VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia

CONSULTORIA EMPRESARIAL

Como conduzir uma reestruturação na sua empresa

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Inevitavelmente, nos últimos três anos, muitas empresas brasileiras tiveram que passar por algum tipo de reestruturação para se manter competitivas no mercado ou mesmo para aproveitar as janelas de oportunidades que surgiram com a economia em recessão.
PUBLICIDADE

Algumas dessas companhias não foram bem-sucedidas e fecharam as portas, enquanto outras ainda estão "cambaleando" porque as mudanças reconhecidas como imprescindíveis não se concretizaram, ou pelo menos, não foram colocadas em prática na velocidade que deveriam.

Mas, por que, muitas vezes, processos de reestruturação não dão certo? Os motivos são diversos. Os concorrentes podem ter sido mais ágeis, a estratégia adotada pela organização talvez não foi eficaz, ou o problema é interno: quem está à frente do negócio simplesmente boicota as mudanças, ainda que sem querer.

No centro de qualquer grande transformação organizacional há uma questão-chave: a redistribuição de poder. Você não consegue implementar grandes iniciativas sem mexer justamente no equilíbrio de forças que perdura até então. Ou seja, para ser bem-sucedido, vai acabar desagradando pessoas que estão no topo.

Um dos principais papéis de quem reestrutura uma companhia é criar novos desafios para quem está perdendo poder. Quem se mantém ocupado com projetos empolgantes não fica ruminando o fato de que já não é ele que cuida da compra da rebimboca da parafuseta. Tem coisas mais importantes para fazer.

Repartir o poder com alguém é particularmente complicado para gestores indecisos ou, o oposto, intempestivos. Quem possui o primeiro perfil tende a achar que as mudanças estão ocorrendo de maneira muito rápida e que o caos logo vai se instalar na empresa. Já o segundo considera que as coisas estão caminhando muito devagar e, se fosse para ser assim, então ele deveria continuar sozinho no comando, como antes.

Também há aquele tipo de gestor que coloca a sua popularidade acima de tudo e logo se assusta ao constatar que o nível de insatisfação das pessoas tem crescido desde que o discurso da mudança foi colocado em prática. O que ele quer é praticamente impossível: resolver grandes problemas internos sem ter de lidar com a cara feia de uma parcela das pessoas durante algum tempo. Você precisa confortá-lo ou então tenha certeza de que ele recuará.

Portanto, se a sua empresa está passando por um importante processo de mudança e você é um dos principais agentes de transformação, não fixe a sua energia apenas em provar à alta direção qual é o melhor caminho. Muitas decisões empresariais são tomadas com base naquilo que as pessoas ganham ou perdem em termos de poder político ou prestígio. Se você não conseguir mostrar que os ganhos superam as eventuais perdas, então, sinto lhe dizer que será difícil progredir.

Nas empresas familiares em crescimento a questão é um pouco mais complicada. Quando gestores de fora do círculo íntimo são contratados para levar a empresa a um novo patamar, geralmente acabam "enquadrados" pela alta direção assim que ousam fazer algo diferente do usual até então. Um aparente contrassenso, mas que pode ser facilmente explicado: a aceitação da perda de controle nessas empresas só ocorre a partir do momento em que os laços de confiança já estão suficientemente estabelecidos. Isto é, você precisa ser paciente.

A reestruturação também exige tato quando os proprietários da empresa mantêm uma relação emocional muito forte com o negócio ou as pessoas que estão na companhia desde a sua fundação. Nesse caso, não pense que a demissão da tia do cafezinho – se necessária – será pautada apenas no desempenho da pessoa em questão. Há uma série de coisas que você talvez ignore e expliquem porque quem tentou demiti-la nos últimos vinte anos acabou demitido. Invista sua energia em outras demandas.

A alta gestão não boicota iniciativas de mudança quando aceita perder o controle por confiar nas decisões que você toma, está empolgada por fazer algo novo e as recompensas ainda parecem vantajosas. Caso contrário, sinto informá-lo que terá de lidar com gente graúda nadando contra.

Wellington Moreira, palestrante e consultor empresarial
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Seara pede recuperação judicial de R$ 2,1 bilhões e demite 120 funcionários

Empresa do setor de agronegócio com sede em Sertanópolis (Região Metropolitana de Londrina) e unidades espalhadas pelo Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul tem dívida de R$ 2,6 bilhões, sendo R$ 1,7 bilhão junto a bancos

Comércio registra retração de postos de trabalho

Em Londrina, setor fechou 239 vagas formais de emprego em março, de acordo com Caged

Mercado financeiro

Cautela com exterior e com quadro político faz dólar subir 0,29%

Milionários e conservadores

Segundo pesquisa, os ricos colocam 54% dos seus investimentos em renda fixa

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic