VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
18/10/2012

Ida à Série D será mais difícil em 2013

Diminuição no número de equipes deixa Paraná com uma vaga apenas na Quarta Divisão do Brasileiro

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Ficou mais difícil conquistar uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro do ano que vem. A CBF diminuiu de 40 para 32 o número de clubes na quarta divisão nacional e o Paraná terá apenas uma vaga em jogo no próximo Campeonato Paranaense. Assim, somente o melhor time do interior terá calendário no segundo semestre de 2013.
PUBLICIDADE

Com o novo formato da Série D, cada um dos 26 estados mais o Distrito Federal terá uma vaga. Juntam-se a eles os quatro rebaixados na Série C e um 32º time, cujo critério de classificação ainda será definido pela CBF.
"Não é tão ruim assim, tem que lutar para ser o melhor", avaliou Sérgio Malucelli, gestor do Londrina. Além do Tubarão, Arapongas, Cianorte e Operário despontam como os quatro clubes que brigarão pela vaga.
A confirmação foi feita ontem, durante o arbitral que definiu a fórmula de disputa do próximo Estadual. Ela será a mesma dos últimos dois anos, com apenas uma alteração. Tanto na decisão do título como do melhor do interior, caso haja empate após a realização dos dois jogos, o time de melhor campanha sagra-se campeão, acabando com a decisão por pênaltis. Chegam à decisão os vencedores de cada um dos dois turnos. Caso a mesma equipe vença os dois turnos ela já é declarada campeã.
"Acho a fórmula boa. Se você vai mal no primeiro turno, tem chances de se recuperar no segundo", avaliou Malucelli.
Já a parte financeira não teve definição. A rede de televisão que pretende transmitir o torneio ofereceu R$ 266 mil, mas os clubes pedem R$ 550 mil. "Acho que é muito pouco. É desvalorizar o campeonato", criticou Malucelli.

Reforços
Aos poucos, o Londrina vai se reforçando e apostando em nomes estrangeiros. O volante Mathías Cardaccio, que está no futebol grego, deve retornar ao Tubarão. Já o atacante Jeremías, que praticamente não jogou no Londrina no último Estadual, também pode voltar. Segundo Malucelli, a volta dele está condicionada ao não acerto com dois outros nomes que estão em negociação. Outro gringo que já está acertado é o volante/lateral esquerdo Hamilton Acuña, de 22 anos. Ele defendeu o Tolima no ano passado e estava no fatídico jogo da eliminação do Corinthians na pré-Libertadores de 2011, o último da carreira de Ronaldo. Ele pertence a Juan Figger, sócio de Malucelli na SM Sports. O meia Gilvan, ex-Grêmio Metropolitano, segue em recuperação de uma cirurgia e também está contratado.
Maluelli praticamente descartou a contratação de um jogador mais famoso. "Um de nome quer ir para um time de nome. Fora isso, o salário pesa muito. Há uma indefinição de patrocínios", argumentou, lembrando que não há garantias da permanência da Sercomtel em 2013 e que o BMG deve encerrar o contrato também. A Unimed renovou ontem o acordo.
Thiago Mossini
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

LONGEVIDADE - ‘Bom para a cabeça e para a saúde’

Japoneses e seus descendentes melhoram condição física jogando o Park Golf, uma espécie de golfe em campo reduzido

Unopar x Taubaté: mais que um simples jogo

Equipes brigam pelo terceiro lugar na Liga Nacional, por vaga no Pan-Americano e verba federal

São Paulo duela com lanterna do Nacional

Com força máxima, Tricolor defende posto dentro do G4 diante do Atlético-GO, no Morumbi

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados