VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha da Sexta
25/03/2011

Inverno fashion

O outono/inverno 2011/12 nas passarelas eupéias. Pegando carona na maratona de desfiles da temporada de moda de Londres, Milão e Paris - que aconteceu de fevereiro à março - a Folha da Sexta convidou um time de fashionistas para analisar as tendências da estação mais cool do ano, que podem inspirar os looks para o frio que vem por aí

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Geometria e cintura marcada

"Na temporada europeia, as passarelas dos anos 40 aos 90 foram revisitadas. O ladylike (1940/50), tendência forte nas coleções Miu Miu, Dries Van Notten e Prada, foi traduzido pelos vestidos ajustados no corpo, com cinturas bem marcadas e femininas. Já a década de 60 - reeditada pelas marcas Burberry, Prada, Marni e Proenza Schoule - influenciou os casacos, que agora estão retos e são usados como vestidos. Destaque para estruturas geométricas, ênfase nos shift dresses, releitura do antigo tubinho, e na silhueta ovo (cocoon). As grifes D&G, Chloé e Dior, apostaram em silhuetas setentistas, transitando entre estampas coloridas, pantalonas e calças boca de sino mais ajustadas no corpo. O oversize e o minimalismo (anos 1990) ficaram em evidência nas coleções de Stella McCartney, Jill Sanders e Paul Smith. Outras tendências prometem ser fortes nas próximas temporadas. As saias lápis e linha A são as novas/velhas modelagens. Quando se trata de estamparia, o xadrez continua, e desenhos de pássaros são a grande novidade. Já os materiais como couro, peles, tecidos transparentes e rendados, que permearam a maioria das coleções, continuam em alta. Porém, o hit da temporada é a pele de cobra - fake ou não – presente nas botas da Prada".


Priscila Germano é formada em Design de Moda e pós-graduada em Moda e Cultura pela UEL. Atua como produtora de moda, stylist, colunista fashion no site do Londrinatur e blogueira. (prisgermano.blogspot.com)


Longa metragem

"O midi é o comprimento do momento. O estilo, que tomou conta de desfiles americanos e europeus, apareceu também na passarela das marcas Balenciaga, Christopher Kane, Louis Vuitton, Gucci, Pedro Lourenço, Jill Sander e Givenchy. As mangas foram vedetes da temporada estruturadas em peles naturais ou sintéticas nos desfiles da Carven, Just Cavalli e Yves Saint Laurent – e com formato arredondado, as chamadas "mangas casulo", da Vuitton, sucesso de crítica. Apesar da invasão de cores, o inverno promete ter muitos acessórios off white: bolsas (Gucci e Prada), botas e sapatos (Alexandre McQueen, Versace e Balmain). No quesito festa, os vestidos apareceram longos, com tecidos levíssimos, transparentes e sensuais nas coleções de Valentino, Gucci e Mulberry. Em contrapartida, a tendência andrógina traz uma novidade na hora de compor um look de gala: as calças. A aposta é nas peças com franjas brilhantes e matelassadas da Chanel, na calça smoking de Jason Wu e no costume de renda da Lanvin. O acessório da vez é o chapéu, preferencialmente com abas largas como os teatrais da Christian Dior, de pelo Nina Ricci e, o mais chic, da Lanvin. E no meio de tantas tendências, o look do momento é aquele inspirado nos ele­gantes uniformes de governantas e camareiras, do século passado. Quem aderiu ao estilo foi a it girl Alexa Chung, e a tendência foi confirmada pelas grifes Vuitton, Prada e Chanel".


Carolina Garcia Cid é Consultora de Imagem, formada pelo Image Consulting por Silvana Bianchini, da Dresscode Intl., uma das pioneiras em Consultoria de Imagem no Brasil. É formada também em Cor na Estética pelo Universo da Cor (Centro de Estudos e Pesquisas sobre as Cores


Texturas, estampas e alfaiataria

"As formas minimalistas também voltaram. O gênero, que preza pelo "menos é mais", desta vez ignorou as modelagens apertadas, e deu lugar para peças confortáveis, originando looks muito mais bacanas. Porém, para quebrar a "monotonia minimalista" dos cortes retos e simples, vale misturar texturas e estampas. O off white ganha ares mais modernos com o mix de texturas: couro com pele, transparência com paetês, algodão com lã, entre outros. Isabel Marant, Emporio Armani e Chanel defenderam essa tendência. Para as mais moderninhas, a ordem da vez é a mistura de estampas, explorada nas coleções da Dolce & Gabbana e Jean Paul Gaultier. O segredo é procurar um elemento em comum nas estamparias, fazendo com que, mesmo desconexas, elas se mesclem e resultem em um visual bacana, ousado e chique na medida. A diversão continua na hora de abusar das cores: azul-royal, rosa-choque, laranja ou os chamados "jewel tones", que remetem a coloração de pedras preciosas, como roxo, esmeralda, rubi. Misturar todos esses tons em blocos de cores, o que chamamos de Colorblocking, é um jeito bacana de sair da mesmice e inovar no visual. A alfaiataria também marcou presença nas passarelas. Com modelagens mais soltas e materiais diferenciados, o estilo foi modernizado. Calças sociais, tailleurs e blazers abandonam o ambiente corporativo e se adequam às ruas e aos movimentos mais variados da moda, adotando várias facetas diferentes".


Ana Claudia Narciso, estudante e blogueira de moda do site www.notsohaute.com



Transparência é destaque da coleção de Jason Wu



Bota com pele de cobra, Prada



Ladylike, Miu Miu



Silhueta arredondada, anos 60, Burberry



Novidade na estamparia: pássaros em evidência na Mulberry



Louis Vuitton: inspiração em uniformes do século passado



Vestidos abusam da transparência e da sensualidade feminina, Gucci



"Jewel tones", Yves Saint Laurent



Mix de texturas, Isabel Marant



Mistura de estampas, Jean Paul Gaultier

Mayhara Nogueira
Reportagem Local
CONTINUE LENDO

Uma nova luz sobre a gagueira

A história do rei inglês que lutou para vencer a gagueira expõe as principais dificuldades de quem sofre desse distúrbio, ainda visto com preconceito pela sociedade

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados