VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sexta-feira, 26 de Agosto de 2016
Economia
19/12/2013

Prefeitura libera construção da Angeloni

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Depois de três anos, a novela em que se transformou a instalação do Hipermercado Angeloni, na Avenida Madre Leonia Milito, próximo ao Shopping Catuaí (zona sul), está próxima de terminar. O presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (Ippul), Sandro Nóbrega, confirmou ontem que o órgão já concluiu o termo de compromisso, que, depois de assinado pela empresa, permitirá que a Prefeitura conceda o alvará de construção da obra.
O documento é resultado de um novo parecer da Procuradoria Jurídica do Município, que analisou os termos legais e técnicos do empreendimento e deu o aval para que ele saia do papel. "Mas vale lembrar que a construção vai precisar obedecer uma série de condicionantes. Levar em conta o impacto para com a vizinhança, os aspectos ambientais, entre outros pontos", observou o presidente do Ippul.
A rede Angeloni começou a planejar a construção de um hipermercado em Londrina no início de 2011, quando comprou o terreno da Madre Leonia. Na época, no entanto, não pode iniciar a construção porque estava em vigor a chamada Lei da Muralha, que impedia a construção de grandes supermercados na maior parte da cidade. A Muralha só foi derrubada em julho de 2012.
No entanto, o Ippul apontou que, para evitar o estrangulamento da avenida, o sistema de carga e descarga do supermercado deveria ser feito pelos fundos, na Rua Ulrico Zuinglio. Acontece que, naquela via, o tráfego de caminhões era impedido devido ao zoneamento. Foi necessária a apresentação de um projeto de lei mudando a classificação da área de residencial para comercial.
A lei foi aprovada na Câmara, mas a Procuradoria do Município deu parecer contrário à mudança e o prefeito Alexandre Kireeff decidiu nem sancionar nem vetar a lei que foi para sanção tácita. Depois disso, a Angeloni ainda enfrentou uma ação popular movida por advogados londrinenses que alegavam ser ilegal a transformação do zoneamento (ver quadro).
A reportagem procurou a Angeloni, mas, segundo a assessoria de imprensa, a rede só vai se pronunciar quando tiver o alvará de construção. (Com informações do Bonde)


Nelson Bortolin
Reportagem Local
Continue lendo
21
Continue Lendo
2-1-42-2344-20131219
2-1-42-2354-20131219
2-1-42-2356-20131219
2-1-42-2296-20131219
2-1-42-2329-20131219
2-1-42-2343-20131219
2-1-42-2348-20131219
2-1-42-2353-20131219
2-1-42-2339-20131219
2-1-42-2366-20131219
2-1-42-2393-20131219
2-1-42-2403-20131219
2-1-42-2404-20131219
2-1-42-2407-20131219
2-1-42-2410-20131219
2-1-42-2411-20131219
2-1-42-2412-20131219
2-1-42-2416-20131219
2-1-42-2417-20131219
2-1-42-2422-20131219
2-1-42-2464-20131219
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoÍndice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados