicente, 18, participa da Pastoral Juvenil Marista (PJM) e através dela atua em algumas ações de voluntariado. Além de entrega de brinquedos, roupas e mantimentos em creches e outras instituições, os voluntários também participam de duas ações maiores anualmente. Ele conta que começou a participar do grupo aos 15 anos, a convite de amigos e gostou de encontrar pessoas que também buscavam algo a mais.

"Me encantei com as ações realizadas pela PJM. Uma delas é realizada no final de semana antes da Páscoa e dura de sexta a domingo. Vamos até uma comunidade na região de Londrina e levamos cestas básicas. Programamos atividade de lazer para crianças e idosos, visitamos as casas. Percebo que tem muitas pessoas com carência de serem ouvidas, de terem atenção", diz.

A outra ação dura uma semana e é realizada em janeiro, a Missão Solidária Marista, que envolve os alunos mais velhos – a partir do 3º ano do ensino médio e universitários. O local de visita pode ser tanto no Paraná quanto em outros Estados e a imersão na comunidade é maior.

"Esse ano atuamos na região do Centro Educacional Marista Irmão Acácio, na Zona Norte de Londrina. Também fizemos visitas e promovemos atividades com os moradores, mas nesse encontro fazemos ações mais concretas, neste caso, pintamos o muro do Centro Social e com a ajuda de profissionais reformamos o parquinho. Ao contrário da outra ação, em que ficamos alojados em escolas, na Missão Solidária nos hospedamos na casa das famílias que podem receber os jovens. Um dos objetivos é conhecer outras realidades e acabamos criando uma relação de família", conta ele, que já foi visitar duas vezes sua "mãe" de missão.

Vicente diz que o trabalho voluntário permite que ele veja outras realidades e sinta que ainda há muito a ser realizado. "Ficamos muito tempo ocupados com nossa própria rotina, o voluntariado é uma experiência muito válida. Você vai ajudar o próximo e ele te ajuda. O legal é que nos encontros vão pessoas de todas as religiões, cada um dentro da sua crença, mas com o objetivo final da caridade. Com certeza os amigos da PJM eu vou levar para sempre!" (E.G)
Érika Gonçalves
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
PENSAR NO COLETIVO

Amar o próximo como a ti mesmo

Seguindo o maior mandamento cristão, pessoas de diferentes crenças se unem em prol dos menos favorecidos

VOLUNTARIADO

Brincar e voluntariar

Grupos de incentivo à solidariedade e civismo podem ajudar a envolver crianças no voluntariado

PENSANDO NO PRÓXIMO

Quando a lição é fora da própria casa

Enxergar o mundo com outros olhos é um exercício e pode ser praticado por meio do voluntariado

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic