VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
22/07/2010
CLUBE FORMADOR

Em busca do futebol-arte

Laranja Mecânica, clube administrado por holandeses em Arapongas, privilegia o jogo bonito e não os resultados

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Fotos: Gina Mardones
Sessenta e cinco garotos treinam atualmente no Laranja Mecânica
Marco Plomp: ‘‘O nosso título é revelar o jogador’’
O técnico Zé Roberto lamenta o fato de alguns clubes terem perdido a essência da formação do jogador

O futebol pragmático, burocrático, de resultados invadiu o futebol brasileiro. Não são só os jogos da seleção nacional ou os do Brasileirão que refletem essa nova realidade da terra das jogadas plásticas, dos dribles e dos gols. A prioridade é não tomar gols, depois, se der, fazer. A ordem vem desde as categorias de base. Mas um dos clubes formadores de atletas do Paraná pensa diferente. Também pudera. A inspiração no treinamento vem de uma seleção que apesar de não ter conquistado títulos, marcou época. É inspirado no futebol holandês da geração de Johan Cruyff e Cia. que o Laranja Mecânica tenta lançar novos atletas com uma mentalidade de épocas passadas, onde o futebol não era ''business''.

Desde 2007, três investidores holandeses fundaram o Esporte Clube Laranja Mecânica, um clube de futebol que conta com as categorias mirim, infantil e juvenil, sediado em Arapongas: Ari Tresffeus, Wim Jansen Jr. - cujo pai participou das duas seleções holandesas vice-campeãs mundiais - e Marco Plomp, ex-centroavante do Sparta Rotterdam.
Este último é quem toma conta da ''embaixada holandesa'' e explica o principal ponto de diferença entre o método praticado no Laranja, e o dos concorrentes. ''Em nosso clube, o resultado das partidas não é o mais importante, o fundamental é que o jogador atinja a categoria profissional. É assim que se trabalha na Holanda'', observou. ''O treinador trabalha para revelar atletas para a categoria acima da sua até chegar ao nível profissional. Só um time vai ser campeão e isso não pode atrapalhar o trabalho. Então, o nosso título é revelar o jogador''.
Amante do futebol bem jogado e ofensivo, Plomp reprova o atual método brasileiro. ''Aqui, o treinador não escolhe os melhores, escolhe os mais fortes para conseguir ganhar. Na Holanda, não dá para treinar duas vezes ao dia por causa do clima. Aqui treina, só que a base aqui é ruim e, às vezes, com 14 anos já se perdeu o jogador. Lá, os treinadores são didaticamente avançados e os clubes tem paciência'', analisou o dirigente, que sonha em descobrir um novo Ronaldinho Gaúcho.
Com esta filosofia, os treinadores tiveram que se adaptar ao estilo de trabalhar e não se queixam. As equipes do Laranja Mecânica são todas dirigidas por brasileiros, que são obrigados a escalarem seus times no 4-3-3, marca registrada das seleções holandesas. ''Essa filosofia me agrada muito'', contou o técnico Fabinho, do time infantil, que fez recentemente um estágio no Braga, de Portugal, e no Feyenoord, da Holanda. ''É muito diferente, pois privilegiam a parte técnica, valorizam a técnica do menino. Trabalhamos com um campo reduzido, para que eles tenham mais contato com a bola em menor espaço, obrigando-os à raciocinar mais rápido'', descreveu.
Zé Roberto, que já comandou equipes da base de Portuguesa, Londrina e Junior Team, resume bem essa diferença de trabalho. ''Nós (brasileiros) perdemos a essência da formação do jogador. Estamos tentando resgatar isso com uma pitada europeia'', disse.
Thiago Mossini
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
CONTINUE LENDO

Unopar inicia excursão na Liga de Handebol

Time viaja para o Sudeste onde enfrenta Colatina, do Espírito Santo, hoje, e o Campos, do Rio de Janeiro, no sábado

Giovanna já é realidade no futebol feminino

Na estreia com a camisa do Santos, londrinense balançou as redes; próxima meta é lugar na seleção brasileira

Palmeiras almeja sequência de triunfos

Após derrota para Avaí, time paulista não abre mão da vitória diante do Botafogo, no Pacaembu

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados