VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
11/08/2017

IBGE eleva projeção da safra; no Paraná, pode haver quebra

Nova estimativa, de 242,1 milhões de toneladas, supera em 0,7% a anterior, divulgada em junho

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Roberto Custódio
Roberto Custódio - O trigo foi uma das culturas mais prejudicadas pela geada no Oeste do Paraná
O trigo foi uma das culturas mais prejudicadas pela geada no Oeste do Paraná


Rio - O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de julho estima uma safra recorde de 242,1 milhões de toneladas em 2017, um avanço de 31,1% em relação à produção de 2016, que totalizou 184,7 milhões de toneladas, informou nesta quinta-feira, 10, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A estimativa supera em 0,7% a prevista em junho, com 1,8 milhão de toneladas a mais de grãos.
PUBLICIDADE

Leia Mais:
Potencial de inovação para o setor agrícola

Os produtores brasileiros semearam 61,1 milhões de hectares na safra agrícola de 2017, 7,1% mais que em 2016, cuja área somou 57,1 milhões de hectares. Em comparação à estimativa de junho, a área cresceu 0,1%, o equivalente a 74,5 mil hectares a mais.

A produção nacional de soja será 19,7% maior este ano do que a obtida em 2016, segundo o IBGE. A área colhida aumentou 2,3%. O milho deve ter um salto de 56,1% na produção em 2017, com aumento de 18,4% na área. Já o arroz terá crescimento de 16,3% na produção, e elevação de 4,0% na área a ser colhida.

O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos agrícolas do País, responsáveis por 93,6% da estimativa da produção brasileira em 2017 e 87,9% da área a ser colhida. A produção nacional de milho e de soja será maior do que o esperado em junho. A safra de soja será 0,2% superior ao previsto anteriormente, enquanto que a estimativa para o milho subiu 1,7%. A produção de milho de primeira safra aumentou 1,0%, e a segunda safra cresceu 2,1% em relação à previsão anterior.

Os demais avanços registrados na passagem de junho para julho foram na laranja (16,0%), feijão 3ª safra (5,3%), algodão herbáceo (2,0%), café canephora (1,6%), feijão 1ª safra (1,6%), café arábica (1,5%), arroz (1,2%) e cana-de-açúcar (1,2%). Na direção oposta, houve redução nas estimativas para o feijão 2ª safra (-0,9%) e o trigo (-6,5%).

PARANÁ
No Paraná, o Deral (Departamento de Economia Rural) estimava uma safra de 42,5 milhões de toneladas de grão. Mas, de acordo com o diretor do órgão, Francisco Simioni, o número não deve se consolidar. "Não reflete a realidade" após os problemas de geada e também seca prolongada, que atingem o Estado. No caso da geada, a região que foi bem atingida foi a Oeste, que acabou pegando o trigo na lavoura num momento importante do desenvolvimento. "O período era de floração e enchimento de grãos, portanto, deveremos ter perdas neste sentido".

A seca prolongada também está judiando da cultura em diferentes regiões, no próprio Oeste, Sudoeste e Norte. "Em alguns locais, a colheita vai iniciar daqui apenas 40 dias e essa seca vai impactar ainda mais. A convicção das três milhões de toneladas para a cultura já ficou para trás e devemos ficar abaixo das 2,8 milhões de toneladas", projeta Simioni.

No número global, o diretor do Deral acredita que o Paraná não deve atingir a marca de 42 milhões de toneladas. Lembrando que a safra 2015/16 fechou em 35,1 milhões de toneladas, ou seja, mesmo com quebra em cima dos primeiros valores projetados, haverá um aumento significativo. "Nossa safra deve fechar entre 40 e 41 milhões de toneladas".
Victor Lopes
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Guardiãs de ativos

Centrais depositárias representam segurança para quem compra papel, seja em banco ou corretora

Brasil investe menos de 0,30% do PIB em estradas

No período de 2004 a 2016, maior investimento correspondeu a 0,26% do Produto Interno Bruto

CONSULTORIA EMPRESARIAL

Reforma trabalhista representa evolução para o empresário

Mercado financeiro

Incertezas com meta fiscal derrubam a Bolsa e dólar sobe

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados