VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Terça-feira, 27 de Setembro de 2016
Economia
29/05/2013

‘A classe C salva a economia’

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Gina Mardones
Diretor do instituto Data Popular, Renato Meirelles ressalta a importância da nova classe média para a economia do País

O Brasil tem o menor Produto Interno Bruto (PIB) dos Brics - grupo formado pelos emergentes Brasil, Rússia, Índia e China -, mas é o único que cresce distribuindo renda. Assim é que o publicitário Renato Meirelles, diretor do instituto Data Popular, diferencia o desenvolvimento econômico entre estes países. Ele esteve ontem em Londrina para falar sobre as oportunidades de negócios voltadas à classe C, em palestra promovida pela Rádio CBN.
"O Brasil cresce de baixo para cima. Tanto é que a pirâmide social brasileira se transformou em losango social, com a maior fatia da população concentrada na classe média", afirmou ele em entrevista concedida à FOLHA. Meirelles explica que a classe C, ou nova classe média, é aquela cuja renda familiar per capita vai de R$ 291 a R$ 1.019, representando cerca de 104 milhões de pessoas.
Ele ressalta a importância desta parcela da população na economia brasileira no momento de crise financeira. "O Brasil se segura no seu mercado interno. A classe C sozinha consome R$ 1 trilhão por ano. Se fosse um País, seria o 18º maior em consumo do mundo", compara. Meirelles destaca que a nova classe média representa 52% da população e chegará a 57% em 2022.
De acordo com o diretor, o consumo desse grupo se expande na área de serviços. "Há dez anos, R$ 49 de cada R$ 100 gastos pela classe C eram para serviços. Hoje, são R$ 65", conta. Os serviços mais procurados, segundo Meirelles, são os ligados à telecomunicação: banda larga, TV por assinatura e telefonia. "Um segundo segmento que vem crescendo é o relacionado à educação. Temos 3 milhões a mais de universitários hoje", salienta.
Ele diz que, para esse grupo, investir em educação é uma forma de garantir o crescimento sustentável da renda da família. "Outro gasto da nova classe média que vem crescendo bastante é com viagens e serviços de beleza", conta.
Meirelles explica que a nova classe média cresceu em dois momentos históricos. O primeiro foi no início do Plano Real, com o controle da hiperinflação. "Naquele momento, o processo de perda de renda foi estancado", define. Uma segunda fase importante para essa fatia da população foi o governo Lula, quando houve distribuição de renda. "Houve um aumento no número de empregos formais na economia brasileira com ganho real no salário mínimo", destaca.
Com a expansão do emprego formal, de acordo com o diretor, houve um ingresso maior das mulheres no mercado de trabalho. "As famílias passaram a ter duas fontes de renda. Foram 40 milhões de pessoas que saíram da classe D para a C nos últimos dez anos", declara.
Ele conta que o Data Popular foi criado em 2001, logo que a Goldman Sachs soltou um relatório segundo o qual o futuro do comércio mundial estava no Brasil, na Rússia, na Índia e na China. "Meus sócios pensaram: mas quem vai entender esse processo no Brasil? Por isso, criaram o Data Popular", diz ele. Durante os primeiros três anos, de acordo com Meirelles, o instituto sofreu prejuízos. "As empresas não acreditavam que a classe C fosse virar o que virou no Brasil", afirma.
Nelson Bortolin
Reportagem Local
Continue lendo
18
Continue Lendo
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados