VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha Mais
12/08/2017
DIA DOS PAIS

A descoberta da paternidade

Após os 50 anos e solteiro, professor vive os desafios e recompensas de criar uma criança

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Fábio Alcover
Fábio Alcover - O professor Cristiano Simon se tornou pai de Mateus, 5, depois de quase sete anos na fila da adoção:
O professor Cristiano Simon se tornou pai de Mateus, 5, depois de quase sete anos na fila da adoção: "Quando ganhamos um filho vem uma rede de solidariedade junto"


Há pouco mais de dois anos, Mateus, 5, chegou para completar a vida do professor Cristiano Simon. Ele se tornou pai aos 53 anos, depois de quase sete anos na fila da adoção.
PUBLICIDADE

"Aos 40 e poucos anos decidi que queria ser pai. Foi um longo tempo de reflexão e terapia, um processo muito bem pensado. Eu já tinha uma vida estabilizada e mesmo sendo solteiro, percebi que poderia adotar. Dei entrada nos papéis e aguardei quase sete anos para ele chegar", conta.

Segundo Simon, com a chegada de Mateus toda sua rotina mudou, mas a sensação é que nada existiu antes da chegada do filho. "Ele é muito carinhoso, doce e também peralta. Se o Mateus perde por não ter um pai de 20 anos que corra atrás dele, ganha por ter alguém com a cabeça mais resolvida. É claro que a gente não tem a real noção do que é ser pai. Por mais que se pense como vai ser, é diferente. Existem perdas, mas também as compensações: o carinho que a gente ganha, a companhia."

Se hoje já não é tão simples apagar as luzes, fechar a porta e sair para viajar, por exemplo, há muita diversão e atividades em conjunto. Morando em apartamento, Mateus e o pai adoram visitar os amigos em uma chácara e passar tempo na casa com enorme quintal e muitos pets que a família tem nos arredores de Londrina. O pequeno é apaixonado por cinema e alguns passeios dão direito a se divertir nos brinquedos do shopping também.

"Eu acordo pensando no que vou fazer no dia segundo as necessidades dele. Tento atendê-lo ao máximo, antes de mim. Me incomodo quando dizem que ao adotar estamos fazendo uma caridade, ou fazendo o bem para a criança. Ele fez muito mais bem a mim, na verdade", explica o pai.

Distante 500 quilômetros da família, o professor conta com uma rede de apoio para cuidar de Mateus. No dia a dia, ele se organiza para passar o máximo de tempo com o filho. Além da licença de seis meses ao adotar o garoto, o professor passa as manhãs com o filho e trabalha à tarde, enquanto Mateus está na escola. Em duas manhãs e duas noites que precisa trabalhar, conta com uma vizinha e amiga para ficar com Mateus.

"Ele gosta muito dela, tem uma ligação muito legal, assim como com uma outra amiga nossa. Também tenho a minha diarista, que vem duas vezes na semana. E há uma troca, quando necessário também cuido dos meus afilhados. Estou distante da minha família, mas fui adotado por várias outras."

Simon diz que sempre se sentiu um pouco pai e mãe, por ser professor. Hoje, trabalhando com a formação de outros professores, avalia que ser pai é algo completamente diferente.

"A ideia de ter alguém ligado a você, mesmo que seja na África ou qualquer outro lugar, que você pode telefonar e conversar, é fantástico. É uma responsabilidade enorme, dá medo. Durante o processo de adoção eu tive câncer, pensei em ir ao Fórum e cancelar o pedido. Mas meu médico me aconselhou a não fazer nada que pudesse me arrepender depois. E seis meses após a minha cura, Mateus chegou. Meu único receio era de que eu viesse a faltar, mas já providenciei tudo nesse sentido. Quanto ao resto, quando ganhamos um filho vem uma rede de solidariedade junto!"
Érika Gonçalves
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
AMOR SEM LIMITE

Quando os papéis se invertem

Para cuidar do pai, filha deixa emprego e marido em outro Estado e volta para o Paraná

PRESENTES

Para todos os estilos

Primavera/verão pede roupas e calçados mais descolados. No visual, barba e bigode continuam com tudo

SUGESTÕES

Para agradar

Não faltam opções para o presente do paizão. Mesmo de última hora é possível fazer boas escolhas. Confira algumas sugestões

PENSAR MAIS

Primeiro, incentive seus filhos a se tornarem amigos da cidade onde moram (para além dos passeios em shoppings e ao redor de um lago). Segundo, incentive seus filhos a se tornarem amigos dos seus amigos

DESAFIO

Tal pai, tal filho

Ter apenas filhos homens pode ser um prazer e um desafio. Sem ter a quem se espelhar, cabeleireiro fez da paternidade um aprendizado

DIA DOS PAIS

A casa das cinco mulheres

"Nós somos abençoadas pelo pai que temos". É o que pensam Camila, Malu, Linda e Bruna, filhas do imobiliarista Marcos Moura, o paizão de quatro meninas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados