VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
19/05/2017

Investidor deve manter cautela

Mercado sofre turbulência com nova crise política e Tesouro chega a suspender venda de títulos

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP - A orientação de economista ouvido pela FOLHA é que só o investidor
A orientação de economista ouvido pela FOLHA é que só o investidor "mais arrojado" deve aproveitar o momento de baixa para comprar ações a bom preço


A crise que atingiu em cheio o governo Michel Temer fez os mercados brasileiros acionarem travas de proteção contra fortes volatilidades nesta quinta-feira (18). O dólar comercial encerrou o dia com forte alta de 8,16%, para R$ 3,390. A Bolsa desabou 8,83%, aos 61.575 pontos, depois de acionar, pela primeira vez desde 2008, a trava que interrompe seus negócios em caso de forte instabilidade, o circuit break. O Tesouro Nacional suspendeu leilões de títulos.
PUBLICIDADE

Economista da Guide Investimentos, Ignácio Crespo diz que o momento exige calma. "Ninguém deve sair por aí desfazendo posições. Não pode seguir a manada. A aversão a risco nem sempre faz sentido", afirma. Para ele, tudo leva a crer que a solução da crise não será rápida. "A percepção de risco pode subir e a Bolsa operar num patamar ainda mais baixo."
Por isso, segundo Crespo, só o investidor "mais arrojado" deve aproveitar o momento de baixa para comprar ações a bom preço. "A tendência é de incerteza elevada por mais tempo."
O professor da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e sócio da Voking Investimentos, Guilherme Ribeiro de Macêdo, é um desses investidores arrojados. Ele aproveitou esta quinta-feira para comprar papéis. Mas, para quem pede uma orientação, a dica é outra. "Meu conselho para quem estiver investindo é continuar investindo. Quem não está deve esperar o cenário clarear", declara.
Macêdo diz que o escândalo em torno do presidente Temer pegou o mercado de surpresa. "O que tínhamos no radar era a possibilidade de uma cassação do presidente (pelo Tribunal Superior Eleitoral). Mas a probabilidade era muito baixa", ressalta.
Segundo o professor, nenhum analista sério deve arriscar uma projeção de cenário de curto prazo. "A incerteza é muito grande. Tudo depende das notícias que virão, de quanto o presidente estiver envolvido. Ontem (quinta-feira), em seu pronunciamento, ele demonstrou estar confiante e acalmou os mercados."

TESOURO
A professora de finanças do Instituto Educacional da BM&FBovespa e sócia da BSG Duo Prata Treinamentos, Betty Grobmann, ressalta que o impacto do escândalo sobre o mercado de renda fixa também foi muito grande. E dá um exemplo: "O título NTN-B, do Tesouro Nacional, pagava 5,14% de juros reais na véspera e passou a pagar 6,01 (nesta quinta-feira)."
Para quem quiser investir agora, ela indica o LFT, com vencimento em março de 2023. "Aconteça o que acontecer esse título está seguindo a taxa de juros (Selic)." Betty diz que o momento pede um ativo "mais líquido, que não amarre" o investidor por prazo muito longo. "Não sabemos o reflexo desse monte de delações", justifica. Os investimentos devem estar atrelados à Selic ou pagarem taxa de 100% ou mais da taxa DI.
Atendendo o mercado corporativo, o planejador financeiro Maicon Putti, da Ideia Consultoria, aconselha os empresários a manterem os investimentos se tiverem um bom projeto. "As taxas de juros hoje não estão absurdas como antes. A equipe econômica deste governo tem credibilidade", justifica.

SUSPENSOS
A instabilidade gerada nas taxas de títulos públicos fez o Tesouro cancelar os leilões previstos para a quinta-feira. "O Tesouro Nacional informa que, em razão da volatilidade observada no mercado, não realizará os leilões de venda de Letras do Tesouro Nacional - LTN, com vencimentos em 01/04/2018, 01/04/2019 e 01/07/2020 e Letras Financeiras do Tesouro Nacional - LFT, com vencimento em 01/03/2023, programados para hoje (quinta-feira)." O risco-Brasil medido pelo CDS (credit default swap) tinha alta de 29,39%, para 266,67 pontos. (Com Folhapress)

Fundo de investimento tem dia agitado
A quinta-feira (18) foi de muita agitação na sede do Fundo de Investimento em Ações (FIA) Real Investor. O índice da Bolsa, o Ibovespa, terminou a sessão em queda de 8,8%, mas o FIA londrinense perdeu apenas 4% do valor da carteira, conforme garante o gestor César Paiva.
Isso só foi possível, de acordo com ele, devido a uma combinação de medidas tomadas nas últimas semanas. Paiva diz que, desde o final de março, o fundo adotou postura mais conservadora. "Não que soubéssemos o que iria acontecer, mas havia um ambiente político ruim, o governo Temer tem um teto de vidro, é impopular e estava com dificuldade para aprovar as reformas", justifica.
O gestor diz que, analisando o cenário, o FIA optou por vender nas últimas semanas parte dos ativos que haviam se valorizado bastante nos últimos tempos. "Vendemos alguns para aumentar nosso caixa e aproveitar novas oportunidades."
Ele também conta que comprou contratos futuro de dólar e de Ibovespa. Devido a isso, segundo Paiva, o novo escândalo político pegou o fundo "bem posicionado." "Quando o mercado abriu em queda de 9%, a gente vendeu os contratos de dólar e recomprou os do Ibovespa", afirma. Com isso, de acordo com ele, o fundo compensou parte das perdas causadas pela depreciação de suas ações.
E, ao mesmo tempo em que roubou parte do valor da carteira do FIA, o caos desta quinta-feira abriu oportunidades para o fundo. "Aproveitamos o dinheiro em caixa para comprar ações que tiveram quedas expressivas. São papéis do setor agrícola, de entretenimento, de varejo e bancos." Os deságios, de acordo com Paiva, variaram de 8% a 15% em relação ao preço da véspera.
Com isso, o FIA, que tinha 70% da carteira em renda variável, elevou essa participação para 85%. (N.B.)

Economistas já preveem corte menor para Selic

São Paulo – Nem bem a leva de economistas mais resistentes se dobrou às projeções da maioria e passou a contar com um corte na taxa básica de juros (Selic) de 1,25 ponto percentual, o tsunami que atingiu o governo mexe novamente com as previsões para os juros no País. Já há quem diga que o Banco Central deve optar por um corte de apenas 0,75 ponto percentual na próxima reunião, no fim de maio – metade do que chegaram a esperar os mais otimistas.
Solange Srour, economista-chefe da ARX Investimentos, diz que é bem provável que o corte de 1,25 ponto percentual não se realize porque a previsão se ancorava tanto na alta probabilidade de que a reforma da Previdência fosse votada no início de junho quanto em um câmbio relativamente estável.
As expectativas de inflação, lembra ela, são muito influenciadas pelo câmbio, cuja trajetória agora é bastante incerta. "E a única certeza que dá para ter neste momento é que a reforma não será votada quando se esperava." Jorge Simino, diretor de investimentos da Funcesp, fundo de pensão com R$ 27 bilhões sob gestão, avalia ser possível que a autoridade monetária opte por um corte menor, de 1 ponto percentual, no fim de maio. "Quem apostou em 1,5 ponto está fora do jogo e certamente vai arcar com prejuízo", diz.
Lucas Marins, analista da Ativa Investimentos, concorda e vai além. Marins não descarta a possibilidade de o BC esperar o cenário ficar mais claro para só depois definir que atitude tomar. "Quem se posicionou apostando que o BC ia cortar 1,25 ou 1,50 ponto percentual pode ter perdido dinheiro". Já o economista-chefe do banco Fator, José Francisco Gonçalves, avalia que há uma posição de cautela e, ao longo de duas semanas, se tiver um sinal de mudança rápida, sem grandes desgastes, é possível que o recado seja mais moderado e que haja um corte na Selic entre 75 pontos e 100 pontos. (Folhapress)


Nelson Bortolin
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Muito a temer

Mercado avalia que crise política pode provocar suspensão dos investimentos, fuga de capital e elevação das taxas de juros

Presidente do BC tenta acalmar mercado após dólar avançar 8%

Ilan Goldfajn afirma que em meio a crise política trabalho da autoridade monetária e do Tesouro deve ser sereno e firme

Mercado financeiro

Delação de Joesley leva ao 1º "circuit breaker" na Bolsa, desde 2008

CONSULTORIA EMPRESARIAL

Como liderar seus pares

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados