VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha da Sexta
19/08/2016

Cacau garante trabalho e renda

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Nas árvores e in natura, os frutos estão prontos para provar


Vindos da Amazônia (AM), os cacaueiros tiveram seu cultivo iniciado em Ilhéus nos idos de 1820. E lá, sob a sombra da Mata Atlântica, o cacau se desenvolveu. Ao encontrar boa terra, o fruto prosperou e se transformou em um dos mais exportados pelo Brasil. Seus produtores enriqueceram, literalmente às toneladas, e se transformaram nos coronéis da alta sociedade da época.
PUBLICIDADE

Foi no final do século 19 que a Costa do Cacau foi fundada pelos mesmos coronéis poderosos, entre os quais estão nomes como Misael Tavares, responsável pelo primeiro banco, pelo primeiro hotel, pela primeira rua asfaltada e pelo primeiro elevador de Ilhéus.

Com uma costa de 180 quilômetros, o cacau, ao lado do turismo, garante trabalho e renda para a cidade, seja na produção, na venda da semente ou na fabricação e venda de seus derivados como chocolate em barra, em licores ou até mesmo como suco e sorvete.

Hoje, a cidade abriga um dos maiores encontros temáticos, o Festival Internacional do Chocolate, criado em 2009. Além do Festival, a fama do cacau instituiu fazendas turísticas, nas quais é possível visitar plantações imensas de cacaueiros com guias especialistas no assunto: os trabalhadores das fazendas.

Os frutos colhidos durante seis meses – e plantados durante os outros seis do ano – são, em média, 60 por árvore e de um amarelo forte e escuro. Assim, nas árvores e in natura, estão prontos para provar: basta chupar a polpa em volta das sementes. São aproximadamente 100 variedades de cores e tamanhos de cacau. A extração da amêndoa tem destino de suco ou sorvete. E a semente seca e fermentada é comercializada em arrobas.

Barras, trufas, licores e uma infinidade de derivações do cacau, feitas sem conservantes e com até 70% de cacau puro, garantem um sabor único e verdadeiro da cidade de Ilhéus, conferindo à cidade e ao cacau o reconhecimento por sua alta qualidade, que não fica atrás dos belgas ou suíços.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

MODA - O jeans nosso de cada dia

De democrático a onipresente, o índigo segue dando o tom do guarda-roupa com opções para ir do básico ao festivo

SUA CASA - Brilho e sofisticação

Taças, copos, vasos, lustres e outros objetos de cristal trazem muito luxo na decoração e ainda fazem da degustação de bebidas uma experiência sensorial

VIVA BEM - Gorduras do bem

Manteigas especiais garantem bons nutrientes e muito sabor nas refeições

COMPORTAMENTO - Bate na madeira

Superstições que passam de geração para geração criam um repertório todo próprio

À MESA - Almoço especial

Confira três opções de pratos deliciosos e de fácil preparo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic