VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
19/06/2017

ECONOMIA NOSSA DE CADA DIA

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Recuperação do emprego somente com retomada consistente da economia

Com base nos números nacionais apresentados pelo IBGE na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD), Londrina deve contar próximo a 38.000 pessoas sem ocupação e este número não deve retroceder até que o processo de retomada econômica se concretize de forma definitiva.

A PEA de Londrina
Conforme o IBGE, Londrina tem aproximadamente 554 mil habitantes.
Considerando a proporção nacional, a PEA (População Economicamente Ativa) de Londrina é, aproximadamente de 277 mil pessoas.
Destas, 154,5 mil estavam empregadas com carteira assinada em abril deste ano enquanto 84 mil trabalhavam na informalidade e o restante, 38 mil formam o contingente de desempregados.

Onde trabalham
Do total de trabalhadores com carteira assinada, considerando o mês de abril, o setor terciário, que compreende comércio, serviços e administração pública, empregou 78% deste contingente.
O setor secundário, que engloba indústria de transformação e construção civil, foi responsável por outros 21%.
O setor primário, compreendendo agropecuária e extração mineral, absorveu pouco mais de 1% do contingente de empregados com carteira assinada.

Começa pela indústria
A retomada do crescimento econômico começa pela indústria de transformação e, a partir daí, se propaga pelos demais setores que são dependentes de renda.

É o caso, por exemplo, do comércio, que para aumentar suas vendas depende de pessoas empregadas, que tenham renda para gastar e possibilidade para tomar crédito.

Demora na retomada do emprego
Mesmo a economia deixando a estagnação e voltando a crescer, ainda demorará meses até que tenhamos abertura de novas vagas de forma consistente. Isto porque a grande maioria dos setores produtivos está operando com níveis elevados de ociosidade.

Máquinas e operários com baixa ocupação
Isso quer dizer que, tanto as máquinas quanto os operários que trabalham nela estão produzindo menos que seu potencial.

As máquinas com percentuais de ociosidade mais elevados simplesmente porque não podem ser demitidas, enquanto que a força de trabalho apresenta um pouco menos de ociosidade visto que é ajustada de acordo com a demanda.

É preciso expurgar a ociosidade
No momento em que a economia retome seu ciclo de crescimento, a demanda por bens e serviços aumenta e a produção acompanhará este aumento, mas antes de novas contratações, ocorrerá primeiro a utilização plena do trabalhador que está empregado, assim como, antes de novas encomendas por máquinas (bens de capital), será preciso ocupar todas aquelas que ficaram paradas durante a crise.

Os sinais do setor industrial
Os números do Caged (Cadastro Geral de Emprego e Desemprego), neste primeiro trimestre de 2017 apontam para uma retomada neste sentido.

Quando analisados os números das cinco principais cidades que compõe a Região Metropolitana de Londrina, temos que o comércio continuou a demitir - foram 601 vagas a menos entre janeiro e março. Já a indústria apresentou um saldo positivo de 904 novas vagas neste mesmo período.

Em Londrina, a indústria de transformação abriu 379 novos postos de trabalho entre janeiro e abril, contra um saldo negativo de 602 empregos no comércio.

A espera de um novo ciclo virtuoso
O IBC-Br (Índice de Atividade do Banco Central), divulgado nesta sexta-feira (16), ainda mostra que teremos um longo caminho a trilhar até que a economia engate uma retomada consistente.
Ainda teremos muitos indicadores com sinal trocado, próprios de uma economia que ainda precisa encontrar seu rumo, mas ao menos, o fundo do poço ficou para traz.

Marcos J. G. Rambalducci é professor doutor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná) e consultor econômico da Acil economianossa @ folhadelondrina.com.br
CONTINUE LENDO

Ambiente fértil

Nas dependências de uma organização, é possível "incubar" ideias inovadoras que dão origem a novas empresas – e não é preciso ser funcionário para propô-las

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados