VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia

Brasil investe menos de 0,30% do PIB em estradas

No período de 2004 a 2016, maior investimento correspondeu a 0,26% do Produto Interno Bruto

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

No período de 2004 a 2016, o investimento maior do Brasil em rodovias foi equivalente a apenas 0,26% do PIB (Produto Interno Bruto). Isso foi em 2010. O dado faz parte do estudo Transporte Rodoviário – Desempenho do Setor, Infraestrutura e Investimentos, apresentado pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), nesta quinta-feira, 10. Com a crise econômica, o valor caiu ainda mais: 0,10%, em 2015, e 0,14%, em 2016.
PUBLICIDADE

"Não é priorizado o investimento em infraestrutura de transporte, mesmo tendo a maior demanda dentre todos os modais, já que a maior parte das cargas e das pessoas se deslocam pelas estradas", observa o diretor executivo da CNT, Bruno Batista. "Engana-se quem considera como um assunto do setor, pois o desdobramento direto disso é no Custo Brasil, que afeta a todos. Estrangulamos sistematicamente o nosso potencial de desenvolvimento econômico", acrescenta.

Além disso, segundo ele, a falta de investimentos por conta de cortes no orçamento federal acarreta em despesas ainda maiores. "Os acidentes registrados nas rodovias federais em 2016 geraram um prejuízo estimado de R$ 10,88 bilhões, superando em mais de R$ 2 bilhões (R$ 8,6 bilhões) os valores investidos no mesmo ano. Deixar de fazer os investimentos necessários é gastar ainda mais com acidentes", constata Batista.

A CNT também compara a densidade da malha rodoviária entre vários países. E o Brasil perde, por exemplo, da Argentina. Em 2016, havia 24,8 km de rodovias a cada mil quilômetros quadrados do território nacional. E, no país vizinho, eram 25 km na mesma comparação. Diante de países desenvolvidos, a diferença assusta. Nos Estados Unidos, são 438,1 km de estradas a cada mil quilômetros quadrados de território. "Uma das conclusões da CNT é a de que o caminho para reverter essa situação é facilitar a entrada de investimentos estrangeiros, oferecendo projetos sólidos e com segurança jurídica, para corrigir o problema crônico da nossa falta de infraestrutura rodoviária", declara. O diretor ressalta ainda que, embora as rodovias tenham melhorado no período analisado, sem investimentos adequados, a malha irá se deteriorar rapidamente.
Magaléa Mazziotti
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Guardiãs de ativos

Centrais depositárias representam segurança para quem compra papel, seja em banco ou corretora

IBGE eleva projeção da safra; no Paraná, pode haver quebra

Nova estimativa, de 242,1 milhões de toneladas, supera em 0,7% a anterior, divulgada em junho

CONSULTORIA EMPRESARIAL

Reforma trabalhista representa evolução para o empresário

Mercado financeiro

Incertezas com meta fiscal derrubam a Bolsa e dólar sobe

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic