VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia

Caixa sobe valor da entrada exigida em financiamentos

Para os imóveis novos, o aumento foi de 10% para 20%, e para os usados, de 30% para 40%

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Gustavo Carneiro/9-3-2016
Gustavo Carneiro/9-3-2016

A Caixa Econômica Federal reduziu os limites de financiamento para imóveis novos de 90% para 80%, e usados de 70% para 60%. A mudança abrange financiamentos com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) - programa Minha Casa, Minha Vida e linhas Pró-Cotista e CCFGTS - e do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos).
PUBLICIDADE

Segundo nota da Caixa, o objetivo é a "adequação em relação à política de alocação de capital do banco". A instituição disse ainda que menos de 10% dos clientes que procuram o banco para realizar operações de financiamento serão afetados. Nos financiamentos via FGTS regulados segundo a tabela SAC, caiu de 90% para 80% o limite para imóveis novos pelo Minha Casa, Minha Vida, Pró-Cotista e CCFGTS.
Ainda na tabela SAC, caiu igualmente de 90% para 80% o limite financiado com recursos do SBPE para imóvel novo, adjudicado, construção em terreno próprio ou aquisição de terreno e construção (servidor público) e imóvel adjudicado (demais clientes). Por fim, em financiamentos regulados pela tabela Price, o limite para financiar imóvel usado caiu de 70% para 60% no Pró-Cotista e de 80% para 70% no CCFGTS.
Vice-presidente do Sinduscon-Norte (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Norte do Paraná), José Marcos da Rocha acredita que a mudança atrase a recuperação do setor. "A recessão do País já afetou o mercado de forma significativa, com lançamentos e obras em ritmo menor, então o que essa redução do total que pode ser financiado deve complicar é a retomada das vendas."
Rocha explica que as construtoras costumavam parcelar a entrada aos clientes ao longo da obra, o que dificulta com a ampliação de 10% para 20%, por exemplo. "Isso porque o valor financiado pela Caixa é pelo valor de avaliação deles, que normalmente está abaixo do valor de mercado", diz.
Para o diretor do Sinduscon-Norte, as mudanças prejudicam mais as construtoras de linhas mais baratas, como o Minha Casa, Minha Vida. "São pessoas que não tem uma reserva no banco de R$ 20 mil, R$ 30 mil, para dar de entrada, então terão um impacto maior", cita.
Rocha não vê impacto direto para a mudança nos financiamentos da Caixa da liberação promovida pelo governo federal de contas inativas do FGTS, que antes era majoritariamente acessada por trabalhadores para financiar imóveis. "Como a Caixa informa que o orçamento deste ano já estava definido, não é para ter afetado as linhas de crédito, mas, para 2018, talvez tenhamos uma verba menor no banco do que neste ano", diz o vice do Sinduscon.
Também para o empresário Gerson Guariente, da CGE Engenharia, o impacto da medida na construção civil deve ser importante. "Imagine que, num imóvel que custa R$ 150 mil, o comprador precisava dar R$ 15 mil de entrada. Agora são R$ 30 mil", exemplifica. Segundo ele, o mercado em Londrina e região está bem fraco. "Havia uma expectativa de recuperação, mas a delação da JBS (em maio), que abriu nova crise política, afugentou todo mundo", afirma. Com a nova medida da Caixa, deve haver nova retração, prevê ele. (Com Agência Brasil)
Fábio Galiotto
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Liminar reduz imposto do setor metalmecânico

Decisão diminuiu entre 7% e 18% o recolhimento de PIS/Cofins

Mercado financeiro

Ibovespa sobe 0,35% e aproxima-se dos 69 mil pontos

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic