VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
08/10/2014

Complexo pode migrar para Porecatu

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

O intermediário no negócio entre as estatais chinesas e o Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), o advogado Bruno Pedalino, afirma que não está descartada a possibilidade de o Arco Norte ser viabilizado em Porecatu, a 90 km de Londrina. Ele acredita que a maior parte das indústrias ainda se instalaria em Londrina, com o deslocamento de serviços ligados a logística para a cidade da região metropolitana. "Em São Paulo, foi o maior escândalo quando se falou em aeroporto internacional em Guarulhos, mas olha como é hoje", diz.
PUBLICIDADE

O prefeito Alexandre Kireeff afirma que qualquer negociação do tipo está nas mãos do presidente da Codel, Bruno Veronesi, que não quis comentar qualquer negociação com a Prefeitura de Porecatu. Ele disse apenas que não descarta um aeroporto regional.
O consultor de negócios Marcelo Mafra, que trabalhou pela implantação do Arco Norte, considera que a migração mudaria totalmente o projeto inicial. "A área de influência seria diferente", diz. Ele acredita que a análise sobre a viabilidade econômica deveria ter sido anterior à ambiental, porque a proposta buscava um projeto sustentável, semelhante a outros 60 que são executados hoje em todo o mundo.
Mafra também avalia que todos os dados de levantamentos econômicos sobre logística dão o maior potencial de crescimento ao setor aéreo. "Regiões com esse posicionamento serão mais competitivas em médio prazo", diz, ao lembrar que o complexo demoraria mais de uma década para ficar pronto e que é necessário planejar o futuro.
Para o consultor, Londrina passou por turbulências políticas que inviabilizaram as discussões, além da falta de interesse do governo e da iniciativa privada em pagar pelo estudo, que chegou a ser cotado por 300 mil euros (R$ 911 mil). Apesar de considerar a grande influência do aeroporto londrinense sobre o maringaense, tanto pelo maior fluxo de carga como pela torre de comando regional ficar em Londrina, ele diz que a cidade vizinha está hoje mais organizada no setor. "É preciso fazer um projeto de desenvolvimento para Londrina, porque não temos espaço no Paraná para dois projetos do tipo." (F.G.)
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

FMI reduz a 0,3% previsão de crescimento do Brasil

País deve ter uma das menores taxas de crescimento em 2014 entre os principais emergentes

Vendas de motocicletas caem 18,8% em setembro

No mês passado, foram comercializadas 116.639 unidades no Brasil, contra 143.570 em 2013 na mesma base de comparação

Emater e Embrapa firmam parceria para divulgar MIP

Assistência técnica ajudará produtores paranaenses a implantar Manejo Integrado de Pragas na safra 2014/15

Semana do empreendedor

Evento reúne grandes nomes do marketing digital em Londrina

Semana do Empreendedor Digital, promovida pela ACIL, é o maior evento da área de Marketing Digital em Londrina

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados