VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Empregos & Concursos
21/12/2015

Feedback: praticar é preciso

Ferramenta ainda é encarada negativamente; especialistas defendem a prática como instrumento de desenvolvimento, especialmente nas boas situações

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Shutterstock
Quando usado de forma correta, o feedback se torna uma poderosa ferramenta de desenvolvimento

Enquanto muita gente torce o nariz quando escuta a palavra "feedback", os especialistas, por outro lado, só enxergam pontos positivos. Isso porque o mau uso da prática criou um imaginário coletivo de ser algo totalmente negativo, crítico e de julgamento.
PUBLICIDADE

E esse estigma criou nos ambientes corporativos, um certo receio e a desvalorização desse instrumento. No entanto, especialistas vêm defendendo a aplicação de feedback, que se usado de forma correta, se torna uma poderosa ferramenta de desenvolvimento.
Maria Candida Baumer de Azevedo, diretora da People & Results, consultoria especializada em Carreiras e Cultura Organizacional, comenta que o feedback deve ser construído a partir do comportamento observado.
"Quando eu não tenho o comportamento observado, a pessoa fica apenas com a crítica ou elogio. Eu excluo a possibilidade dela saber exatamente o que é preciso melhorar ou aquilo que a torna especial. Ou seja, o outro fica no escuro. A pessoa não sabe o que fazer", afirma.
Além disso, ela defende que aplicá-lo de uma a duas vezes por ano é insuficiente. "Demorar seis meses ou um ano para apontar uma consideração para a pessoa, é um desperdício de tempo. Hoje, a frequência desejada do feedback é muito maior para que as pessoas tenham uma reação rápida de mudança de comportamento", aponta.
No entanto, é importante avaliar o momento dessa conversa. Segundo Maria Candida, se a pessoa estiver nervosa ou descontrolada, não adianta dar o feedback, pois não será eficaz.
"O indicado é esperar um ou dois dias no máximo, para que ela possa ter o direito de fazer diferente. Se ela vai aproveitar o feedback ou não, é uma escolha dela", completa, salientando que a grande mudança nas corporações é a consciência da necessidade de ser frequente.
Outro ponto bastante comum é apontar o responsável pelo feedback. Durante muito tempo, essa tarefa era atribuída à área de Recursos Humanos (RH). "Quando o gestor fala para o RH dar o feedback, está simplesmente se eximindo de uma responsabilidade", diz.

CULTURAL

Ao refletir sobre o feedback, vale lembrar que é o melhor custo-benefício como instrumento de desenvolvimento, pois não gera custo algum para as empresas. Mas, por qual motivo ele ainda é pouco utilizado em boa parte das corporações brasileiras?
A resposta pode ter uma raiz social, isto é, de maneira geral, Maria Candida sustenta que os brasileiros têm o tato cultural de evitar o feedback como forma de preservar a relação.
"O brasileiro preza muito mais pelas relações. Ele acha que quando faz o feedback, está se indispondo e, por isso, tende a ser muito polido, no sentido de que as coisas ficam muito mais nas entrelinhas", analisa Maria Candida.
Para Luciano Meira, docente no MBA executivo em Liderança e Gestão Organizacional do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (Ipog) em parceria com a FranklinCovey, o feedback ainda é visto no País, como uma espécie de julgamento do outro.
"Existem alguns estudos linguísticos que mostram que o brasileiro não é muito dado a falar diretamente o que pensa. Isso não é uma regra, mas é uma tendência natural. O típico ‘jogo de cintura’ do brasileiro está inclusive na linguagem", comenta.
Micaela Orikasa
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

ABRAHAM SHAPIRO - RESOLVA TUDO DENTRO DE SI

"Não deixe o seu comportamento ‘rançar’ o que recebe dos seus superiores"

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados