VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
11/03/2010
ASTRO DA NBA

Leandrinho assume desejo de defender Londrina

Ala/armador do Phoenix Suns confirmou possibilidade de defender o Campos do Conde no Novo Basquete Brasil

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Alexandre Vidal/CBB/Divulgação
Leandrinho fez muitos elogios a Londrina e ao técnico Ênio Vecchi

A informação dada pelo técnico Ênio Vecchi à rádio Paiquerê AM na terça-feira à noite de que o astro Leandrinho, da milionária NBA, a liga norte-americana de basquete, queria atuar por Londrina no Novo Basquete Brasil (NBB) sacudiu a cidade. Ontem, o próprio ala/armador do Phoenix Suns confirmou à FOLHA o desejo de vestir a camisa vermelha e branca londrinense caso o time avance aos playoffs do NBB.

Em entrevista exclusiva por telefone, Leandrinho contou como surgiu a ideia. A ''culpada'' por ter deixado o jogador com desejo de matar a saudade do basquete brasileiro foi a esposa dele, a atriz global Samara Felippo.
Leandrinho tem uma ligação muito forte com o Campos do Conde/Sercomtel/Londrina. O sobrinho dele, Eduardo, compõe o elenco da equipe. Além disso, ele tem amizade com o ala Rodrigo Santana, o Ratinho, com o técnico Ênio Vecchi, e com o diretor técnico José Eduardo Vicente, o Leitinho.
O mais empolgado com a possibilidade de ver Leandrinho com a camisa londrinense é o irmão dele, Artur Barbosa, pai de Eduardo. ''Fiquei feliz pra caramba. Poder ver ele jogando com o Eduardo'', confessou.
Artur já montou a operação para viabilizar a questão burocrática para Leandrinho atuar em Londrina. Para conseguir a liberação do Phoenix, ele teria que ter um seguro semelhante ao que faz quando atua pela seleção brasileira. ''Já entrei em contato com a CBB e com a Liga para que elas paguem o seguro. Como a seleção terá que fazer o seguro para que ele dispute o Mundial, só anteciparíamos isso. É uma questão lógica'', apontou Artur. O outro problema burocrático é mais complicado. As inscrições de novos atletas terminaram ao fim do primeiro turno e a entrada de Leandrinho dependeria de um consenso entre os clubes.
Para o técnico Ênio Vecchi, poder contar com a estrela do Suns seria algo inimaginável. ''Custei para acreditar que ele queria jogar aqui. Seria sensacional para o nosso time, para o NBB, para o basquete brasileiro. Quando contei para os jogadores, eles ficaram maravilhados'', disse o treinador.
Leandrinho fez essa semana seu primeiro treino com bola desde o dia 26 de janeiro, quando passou por uma cirurgia para remover um cisto no pulso direito. A expectativa é de que o camisa 10 volte às quadras no jogo de amanhã, contra o Los Angeles Lakers, uma vez que o Phoenix dificilmente poderá contar com o armador canadense Steve Nash e seu reserva, o esloveno Goran Dragic, ambos também recuperando-se de lesão.
Na entrevista, o jogador falou ainda do momento do basquete brasileiro, da seleção e cravou, sem medo de errar que o Brasil vai brigar por um lugar no pódio, no Mundial da Turquia, em setembro. Confira:
Folha: Como surgiu a possibilidade de defender o Londrina no NBB?
Leandrinho: Eu sempre tive interesse em participar do basquete brasileiro. Londrina foi ao Rio de Janeiro jogar contra o Flamengo. O Eduardo jogou um pouquinho e minha esposa estava no ginásio. Perguntei a ela como estava o time, se tinha dado aperto no Flamengo e ela falou que o time precisava de um reforço. Foi então que comentei com meu irmão (Artur Barbosa), sobre a possibilidade de eu ir jogar aí. Tenho muita saudade de jogar no Brasil. Conheço o Ênio, o Ratinho, joguei com o Leitinho no Palmeiras e, além disso, Londrina é uma cidade maravilhosa. Tive grandes momentos aí.
Folha: Você já falou com o Phoenix sobre isso?
Leandrinho: Não comentei, não. Mas isso não tem muita influência. É uma decisão minha, pois seria uma espécie de preparação antes de me apresentar à seleção para o mundial.
Folha: Queria que você comentasse sua ligação com o técnico Ênio Vecchi.
Leandrinho: Meu irmão foi treinado pelo Ênio no Continental e eu tive alguns treinos com ele na seleção brasileira. O trabalho dele é fora de série. É um cara que conhece muito de bola.
Folha: Você tem noção do que significaria sua presença em quadra com a camisa do Londrina não só para o time, mas para todo o campeonato e para o basquete brasileiro?
Leandrinho: Não tenho noção, não. Mas é um orgulho muito grande de participar do NBB, de estar ao lado do meu sobrinho, que tem tudo para se tornar um grande jogador.
Folha: Você tem acompanhado o NBB? Qual a sua avaliação?
Leandrinho: Converso muito com o Alex (do Brasília) e o Jéfferson William (do Flamengo) e de vez em quando entro na internet para ver como anda. Até acompanhei o All Star Game daí (o Jogo das Estrelas) e foi bem legal. Sei que o torneio está evoluindo muito e tem muito mais a evoluir ainda.
Folha: Vamos falar de seleção. O basquete brasileiro passa por uma nova fase, que é de muita esperança de dias melhores. Você achou acertada a contratação do argentino Rubén Magnano? O que ele pode trazer de bom para o Brasil?
Leandrinho: Ele vai trazer resultados para o Brasil, que é o que o país está procurando. Tem um currículo forte, foi campeão olímpico e sabe o que precisamos. O que ele fez com a Argentina, vai fazer ainda melhor com o brasil. Os resultados vão chegar e o Brasil vai chegar ao topo.
Folha: Recentemente, Magnano esteve nos Estados Unidos para conversar pessoalmente com você, com o Anderson Varejão e com o Nenê. Como foi o encontro?
Leandrinho: Foi um encontro maravilhoso, produtivo. Entendi o projeto dele e senti que o grupo está fechado com ele. Com a volta do Nenê, ficaremos ainda mais fortes e experientes.
Folha: Com você, o Varejão e o Nenê, além dos jogadores que atuam na Europa e alguns do NBB, você acha que o Brasil é candidato ao pódio no Mundial da Turquia?
Leandrinho: Olha, se eu falar que não, estou mentindo. Temos um grande time e fizemos um grande papel no pré-mundial. Formamos um time forte e que pode chegar às cabeças.
Thiago Mossini
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
CONTINUE LENDO

Futuro do Coritiba nas mãos do STJD

Departamento jurídico do Alviverde tenta reduzir pena imposta pelo tribunal por tumulto no jogo com Fluminense

Roberto Carlos supera mágoa de críticos com carinho estrangeiro

Lateral foi ovacionado em sua chegada na Colômbia, onde o Corinthians jogaria ontem pela Libertadores

São Paulo quer usar 'blitz' para passar pelo Nacional

Mesmo jogando no Paraguai, time paulista será ofensivo; marcação começará na saída de bola adversária

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados