VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha da Sexta
26/08/2016
CUIDE DE SUA SAÚDE

VIVA BEM - Pele protegida

Especialista fala sobre como diminuir os impactos causados pela dermatite atópica, doença bastante comum mas pouco conhecida pela população

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock


Pele seca e sensível, com aparecimento de manchas vermelhas e muita coceira são alguns dos sinais da dermatite atópica. Apesar de pouco conhecida pela população em geral, ela é bastante comum e está ligada a outras doenças, como a asma e rinite alérgica. Trata-se de um problema crônico que costuma piorar no inverno. Nesta estação do ano, a combinação de baixas temperaturas, banhos mais quentes e baixa umidade do ar costuma desencadear crises de inflamação na pele, levando ao aumento da vermelhidão e coceira.
PUBLICIDADE

O dermatologista Roberto Takaoka, coordenador do Ambulatório de Dermatite Atópica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e fundador da Associação de Apoio à Dermatite Atópica (AADA), explica que a causa exata dessa doença ainda não é conhecida, mas provavelmente decorre de alterações do sistema imunológico e defeitos da barreira da pele.

"A pele funciona como uma barreira contra agressões do meio ambiente, como poeira, ácaros, substâncias químicas. Quando esta barreira está comprometida, que é o que acontece na dermatite atópica, isso pode levar ao aparecimento das irritações da pele. Um dos meios mais eficazes para manter a barreira da pele saudável é o uso de hidratantes neutros e também evitando-se banhos quentes e muito sabonete", explica o médico.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, 10% a 15% da população convive com a dermatite atópica. Normalmente, os sintomas surgem nos primeiros meses de vida, podendo intensificar-se durante a infância. Aproximadamente 30% a 40% pode chegar à fase adulta, porém a maioria dos pacientes costumam melhorar com a idade. Apesar do tratamento da dermatite atópica ser relativamente simples, uma pesquisa feita pela Associação de Apoio à Dermatite Atópica mostra um alto grau de insatisfação por parte dos pacientes e pais de crianças que apresentam o problema.

"O mais importante no tratamento da dermatite atópica é entender que se trata de uma doença crônica, com fases de melhora e piora, mas que pode ser controlada com um tratamento adequado, tratamento este que inclui a identificação e o afastamento dos fatores desencadeantes, hidratação da pele e medicação correta. O paciente precisa aprender a identificar os fatores que desencadeiam sua dermatite e os medicamentos que lhe trazem melhores resultados. É um processo de autoconhecimento, que resulta na melhor convivência com a doença", garante Takaoka.
Para mais informações confira o site da Associação de Apoio à Dermatite Atópica (AADA): www.aada.org.br
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

MODA - Sem perder a ternura

Os saltos grosso e quadrado não só proporcionam conforto aos pés como também imprimem a grande aposta da temporada

SUA CASA

Muito prazer, sou a orquídea!

Especialista derruba o mito da tal "mão boa" para as plantas e diz que elas precisam de cuidados adequados para florescer e espalhar sua beleza

FIQUE DE OLHO!

Nota 10

À MESA - Coringa!

A escolha dos ingredientes é prioridade para o preparo de uma torta deliciosa. Confira nossas sugestões

SUA CASA - Pronto para alugar

Para atrair inquilinos, investidor convoca arquitetos para decorar um apartamento de 39 metros quadrados. Veja o resultado

ESPAÇO PET - Na hora de trocar a ração

Substituição deve ser gradual para evitar problemas digestórios e até a recusa do alimento

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic