VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha 2

Celia Musilli - O dia em que acordei em Tóquio

Ao ver tantos olhos puxados, pensava: desembarquei no Japão sem nunca ter pisado num trem-bala

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Tudo começou na véspera, no dia 21, quando fui ao teatro assistir a um espetáculo japonês que estava na programação do Filo. Atores e bailarinos encenavam um épico, ''King Yebi'', que eles consideram o ''Rei Lear'' em versão asiática. Não fosse cômico, seria trágico. Mas frases aqui e ali - até mesmo num improvisado português - davam um tom de humor que distraía o público das cenas mais dramáticas.
PUBLICIDADE

Se no palco o espetáculo era um, na platéia era outro. Japoneses de todas as idades lotavam o teatro, os mais idosos emocionavam quem os via, pelo esforço e concentração de assistir a um espetáculo com duas horas de duração. Música e teatro, referências ao Kabuki, a cenografia limpa que oferecia momentos mágicos, outros nem tanto, uma luz bonita que inundava o palco de vermelho e laranja. As cores do oriente, cultura forte e disciplinada, artes marciais e o drama a se desenrolar no palco porque King Yebi, o rei, queria um filho homem, mas tinha oito mulheres.
Lembrei-me que na família imperial japonesa só os homens têm direito ao trono e pensei que coisas não mudam tanto, apesar dos ventos da modernidade que varrem o Japão tecnológico, considerado um dos países mais desenvolvidos do planeta. Mas nem é preciso ir tão longe. Conheço brasileiros que também preferem filhos homens, visão distorcida que atravessa o tempo, mas Deus semeia por aí os dois sexos, segundo o seu próprio desejo.
No teatro, o épico segurou o público até o fim, as poltronas foram esvaziadas com o público aplaudindo em pé e eu, ao ver tantos olhos puxados, pensava: ''Nossa, desembarquei em Tóquio, sem nunca ter pisado num trem-bala.'' A arte é assim, nos transporta nas asas da imaginação. O Havaí é aqui ou Tóquio, Londres, Nova York. Tantas línguas, tantas cenas a encurtar distâncias.
A sensação de ter desembarcado no Japão não parou por aí. No dia 22, domingo, céu claro e um frio típico de junho, fui à praça para ver o príncipe Naruhito comemorar em Londrina os 100 anos da imigração japonesa. O espaço estava tomado, o povo concentrado atrás de um gradil para ver o príncipe. Mais dança, mais música japonesa - eu só me irritava quando alguém muito alto passava à minha frente, sem pedir licença. Dá vontade de estalar um tapa na orelha destes cidadãos. Mas há alguns anos, depois de participar de muitos eventos, aprendi que a gente assiste a tudo pelas brechas. Um pescoço ali, uma cabeça aqui, um minuto para ver a festa. Na praça não foi diferente. Eu estava de novo em Tóquio. Sem avião nem trem-bala, eu havia desembarcado no Japão. Mas era um Japão brasileiro, um Japão onde as crianças comem pipoca, um Japão de leques de plástico, bandeirinhas nipo-brasileiras a tremular nas mãos de emoção e frio.
Pouco antes do príncipe chegar, um helicóptero sobrevoava o local. Vocês sabem, tudo é uma questão de segurança. Soube que atiradores de elite montavam guarda nos velhos prédios ao redor da praça. Construções tão antigas no espaço que já foi chamado de Chinatown de Londrina. Fiquei feliz ao perceber que um dos restaurantes agora tem fachada vermelha e amarela, as cores do oriente, para criar outro palco, outro cenário para Naruhito.
O príncipe chegou acompanhado de políticos e autoridades. Não é preciso dizer quem são os políticos que só vêm a Londrina em dia de festa. Vocês os conhecem, são aqueles mesmo que, no resto do ano, não fazem na cidade nenhum investimento. Só querem aplausos e bandeirolas.
Concentrei-me de novo no espetáculo da praça. Ah! O povo sim me emociona. Aplaude e grita, desinteressado e festeiro. Senhores e senhoras com mais de 70 anos, japoneses de olhinhos apertados, às vezes úmidos de lágrimas, para ver o príncipe passar, para ver a banda passar, para ver o tempo passar.
O príncipe inaugurou a praça, movimentando-se como uma lenda viva. Uma lenda que carrega o peso e as glórias da família imperial. Visita rápida e uma cena muda. De repente, a praça é novamente do povo. Naruhito foi embora, assim como veio: num passe de mágica.
Só então desci a rampa para ver de perto o memorial aos 100 anos da imigração japonesa. Lindo como um navio ancorado. Monumento criado pelo artista japonês Toyota, que traz os nomes dos imigrantes para sempre gravados no granito. Deixei o navio. Subi em direção à rua Sergipe, saí de Tóquio num piscar de olhos. Mas tenho certeza que um pedaço do Japão mora aqui. O Japão agora é um navio, um navio de Toyota, ancorado no coração de Londrina.

celiamusilli @ terra.com.br
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Nos brocados da memória

Figurino e caracterização de 'Ciranda de Pedra' resgatam o glamour da década de 50, que se destacou na história da moda pelo abuso da feminilidade

Entrevista com Drummond

CD traz 90 minutos de conversas do poeta com a filha Maria Julieta

As muitas vidas de Valêncio Xavier

Aos 75 anos, escritor radicado em Curitiba ganha cinebiografia, adaptação de sua obra para as telonas e versão de seu livro mais famoso para teatro

Na torcida pelo quadrinho paranaense

Troféu HQMix, o mais importante da nona arte nacional, celebra bom momento no Estado com indicação recorde de autores e homenagem

Irene por inteiro

Atriz fala sobre seu novo personagem no teatro, faz críticas aos reality shows e mostra jogo de cintura para resolver problemas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic