VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
14/10/2008

Mesmice marca 1º turno das eliminatórias sul-americanas

Fase inicial do classificatório para Mundial de 2010 acabou com cenário parecido com dos últimos dois torneios

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

São Paulo - Não é só a ordem dos jogos que se repete nas eliminatórias sul-americanas. O primeiro turno do classificatório para o Mundial de 2010 acabou domingo com praticamente o mesmo cenário que a metade inicial dos torneios para 2002 e 2006.

Nas três ocasiões, sempre com mesma sequência e mando de jogos, Argentina, Brasil e Paraguai ocupavam as três primeiras posições - só a ordem entre eles foi alterada.
Na primeira edição, a Argentina era a líder. Na segunda, o Brasil; e, agora, o Paraguai. Os três acabaram classificados ao final das duas edições passadas, assim como o Equador, que era o quinto no classificatório para 2002 e o quarto no de 2006 ao final do primeiro turno. Com a vitória diante do Chile (1 a 0), domingo, em casa, os equatorianos ficaram a um ponto da zona de classificação.
A mesmice sul-americana foge do que acontece em outras partes do mundo. Na África, dos cinco times que foram para a Copa de 2002, só a Tunísia repetiu a dose em 2006. Na Europa, seis países que estiveram no Mundial do Japão e da Coréia do Sul ficaram de fora na competição disputada na Alemanha há pouco mais de dois anos.
A pasmaceira sul-americana acontece mesmo com uma queda de rendimento das duas maiores potências da região. Juntos, argentinos e brasileiros somam, agora, 32 pontos. Nas eliminatórias passadas tinham, nesse mesmo momento do torneio, 37 pontos. No qualificatório para 2002, eram 39.
Para Dunga, o técnico do time nacional, as eliminatórias sul-americanas são mais difíceis que o próprio Mundial, discurso que já havia sido adotado por Carlos Alberto Parreira, seu antecessor no cargo.
Os times que começam o segundo turno praticamente alijados da disputa pelas vagas no Mundial da África do Sul também pouco mudaram. Peru, Bolívia e Venezuela estão nas últimas três posições, assim como acontecia ao final do primeiro turno das eliminatórias para 2002 e, no caso de peruanos e bolivianos, no classificatório para 2006.
Apesar da falta de novidades, de ser bastante longo e motivo de crítica dos clubes europeus, que reclamam por perder seus jogadores por dez dias nove vezes em dois anos, o formato atual das eliminatórias não deverá mudar no curto prazo.
Para os times mais fracos, o torneio, com nove jogos em casa, é uma oportunidade de ouro para faturar com bilheteria, venda de direitos de transmissão e placas de publicidade.
Já nos casos dos grandes da região, as regras atuais são boas porque reduzem, e muito, a chance de eliminação - mesmo com o futebol pouco animador de brasileiros e argentinos na maioria de suas exibições neste qualificatório para a Copa.
A CBF também não tem do que reclamar economicamente das eliminatórias. Nos quatro jogos que fez em casa no primeiro turno, a entidade teve arrecadação bruta de quase R$ 15 milhões.
Folhapress
CONTINUE LENDO

Brasil faz 'treino de luxo' contra Ucrânia

Já classificada para semifinal do Mundial de Futsal, seleção apenas cumpre tabela diante de europeus

Equilíbrio na reta final do Brasileirão

Segundo o matemático Tristão Garcia, sete times ainda estão na briga pelo troféu de campeão

Paraná busca sexta vitória seguida na Vila

Tricolor conta com apoio da torcida para vencer o rival Brasiliense na luta contra o rebaixamento

Paraná busca sexta vitória seguida na Vila

Contra o Brasiliense, às 20h30, Tricolor quer se distanciar ainda mais da zona de rebaixamento

Sete times podem conquistar Brasileirão

Matemática dá esperanças até ao Coxa, mas na prática a briga deve ficar entre Grêmio, Palmeiras, Cruzeiro e São Paulo

Astros aprendem a decidir em chutes de longa distância

Kaká já havia mostrado contra o Equador, em 2007, que sabe arriscar de longe; domingo, foi a vez de Robinho

Classificado, Brasil enfrenta Ucrânia

Jogo vale apenas para confirmar a primeira colocação da equipe no Grupo E do Mundial de Futsal, além da definição do próximo adversário

ENQUETE

O que você acha da quantidade de brasileiros naturalizados nas seleções de outros países?

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados