VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia

Selic vai a 7% e é a menor da história

Copom diz que juros podem ser "adequados" no próximo ano conforme a evolução da economia

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Na última reunião do ano, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) decidiu, nesta quarta, 6, cortar a taxa básica Selic em 0,5 ponto percentual, para 7% ao ano, levando o juro a seu menor patamar histórico.
PUBLICIDADE

Foi a décima redução seguida.
A queda de 0,5 ponto percentual representou nova redução do ritmo de corte do Banco Central -no encontro de outubro, a Selic tinha caído 0,75 ponto percentual. Desde abril, quando o juro caiu de 12,25% para 11,25% ao ano, o Copom vinha promovendo cortes de um ponto percentual.
No comunicado divulgado após a decisão, o Copom indicou que uma nova redução da taxa básica de juros pode ser "adequada" caso o cenário econômico evolua conforme a expectativa.
Os juros reais (Selic menos inflação de 12 meses) ficam em 3,98% ao ano. Não são os mais baixos da história, mas estão num nível bem razoável se comparado com o histórico desde 2007. A reportagem fez o cálculo utilizando a inflação dos últimos 12 meses. Na conta do Banco Central, que usa a inflação projetada para os próximos 12 meses (3,96%), os juros reais ficam ainda mais baixos, algo próximo a 3% ao ano.
"Redução de juros tem dois impactos. Para o setor público, ela ajuda a reduzir a dívida e ameniza o deficit fiscal. Para o setor privado, sinaliza que a inflação está controlada e que a política monetária está na direção de estimular os investimentos", afirma o economista da Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná), Roberto Zurcher.



Ele lembra que os efeitos das medidas macroeconômicas levam de seis a nove meses para serem absorvidos. E os juros de 7% só serão sentidos no segundo semestre de 2018, caso a Selic não volte a subir. Zurcher ainda destaca que o spread bancário está descolado da queda da taxa básica. "Antes do cartão de crédito e do cheque especial, são os bancos de montadoras de veículos e demais empresas que contam com instituição financeira os primeiros candidatos a antecipar a influência de um juro mais baixo, trazendo o tão esperado efeito sob o consumo", explica.
PhD em economia e conselheiro do Corecon-PR (Conselho Regional de Economia do Paraná), Fábio Dória Scatolin comemora a nova queda na Selic mas ressalva que os juros reais ainda não são os mais favoráveis ao investimento produtivo. "Não correspondem à realidade do mundo, onde o juros estão negativos." Juros altos, lembra, acomodam o capital nas aplicações financeiras.
Com um juros do cheque especial a 320% ao ano, Scatolin considera claro o sinal de que a decisão de preservar o lucro excessivo dos bancos se sobrepõe ao crescimento econômico. "Algumas argumentações para o spread bancário ser tão elevado no Brasil, como a alta carga tributária e o elevado depósito compulsório exigido, fazem sentido, mas nada justifica o lucro garantido aos bancos no Brasil", critica.
Os economistas acreditam que o Copom possa voltar a reduzir juros na próxima reunião, em fevereiro de 2018. Porém, no médio e longo prazos, duvidam que o Banco Central consiga manter um nível baixo de taxa sem que haja uma solução para a crise fiscal no Brasil. "Não dá para cair no terrorismo de que, se a reforma da Previdência não sair já, haverá fuga de capitais. O impacto não é assim no curto prazo. Mas a dúvida sobre o Brasil honrar seus compromissos lá na frente passa a gerar incertezas nos investidores", avalia Scatolin.
Uma reforma da Previdência agora, mesmo que tímida, aceleraria a reação da economia, segundo o assessor econômico da Faciap (Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná) Arthur Igreja. Apesar disso, ele considera que o País está atraente. "Até por ter melhorado de forma consolidada indicadores como inflação, que cai há mais de seis meses", afirma. Ele considera que o Banco Central, no atual governo, transmite confiança aos investidores. (Com Folhapress)
Magaléa Mazziotti
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Residências de alto consumo podem aderir à tarifa branca em janeiro

Novo sistema permite que consumidores reduzam o valor da conta se economizarem energia elétria das 17 às 22 horas

MERCADO FINANCEIRO

Ibovespa amplia aumento com foco na Previdência

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic