VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
05/11/2014

33% dos consumidores pretendem reduzir gasto com presentes

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Lis Sayuri/23-10-2014
No País, valor médio gasto com cada presente no Natal será de R$ 122,40

São Paulo - O porcentual de brasileiros que pretendem gastar menos com presentes no Natal deste ano aumentou para 33%, ante 13% em 2013, mostra pesquisa encomendada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e divulgada ontem. Para maioria dos entrevistados (51%), há uma impressão de que os preços estão mais caros. O principal motivo, apontado por 70% dos consumidores, é o aumento da inflação. Com isso, mesmo com uma intenção de gastar menos, o valor médio gasto com cada presente aumentou de R$ 86,59 no Natal de 2013 para R$ 122,40 neste ano.

A perspectiva negativa pode ser observada também entre os consumidores que pretendem gastar mais e os que vão desembolsar a mesma quantia, que diminuíram de 41% para 27% e de 46% para 40%, respectivamente. A principal razão apontada por aqueles que pretendem gastar menos é o endividamento (35%), seguido por estar desempregado (18%), para economizar (17%), porque o presente está mais barato do que no ano passado (10%) e possui outras prioridades (8%). Outras justificativas apresentadas são: não conseguiu economizar (3%), situação financeira ruim (2%) e incertezas por causa da eleição (2%).
Além do aumento da inflação, os consumidores apresentaram como razão para a alta dos preços dos presentes um cenário econômico menos favorável (14%), por ser uma data comemorativa (12%) e outros motivos não detalhados (4%). Em relação ao número de presentes, aqueles que têm a intenção de comprar mais lembranças diminuiu de 50% para 40% entre 2013 e 2014, ao mesmo tempo em que os que pretendem comprar menos (de 13% para 15%) e os que devem comprar a mesma quantidade (de 37% para 45%) aumentaram. O número médio de presentes, contudo, permaneceu em 4,3.
Apesar da quantidade total de presentes ter diminuído, a grande maioria dos entrevistados disse ter a intenção de dar pelo menos uma lembrança este ano (87%), aumento de 20 pontos porcentuais em relação a 2013. O principal local de compra será os shoppings centers (62%), seguido pela internet (40%) e lojas de rua/bairro (39%). Já a principal forma de pagamento continua sendo o dinheiro, apesar de ter caído de 57% para 50% entre os dois anos; seguido por cartão de crédito parcelado e à vista, que aumentaram de 16% para 27% e de 9% para 10%, respectivamente; e cartão de débito (de 5% para 2%).
"Houve uma migração do dinheiro, que diminuiu, para o cartão de crédito, principalmente o parcelado. Isso foi o jeito encontrado pelo consumidor de sair desse cenário econômico ruim", avaliou a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. Segundo ela, os dados da pesquisa mostram que o consumidor tem a intenção de gastar menos, mas, na hora que ponderam os preços vigentes, percebem que não vão conseguir.

Situação financeira

A pesquisa revela ainda que, para 59% dos consumidores brasileiros ouvidos, a percepção sobre a situação financeira melhorou. O levantamento mostra também que, para 27% dos entrevistados, a situação continua a mesma, enquanto 13% responderam que piorou.
A pesquisa entrevistou 624 pessoas de ambos os sexos e de todas as idades e classes sociais nas 27 capitais brasileiras.
Igor Gadelha
Agência Estado
NOTÍCIAS RELACIONADAS
CONTINUE LENDO

Produção industrial cai 0,2% em setembro

No ano, resultado acumula queda de 2,9%; em 12 meses, a redução é de 2,2% no País

Pagamento do 13º salário deve injetar R$ 8,5 bilhões no Paraná

No País, recursos do benefício somam cerca de R$ 158 bilhões, volume 10,5% maior que no ano passado

Escassez de chuva em outubro preocupa agricultores

Clima seco atrasou o plantio de soja, milho e feijão e pode afetar o potencial produtivo da safra 2014/15

Mercado de grãos ensaia reação de preços

Preço da soja subiu 3,2% em outubro

Emprego

Emprego cresce 4,3% em outubro, segundo a FGV

Indicador apresenta uma melhora que não era vista a muito tempo porém ainda deve ser confirmado nos próximos meses

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados