VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
CORRUPÇÃO NO FUTEBOL

J. Hawilla pagou Teixeira para seleção ter força máxima

Preso, dono da Traffic conta à Justiça norte-americana que ex-presidente da CBF teria recebido ao menos US$ 10 milhões para seleção ter os melhores jogadores na Copa América

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil - Ricardo Teixeira, segundo depoimento de J. Hawilla, era
Ricardo Teixeira, segundo depoimento de J. Hawilla, era "uma das vozes e presenças mais importantes nas decisões" da Conmebol


Nova York, EUA – Uma das testemunhas mais aguardadas no julgamento do escândalo de corrupção da Fifa, o brasileiro José Hawilla, dono da empresa de marketing esportivo Traffic, contou em Nova York que pagou propina a cartolas latino-americanos, entre eles Ricardo Teixeira, ao longo das últimas três décadas.
PUBLICIDADE

Hawilla disse que o acordo com Teixeira, que chamou de "uma das vozes e presenças mais importantes nas decisões" da Conmebol, visava garantir que a seleção brasileira disputasse as partidas da Copa América com "os seus melhores jogadores". O ex-presidente da CBF teria recebido pelo menos US$ 10 milhões, segundo o empresário, que fez acordo de delação premiada nos Estados Unidos e chegou à Corte de Justiça do Brooklyn com dificuldade para respirar e usando um tanque de oxigênio.

Nas primeiras horas de seu depoimento, ele também deu detalhes da origem do esquema de corrupção, que começou com esse campeonato. Quando assinou o contrato com a Conmebol para realizar a edição de 1987 do torneio que ele mesmo havia reformulado, Hawilla disse que pagou "entre US$ 400 mil a US$ 600 mil" ao paraguaio Nicolás Leoz, então chefe da entidade que controla e regula o futebol latino-americano. Hawilla disse ter "ficado refém" de Leoz desde que concordou com o pagamento ilícito na década de 1980.

"Ele começou a nos ameaçar. Se não pagasse, ele tiraria o contrato. Foi um erro porque abriu uma porta para o futuro, que permitiu que ele pedisse dinheiro a cada renovação de contrato", disse o empresário, falando sobre Leoz. "Eu paguei porque precisava do contrato. Foi um erro e me arrependo muito."

Pagamentos a Leoz chegaram a bater a marca de US$ 1 milhão. Hawilla disse que grande parte das transferências eram para o ex-presidente da Conmebol, Ricardo Teixeira e Julio Grondona, ex-chefe do futebol argentino, que, segundo a testemunha, recebia suas remessas por meio de uma agência de viagens chamada Alhec Tours. O argentino teria recebido pelo menos US$ 1,4 milhão pela firma de Buenos Aires.

DETALHES
O depoimento de Hawilla, que até o momento não citou José Maria Marin, o ex-presidente da CBF que está sendo julgado agora em Nova York, deu detalhes das negociações internas da Conmebol e do racha entre a Traffic e as empresas argentinas Torneos y Competencias e Full Play.

Essas duas últimas entraram na disputa por direitos depois que o equilíbrio de poder dentro da Conmebol mudou com a ascensão do chamado Grupo dos Seis, que reunia cartolas de Venezuela, Colômbia, Bolívia, Peru, Paraguai e Equador. Juntos, eles ameaçaram derrubar Leoz e refazer vários contratos. Hawilla chamou o caso de "golpe de Estado" dentro da Conmebol e abriu então um processo contra os cartolas.

ORGULHO
Essa ação movida na Justiça americana só foi interrompida quando o brasileiro chegou a um acordo com parceiros argentinos, que ele disse terem "orgulho" de pagar propina, numa reunião ocorrida no Rio intermediada pelo empresário e ex-presidente do Flamengo, Kleber Leite.

Depois de perder a queda de braço com os argentinos, Hawilla concordou em entrar com eles na sociedade de uma empresa chamada Datisa, criada para comprar direitos da Copa América e da Copa Libertadores da Conmebol. Essa empresa, segundo o empresário, passou então a realizar os pagamentos de propina a vários cartolas por meio de empresas offshore.

GARANTIA
Hawilla disse ainda que os pagamentos de propina acabaram se tornando parte necessária dos negócios com a Conmebol, porque eram a única garantia que os torneios fossem disputados de um jeito que pudesse gerar lucro para os patrocinadores e as emissoras de televisão. "Não basta comprar um campeonato. Você precisa ter a colaboração deles, senão não consegue formatar um campeonato que atenda às necessidades das televisões do mundo inteiro e dos patrocinadores", afirmou Hawilla.
Silas Martí
Folhapress
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
COOPERAÇÃO

Brasil e Rússia discutem segurança na Copa

Temer e o secretário de segurança internacional russo trataram sobre ações de cooperação para o combate a crimes transfronteiriços

RECONSTRUINDO UM TIME

Capitão renova forças para buscar a Série A

Germano estende seu contrato por mais dois anos com o LEC e aposta em bom trabalho de Ricardinho em 2018

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic