VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Domingo, 25 de Junho de 2017
Folha Gente
01/04/2017

Morando em um sonho

Londrinense traz para o mundo real a fantasia de toda criança de ter uma casa na árvore e a transforma em um negócio de sucesso

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Gina Mardones
Gina Mardones - O empresário Ricardo Brunelli, de 51 anos, construiu seu escritório em cima de uma paineira-rosa no quintal de casa: sonho de menino
O empresário Ricardo Brunelli, de 51 anos, construiu seu escritório em cima de uma paineira-rosa no quintal de casa: sonho de menino


Dois sonhos acompanham o homem, desde os primeiros anos de vida: ter o poder de voar e construir uma casa na árvore. O empresário Ricardo Brunelli, de 51 anos, realizou os dois. Formado em comércio exterior pela Rowan University, de Nova Jersey (EUA), trocou a talvez promissora carreira de negócios, entre empresas e governos de diferentes países, por fazer sucesso com a construção de casas na árvore. Realizou o próprio desejo de menino, e de muita gente, de viver na copa das árvores. Conseguiu voar alto, tornando real, o que era imaginação de criança.

O mundo dos negócios ensinou ao empresário londrinense que é com os erros que se aprende. Uma das lições foi a de que todo fracasso é um teste de perseverança. "Quando, eu era criança não tinha tanta oferta de diversão como hoje. A TV era preto e branco, brincávamos de carrinho de rolimã, calçávamos kichute e bamba. Entre as brincadeiras, gostávamos de saltar de uma árvore para outra, sem pôr os pés no chão. Um dia, eu e um amigo, que morava em uma fazenda em Rolândia, construímos uma casa num abacateiro com bambus e folhas de bananeira. A primeira noite, dormimos bem, mas a casa na árvore não resistiu à chuva no segundo pernoite. Tivemos que descer e dormir em casa. Disse para mim mesmo que um dia construiria uma casa na árvore", lembra o empresário.

A segunda lição aprendida com os primeiros erros foi que é preciso recrutar uma equipe eficiente. Na sua empresa, Brunelli conta com a experiência da família de carpinteiros de José Aparecido Rosseto. São seis gerações e mais de 200 anos de ofício."Conheci o Rosseto quando veio fazer uma mesa para mim. Ele trouxe os três filhos pequenos, que hoje trabalham com a gente. Viu que eu tinha uma maquete de uma casa na árvore. Disse para ele que sempre quis ter uma casa na árvore. Ele respondeu que sempre sonhou em construir uma casa na árvore", conta Brunelli, que vinha pesquisando projetos em livros e na internet.



Estabelecida a parceria, o empresário investiu os recursos de um consórcio de imóvel para construir a casa dos sonhos na fazenda de um amigo, em Porecatu, em 2001.
Um sonho de 44 metros de área interna e 20 metros de varanda a 10 metros de altura em uma figueira. A casa ainda tem um deck de 23 metros de altura, o equivalente a um prédio de seis andares e uma vista maravilhosa.

Com o sonho de menino, o empresário voou acima das copas. E hoje fotos de suas casas ilustram o livro "New Treehouses of the World", do host da série de TV Tree House Masters", do canal Animal Planet/Discovery, que também esteve sete dias no Brasil, em 2015, produzindo um episódio sobre as casas de Brunelli.

Casas do londrinense foram construídas em muitos lugares do Brasil para clientes como o narrador esportivo Galvão Bueno, o apresentador Faustão, o empresário Roberto Justus, a escritora Fernanda Young e o multimilionário Toninho Abdalla."Construímos muitas casas para adultos, mas estamos mudando o foco mais para as crianças. Os nossos projetos levam nomes de pássaros, como bem-te-vi, quero-quero, sabiá, entre outros. Vão desde os tamanhos mini, básicos até os maiores. Estamos em um segmento que busca resgatar uma infância de brincadeiras. Hoje, os pais têm uma tentativa frustrada de tirar os filhos dos iPads, tablets e smartphones. Tenho ajudado os meus clientes com uma ideia que vai além da casa na árvore", explica o londrinense.

São projetos que incluem na planta paredes de escalada, escorregador, tubo de bombeiro, escada de cordas e teias de aranha."Tenho uma filha de 12 anos, que sempre foi muito apegada comigo. Até que chegaram os equipamentos eletrônicos e invadiram a nossa relação. Ela não queria mais ficar comigo. Não dá para eliminar o universo virtual, mas podemos criar situações para tirar as crianças desse mundo", explica Brunelli, que em seus projetos inclui bancos de balanço para leitura, mesinhas para as crianças fazerem piquenique. Os pais contam que estão conseguindo aproveitar mais os momentos com os filhos.

Mas, o que fazer com as casas, quando os filhos crescem e deixam o ninho em cima da árvore? Brunelli diz que as casas podem se transformar em home office ou uma opção de apartamento no quintal.

A história de Brunelli chama a atenção pela persistência até conseguir realizar um sonho, dando ainda mais uma lição de negócio de sucesso e de vida.

Primeiro, lutar pelo que acredita. Segundo, confiar nas próprias ideias e, finalmente, saber curtir a vida e os bons momentos. É o que faz no alto do seu escritório em cima de uma paineira-rosa no quintal de casa.


Francismar Lemes
Especial para a Folha
Continue lendo
3
Continue Lendo
2-1-39-62-20170401
2-1-39-68-20170401
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados