VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
19/05/2017
"CASO PRANCHETA"

Ceni assume culpa pela má fase do São Paulo

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Rubens Chiri/SPFC
Rubens Chiri/SPFC

O técnico Rogério Ceni chamou para si a responsabilidade sobre o atual momento do São Paulo e espera que o time comece a reagir na próxima segunda-feira, contra o Avaí, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro. O treinador sabe que o time vem sofrendo críticas após três eliminações na temporada (Copa do Brasil, Paulistão e Copa Sul-Americana), mas que pode dar a volta por cima.
PUBLICIDADE

"Sempre existiu exposição e cobranças, para o bem ou para o mal, isso é normal. O julgamento sempre foi de grandes feitos com coisas boas e coisas simples como grandes erros. A culpa é sempre do treinador e que continue assim. Que, nas vitórias, os atletas possam se sentir felizes pelo trabalho que realizam", disse o treinador, nesta sexta-feira pela manhã, em entrevista coletiva.

Ceni abordou o "caso prancheta", que teve grande repercussão após se noticiar que no intervalo do jogo entre São Paulo e Corinthians o treinador teria atirado uma prancheta e ela acabou acertando o meia Cícero. Ele explicou o ocorrido e minimizou a situação no vestiário do clube.

"Já estou acostumado a vestiários há 27 anos. Falo para os jogadores sempre falarem verdades. O problema é que sempre se falam mentiras. Entrei nervoso por causa do segundo gol contra o Corinthians. Aí tem um quadro onde mexe os botões, dei um chute e nem vi que um pedaço caiu no colo do Cícero. Eu nem falava com ele naquele momento", contou.

O comandante do São Paulo vai além e fala de sua amizade com o meia. "Tenho ótimo relacionamento com o Cícero e com todos. Eu que pedi o Cícero, o São Paulo não tinha condições financeiras de trazer jogadores. Alguns vieram com custo muito baixo, casos do Morato e Marcinho. Thomaz também veio em situação muito boa. Trabalho de acordo com as condições que existem", frisou.
Paulo Favero
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Meninas poderosas

Maior campeã de futsal feminino do Estado, Unopar estreia no Paranaense com a meta de voltar a briga pelo título após sete anos

Fim da linha

Londrina rescinde contrato com o goleiro Zé Carlos e o zagueiro Luizão, envolvidos em confusão após empate em Pelotas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados