VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Terça-feira, 25 de Abril de 2017
Folha 2
18/03/2017

Assalto ao Banestado beira à ficção

Depois de 30 anos, o icônico assalto que parou Londrina será rememorado em documentário dirigido por Rodrigo Grota; a história é mesmo coisa de cinema

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Sérgio Ranalli
Sérgio Ranalli - Rodrigo Grota pesquisando o arquivo da Folha:
Rodrigo Grota pesquisando o arquivo da Folha:"Há uma espécie de fascínio do povo brasileiro em ver esses momentos em que o sistema entra em colapso"


O assalto ao banco Banestado, que aconteceu em 1987, em Londrina, pode parecer ficção, mas não é. Seria apenas mais um para as estatísticas de roubo a bancos se não fosse dia do pagamento; se não fossem os 300 reféns; se não fosse Moreno, o cabeça dos sete assaltantes, que chocou não pela violência, mas por sua polidez; se não fossem as milhares de pessoas na frente da agência a acompanhar o desfecho como um final de novela, enquanto malotes de dinheiro chegavam pelo Calçadão, assim como comida para alimentar toda essa gente; se não fosse o clima de tragicomédia; se não fossem os assaltantes saindo da agência ovacionados; se não fosse a fuga em um ônibus com 14 reféns levando mais de 30 milhões de cruzados; se não fosse, enfim, dia 10 de dezembro, aniversário de Londrina.

Parece coisa de cinema e, de fato, agora vai ser. O novo filme da produtora Kinopus, dirigido e roteirizado por Rodrigo Grota, é o documentário "Assalto ao Banestado". A ideia de fazê-lo surgiu pela primeira vez quando Grota ouviu a história do jornalista Paulo Ubiratan, falecido em 2010, uma figura de destaque no assalto - ele entrou na agência, negociou a saída de reféns e ficou ele mesmo como refém até o fim. Paulo deu a deixa: "Isso daria um bom filme." O documentário, afirma Grota, também é uma forma de homenagear Ubiratan.
Desde 2012, Grota e a equipe da Kinopus começaram a resgatar essa história, que tem uma série de contradições: "Um otimismo exagerado de eles, amadores, acharem que iam fugir e dar tudo certo... Há também uma espécie de fascínio do povo brasileiro em ver esses momentos em que o sistema entra em colapso", conta Grota. O final dessa epopeia londrinense? Ninguém morreu, 6 dos 7 assaltantes foram presos e 27 milhões de cruzados foram recuperados. O resto desapareceu.

Apesar de ser um documentário, há, sim, um toque de ficção: "Pensei em inserir alguns elementos ficcionais que vão contribuir para a construção desse clima do que aconteceu há 30 anos, mas no sentido de intensificar a experiência de se aproximar desse episódio histórico - a prioridade é o relato factual", esclarece Grota.

À esquerda, uma das páginas da monumental cobertura da Folha de Londrina no dia do assalto e a ação lendária do repórter Paulo Ubiratan retirando uma refém do banco
À esquerda, uma das páginas da monumental cobertura da Folha de Londrina no dia do assalto e a ação lendária do repórter Paulo Ubiratan retirando uma refém do banco


Aprovado pelo Promic em 2015, as filmagens ainda estão acontecendo. "É um longa com orçamento de curta (R$ 45 mil), então é um projeto do coração, em que se faz por prazer", completa ele. O filme tem estreia prevista para 10 de dezembro deste ano, 30 anos após o assalto.

Como em um quebra-cabeça de milhares de peças, Grota tenta remontar essa história. A dificuldade é grande e ele ainda está em busca de peças fundamentais, entre elas, o próprio Moreno – ele cumpriu pena em Londrina até 2006 e continua morando por aqui: "Ouvir os bandidos é uma coisa muito interessante, porque é outra visão, um contraste, depois de 30 anos. Eles eram despreparados, não se tratava de uma quadrilha profissional, mas o Moreno tinha esse poder de comunicação e de sedução. Quero muito conhecer, porque é uma figura no mínimo curiosa". Para Grota, a parte mais difícil até agora é conseguir entender o que moveu o Moreno, "que foi quem criou essa história totalmente fantástica. Eu preciso olhar no olho dele para tentar saber. O fascínio maior vai ser encontrar esse cara... O que tem nele que causou toda essa energia que contagiou todo mundo, mobilizou e seduziu até mesmo quem estava ali sendo refém? É uma situação extrema, traz muita coisa à tona que você não imaginava. É um estado muito único de emoção que as pessoas viveram, então isso gera uma série de camadas de leitura. É uma aula de jornalismo e mostra como um mesmo fato pode gerar mil versões".

Fábio Alcover
Fábio Alcover - Nicéia Lopes:
Nicéia Lopes:"Eles fizeram tudo errado, mas começou a dar tudo certo. Virou um grande espetáculo do qual todo mundo queria participar"


Memória jornalística é a guardiã da história
A jornalista policial Nicéia Lopes acompanhou o assalto bem de perto. Com olhar atento, ela conta que não se deixou levar pelos ânimos exaltados e só observou. "No início, a polícia achava que se tratava de guerrilheiros, que estavam assaltando como uma forma de protesto pela situação econômica complicada da época". Depois, o clima foi ficando descontraído: "Era só risada! A saída foi o cume, com toda aquela torcida. Todo mundo gritando ‘dinheiro, dinheiro, leva, leva’. Tanto que foram aplaudidíssimos. Mas o que eu acredito é que nem o Moreno esperava a proporção e a repercussão do que aconteceu ali. Ele só foi se deixando levar. De um lado, a quadrilha, do outro, a polícia – um lado menos preparado que o outro. Chegou um ponto em que virou uma comédia", conta ela.

Nicéia relata que, em dia de visita ao Cadeião, a fila dobrava por causa do Moreno - entre as moças, uma ex-secretária do Banestado: "Era perto do Natal e ela levou peru. Todo sábado de manhã era assim", conta Nicéia. Ela chegou a entrevistar Moreno, mas ele nunca respondia às perguntas, só ria. "Ele tinha uma simpatia muito grande, recebia cartazes, bilhetes...".

Nicéia destaca que ainda existem muitas perguntas e muitas interrogações quanto ao episódio. Sobre o Barba, o único dos assaltantes que nunca foi encontrado e quem supostamente teria ficado com a parte do dinheiro não recuperada, ela questiona: "Sumiu para onde? Eu não acredito nisso. Eu duvido até hoje da existência do Barba, porque se ele estivesse lá dentro teria sido identificado. Muito fácil falar que o dinheiro ficou com alguém que nunca mais apareceu. Agora que muito dinheiro ali sumiu, isso sumiu". No entanto, de uma coisa Nicéia tem certeza: "eles fizeram tudo errado, mas começou a dar tudo certo. Virou um grande espetáculo do qual todo mundo queria participar".

Marcos Zanutto
Marcos Zanutto - Domingos Pellegrini:
Domingos Pellegrini: "O encantamento se deu graças à ousadia dos assaltantes e à ojeriza que o povo tinha de bancos"


O jornalista José Maschio era correspondente da Folha de S. Paulo na época do assalto ao Banestado. "Esse caso foi o precursor dos olhos da mídia nesses assaltos com reféns". Para ele, são três pontos curiosos: com quem ficou o dinheiro que não foi recuperado; a ação do Paulo Ubiratan; e a reação das mulheres que se apaixonaram pelo Moreno: "Depois eu percebi, quando você é refém, você está na mão da pessoa. Então o processo é de gratidão porque não sofreu demais".

O assalto ficou no imaginário popular... "O mágico está nisso: não houve tragédia", conclui Maschio. "O Moreno não tinha o que fazer... então ele entrou em situações bizarras, como essa de distribuir dinheiro para os reféns".

O escritor Domingos Pellegrini, autor do livro-reportagem "Assalto à brasileira" (1988), que reconstrói o caso, atribui o encantamento com o episódio a um espelho das contradições típicas da sociedade brasileira: "O encantamento se deu, arrisco, graças à ousadia dos assaltantes - que depois descobri ser resultante de inexperiência e ingenuidade, aliada a uma liderança que procurava mais performance que resultados práticos - e à ojeriza que o povo tinha de bancos. O povo resolveu então aplaudir os bandidos da hora para se vingar dos maus tratos bancários".

Para ele, o mais singular no assalto foi a mistura de tanta ousadia com tanto amadorismo: "Quando saíram do banco levando reféns, todos os assaltantes encapuzados, a imagem era aterradora, mas a realidade era acabrunhante: eles não sabiam o que fazer a cada passo que davam".

Assista entrevista:

Layse Moraes
Especial para Folha 2
Continue lendo
9
Continue Lendo
2-1-41-1385-20170318
2-1-41-1374-20170318
2-1-41-1369-20170318
2-1-41-1474-20170318
2-1-41-1356-20170318
2-1-41-1475-20170318
2-1-41-1405-20170318
2-1-41-1371-20170318
2-1-41-1393-20170318
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados