VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016
Folha 2
21/09/2012

Sabor agridoce

'A Primeira Coisa Bela' resgata a comédia dramática italiana

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Longa-metragem é engraçado e triste, superficial e profundo, permite uma leitura rasa, mas se abre a outras interpretações

São Paulo - Houve um tempo em que se esperava com ansiedade pelos filmes italianos. Não apenas pelo último trabalho de mestres como Fellini e Antonioni, mas também os de um formidável ''segundo time'', composto por nomes como Mario Monicelli e Dino Risi. Injustiça, claro, pois tanto Monicelli como Risi faziam cinema de primeira ordem, embora também se preocupassem muito com a resposta do público. Era o tempo de ouro da commedia all'italiana, esse gênero agridoce que eles sabem temperar como ninguém. Depois os mestres morreram e o cinema italiano praticamente saiu das nossas vidas. Pouco aparece por aqui, com raras exceções. Uma delas é este ''A Primeira Coisa Bela''.
Ouvem-se por aí restrições ao excesso de ''italianidade'' do filme. Certo, mas se é um filme italiano! O que fazer? Os personagens deveriam se comportar como lordes ingleses? Será que medimos tudo pelo sabor homogêneo do fast-food cinematográfico atual? Não temos paladar para outros gostos, outras culturas? Porque é justo essa italianidade em excesso que faz de ''A Primeira Coisa Bela'' um dos filmes mais interessantes em cartaz.
Ele conta a história de Anna, mulher cheia de vida, livre, e que causa pasmo na sociedade fechada onde vive. Sua trajetória é contada em dois tempos. Jovem (Micaela Ramazzotti) nos loucos anos 70 e, agora, no presente, sofrendo de doença grave, por Stefania Sandrelli. Seu comportamento e os constrangimentos que causa são vistos pelo olhar dos filhos, Bruno (Valerio Mastrandea) e Valeria (Claudia Pandolfi). Há também um comentário sobre a vida fechada da província, Livorno, no caso a terra natal do diretor. O filme é engraçado e triste, superficial e profundo, permite uma leitura rasa, mas se abre a outras interpretações para quem se dispuser. Enfim, é uma comédia dramática como só italianos sabem fazer.
Luiz Zanin Oricchio

Agência Estado
Continue lendo
17
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados