VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
12/10/2017

Nuzman renuncia à presidência do COB e vice assume

Preso há uma semana, dirigente estava no cargo fazia 22 anos; Paulo Wanderley Teixeira foi empossado na assembleia geral da entidade

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP - O novo presidente do COB, Paulo Wanderley Teixeira:
O novo presidente do COB, Paulo Wanderley Teixeira: "O sentimento da comunidade é de lamento, mas o da instituição é de alívio"


Rio de Janeiro - Preso na última quinta-feira (5), Carlos Arthur Nuzman, 76, renunciou nesta quarta-feira (11) à presidência do COB (Comitê Olímpico do Brasil). A saída foi confirmada na assembleia geral da entidade, realizada no Rio de Janeiro. O cartola enviou uma carta para os membros do comitê na qual pediu a renúncia. Nuzman já havia, na sexta (6), enviado carta aos remanescentes da cúpula do COB na qual pediu licenciamento por tempo indeterminado para se defender das acusações de participação em esquema de compra de votos para eleger o Rio sede da Olimpíada de 2016.
PUBLICIDADE

Na mesma carta enviada no sábado, ele se afastou de suas funções no Comitê Organizador dos Jogos Rio-2016. O vice Paulo Wanderley Teixeira, que desde quinta-feira vinha como presidente em exercício do comitê, foi empossado em definitivo. Ex-jogador de vôlei com participação na Olimpíada de 1964, em Tóquio, Nuzman destacou-se como dirigente da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) por 20 anos - entre 1975 e 1995.
Há 22 anos, ele assumiu o comando do COB e ficou à frente da entidade por seis mandatos. Em outubro de 2016, o cartola venceu sua última eleição. O mandato iria até 2020. A assembleia geral desta quarta também decidiu que haverá eleições para definição de um novo vice-presidente, abaixo de Paulo Wanderley Teixeira, e que uma comissão vai propor mudanças no estatuto da entidade em até 45 dias.

PRISÃO
Dirigente responsável por comandar a organização dos Jogos Olímpicos de 2016, Nuzman foi preso no dia 5 de outubro com Leonardo Gryner, 64, seu braço direito no comitê organizador. Os dois são suspeitos de atuarem na compra de votos para a escolha da cidade para sediar os Jogos Olímpicos.
Na história dos Jogos, Nuzman foi o único presidente do comitê organizador a acumular o cargo de mandatário do comitê olímpico do país-sede.
A ação foi um desdobramento da Operação "Unfair Play", que investiga a compra do voto do senegalês Lamine Diack por US$ 2 milhões. O empresário Arthur César Soares de Menezes, foragido há um mês, foi o responsável por pagar a quantia semanas antes da escolha, em outubro de 2009, em Copenhague, de acordo com as investigações.

PRISÃO IMPRESCINDÍVEL
O Ministério Público Federal considerou a prisão de Nuzman "imprescindível não só como garantia da ordem pública, como para permitir bloquear o patrimônio, além de impedir que ambos continuem atuando, seja criminosamente, seja na interferência da produção probatória".
Um dos argumentos da Procuradoria foi a retificação ao imposto de renda para declarar entre seus bens 16 barras de ouro de 1 kg, guardados num cofre na Suíça. Ela foi feita no dia 20 de setembro, após a deflagração da Operação Unfair Play.
"Ao fazer a retificação da declaração de imposto de renda para incluir esses bens, claramente atuou para obstruir investigação da ocultação de patrimônio", diz a Procuradoria. Nuzman é investigado sob suspeita de ter feito a "ponte" entre o esquema de corrupção do governo Sérgio Cabral (PMDB) e os membros do COI. A propina ao senegalês foi debitada, segundo a Procuradoria, da devida pelo empresário Menezes Soares, o "Rei Arthur", ao peemedebista. O empresário obteve mais de R$ 3 bilhões em contratos com o Estado.
Na última segunda (9), a Justiça aceitou o pedido do Ministério Público Federal para que fosse aceito o pedido de previsão preventiva do cartola. Com isso, Nuzman não tem previsão de deixar a prisão. O dirigente está na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio. O local tem três beliches, chuveiro de água fria, pia e vaso sanitário. O presídio é o mesmo que abriga Sérgio Cabral, ex-governador do Rio.
Folhapress
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
COPA DO MUNDO

Venda de ingressos da Copa encerra primeira etapa com 3,5 milhões de pedidos

Brasil está entre os dez países que mais solicitaram bilhetes, mas maioria dos pedidos foi feita pela Rússia

CORRUPÇÃO

Em megaoperação, executivo que bancou Neymar é acusado de pagar propina a Valcke

Investigações apontam para suspeita de corrupção privada e gestão desleal

Premiação cobiçada

"Queremos ajudar Neymar a vencer a Bola de Ouro", diz Emery

Técnico deseja que muitos de seus jogadores tenham essa oportunidade de ganhar a Bola de Ouro

Duelos em quadra rápida

Nadal e Federer avançam às quartas de final do Masters 1000 de Xangai

Competição distribui seis milhões de dólares em prêmios.

De volta à boa fase

Após oscilar em algumas partidas e perder a posição, lateral Ayrton comemora o retorno do bom futebol no Londrina

FUGINDO DO REBAIXAMENTO

Vasco derrota o Avaí em Florianópolis, ganha fôlego e dorme em nono lugar

Gigante da colina agora fará clássico neste sábado contra o Botafogo

CENTROAVANTE DECEPCIONADO

Pratto vê São Paulo pouco ofensivo em Minas Gerais: "Uma chance só é muito pouco"

Clube tricolor foi derrotado por 1 a 0 e pode terminar a 27.ª rodada do Campeonato Brasileiro de volta à zona de rebaixamento.

QUEDA DE RENDIMENTO

Arana se esquiva sobre proposta e Carille assume culpa por jogo ruim do lateral

Lateral-esquerdo foi comentado como um possível reforço do Sevilla

COPA DO MUNDO

Justiça suíça abre processo penal contra Valcke e Al-Khelaifi por corrupção no futebol

Operação "coordenada" foi realizada por vários países neste processo.

ABERTURA

Campeonato chinês abre as portas para árbitros estrangeiros

Árbitros estrangeiros já comandaram jogos na China, mas a CFA passou a favorecer os locais desde a última temporada com o objetivo de reforçar a arbitragem nacional.

Suposta compra de votos

Justiça Federal nega pedido de habeas corpus de Nuzman

As medidas de investigação foram realizadas em atendimento a acordo de cooperação jurídica internacional com o governo francês.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados