VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
31/03/2013

Roupa vai até o cliente

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Curitiba - A empresária Fabiane Post começou a trabalhar de uma forma simples com a venda de roupas, em Curitiba, e hoje é proprietária da marca Boutique de Rua. No início, ela levava as peças de vestuário dentro de um carro comum de passeio e ia até o trabalho das clientes.
PUBLICIDADE

Como as consumidoras queriam provar, Fabiane permitia que levassem as roupas para casa. Neste sistema, trabalhava vendendo roupas durante 15 dias do mês e o restante voltava para buscar as roupas que as clientes não iriam comprar ou tinham esquecido em casa e os cheques de pagamento das mercadorias.
A partir desta experiência, ela teve a ideia de montar uma van que leva a loja até a cliente. O veículo traz as roupas organizadas em cabides, tem provador, ar condicionado e som ambiente. Ela também disponibiliza máquinas de cartão de crédito e de débito para o pagamento. O preço das peças varia de R$ 29,90 a R$ 199 e há a possibilidade de parcelar as compras no cartão em até seis vezes. ''As clientes se sentem mimadas'', brincou. O público dela são mulheres que trabalham em empresas, principalmente, da Cidade Industrial de Curitiba, além de bancárias e alguns condomínios residenciais.
''É a roupa na porta do emprego das clientes'', definiu. Ela conta que depois que começou a trabalhar com a van, o faturamento que era de R$ 10 mil a R$ 15 mil triplicou. Com os resultados positivos, ela teve a ideia de licenciar a marca. Desta forma, as pessoas interessadas adquirem uma espécie de franquia, mas que não exige o pagamento de royalties. ''Apresento para os novos licenciados todos os meus fornecedores e eles também têm a possibilidade de comprar parte do estoque da minha confecção que foi aberta em Joinville (SC)'', contou.
A licença da marca custa R$ 85 mil e inclui o veículo, o primeiro estoque e a mobília da loja móvel. Já há licenciados em Cianorte, Guarapuava, São Paulo e Campinas (SP).
Celso Balloni trabalhava como gerente de posto de gasolina e resolveu deixar o trabalho para ajudar a esposa Tereza que atua há 20 anos com venda de roupas no local do trabalho das clientes. A aposta deles é principalmente em peças como jeans e jaquetas. Eles vão até escolas e empresas para comercializar os produtos.
Segundo Balloni, a principal dificuldade é na hora de receber. ''Tem clientes que mudam de cidade ou de emprego, nestes casos, temos dificuldade de fazer a cobrança'', disse. Por isso, neste ano, a ideia do casal é implantar o uso das máquinas de cartão de débito e crédito.
Eles trazem mercadorias de São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais. Quando o inverno ou o verão estão intensos, eles viajam toda semana para comprar mercadorias. Balloni abriu uma microempresa com Tereza e hoje os dois já têm seis vendedores que trabalham para eles. (A.B.)
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Chocolates foram disputados nesta Páscoa

Quem deixou para comprar na última hora teve dificuldades em encontrar produtos e precisou enfrentar filas

Venda direta conquista novos segmentos de mercado

Consultores já usam até máquinas de cartões de crédito e débito nas visitas porta a porta

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic