VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
17/07/2017

TÊNIS - Amor eterno

A lenda das quadras Roger Federer conquista o oitava título de Wimbledon e se torna o maior vencedor do Grand Slam londrino

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Adrian Dennis/AFP
Adrian Dennis/AFP - Suíço desfilou no tapete verde e repetiu a façanha de 10 anos atrás, sem perder nenhum set no torneio
Suíço desfilou no tapete verde e repetiu a façanha de 10 anos atrás, sem perder nenhum set no torneio

Londres - O suíço Roger Federer acrescentou mais um título em sua lendária carreira, neste domingo (16), ao conquistar o torneio de Wimbledon pela oitava vez, depois vencer o croata Marin Cilic por três sets a zero, parciais 6-3, 6-1 e 6-4.
PUBLICIDADE

Federer chegou ao 19º título de Grand Slams na carreira. Cilic chorou no meio da partida e viu o suíço se tornar o maior vencedor no tapete verde de Londres, superando o americano Pete Sampras, com 7 troféus. "Continuei acreditando, sonhando e aqui estou", comentou Federer após receber em mãos a famosa taça dourada do torneio.

Federer garantiu a hegemonia em sua superfície preferida, em 1 hora e 41 minutos de partida. O suíço não perdeu nenhum set em toda competição, repetindo feito de 10 anos atrás.
É o segundo título de Grand Slam na temporada, depois de vencer o Aberto da Austrália em janeiro. Antes disso, o suíço ficou afastado das quadras por seis meses, se recuperando uma lesão provocada por um acidente doméstico. A vitória em Wimbledon quebra um hiato de cinco anos desde o último título no All England Club."É preciso acreditar que se pode chegar nesta altura. Depois do último ano, não sabia se voltaria a estar aqui", comentou.

Federer não conteve as lágrimas ao final do duelo. "Espero que este não seja meu último jogo aqui. Quero voltar ano que vem", afirmou Federer, que aos 35 anos e 342 dias é o jogador mais velho a vencer em Wimbledon na era profissional.

Brasileiro faz história em Londres

São Paulo - Marcelo Melo e Lukasz Kubot entraram em quadra em busca do maior feito de suas carreiras. E eles conseguiram. A dupla do brasileiro e do polonês venceram a final de Wimbledon por 3 sets a 2 – parciais de 5/7, 7/5, 7/6, 3/6 e 12/10 – no último sábado (15).

A vitória também faz de Marcelo Melo o primeiro brasileiro a vencer em Wimbledon. Antes dele, somente Maria Esther Bueno havia levantado o troféu em Londres. Somando simples e duplas, ela foi campeã oito vezes. A conquista é uma realização pessoal do brasileiro que desde o começo do ano afirmava que vencer o torneio mais tradicional do tênis era a prioridade deste ano. A consagração veio num jogo emocionante, decidido apenas no quinto set e com alto nível técnico. Este é o segundo título de Grand Slam de Marcelo Melo. Ele ganhou Roland Garros em 2015.

Com o título, Melo e Kubot fecharam com chave de ouro a temporada na grama, onde venceram os três torneios que disputaram: ATP 250 Hertogenbosch (Holanda) e ATP 500 de Halle (Alemanha). O desempenho nos torneios credenciou Melo e Kubot como favoritos ao título em Londres. Para completar o cenário ideal, eles chegaram a final como dupla número um do mundo depois de vencerem os ex-líderes nas semifinais.
France Presse
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

VELOCIDADE - Para inglês ver

Em casa, Hamilton faz a festa, vê Ferrari sofrer com os pneus e fica apenas um ponto da liderança do campeonato

CORINTHIANS - Em direção ao título

Após empate dentro de casa, Carille começa a fazer as contas e "projeta" conquista do Brasileirão com 72 pontos

TUBARÃO - Ataque de respeito

Grande problema do Londrina em 2016, sistema ofensivo deslancha e está entre os mais positivos do futebol brasileiro

De casa

"Entre um extremo e o outro, ainda prefiro uma equipe mais ofensiva mesmo que fique vulnerável lá atrás. Um time com poder de reação"

Coluna do PVC

O agravamento da crise no São Paulo tem a ver com decisões que tiram a confiança do elenco

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic