VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
08/10/2014

2015 será um ano ruim para consumo doméstico

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

São Paulo - Independentemente de qual candidato vença a eleição presidencial no segundo turno, a expectativa é de que 2015 seja um ano "duro" para a economia brasileira, avaliou ontem o economista do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getulio Vargas (FGV), Fernando de Holanda Barbosa Filho. "Venha quem vier, o próximo ano será muito ruim para o consumo doméstico", disse, durante participação no 16º Congresso Brasileiro de Embalagem.
PUBLICIDADE

Segundo Barbosa, o conjunto de fatores que permitiu o crescimento acelerado do consumo interno nos últimos anos - aumento da concessão de crédito, redução do desemprego e elevação da renda das classes mais baixas - começa a dar sinais de esgotamento. Para o economista, dados econômicos recentes já apontam para a estabilidade do crédito não imobiliário no País.
"O crédito não vai crescer como no passado, até porque os juros no Brasil são altos e devem subir ainda mais em 2015. Além disso, no ano que vem o desemprego deve aumentar e a renda diminuir, forçando a necessidade de ajustes independentemente do governo que assumir", afirmou. A alta da taxa básica de juros, segundo ele, é ainda mais preocupante porque além de impactar a demanda interna, deve desacelerar também o ritmo de investimentos no País.
À reportagem, o economista considerou que os setores de vestuário e gastos pessoais devem ser os mais afetados pela queda no consumo doméstico. Apesar de corresponder à maior parcela dos gastos das classes de renda mais baixas, o setor de alimentos e bebidas, por ser menos elástico, deve sofrer efeito negativo menor, acredita Barbosa.
Gabriela Vieira
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

FMI reduz a 0,3% previsão de crescimento do Brasil

País deve ter uma das menores taxas de crescimento em 2014 entre os principais emergentes

Estatais chinesas mostram interesse pelo Arco Norte

Empresas estudam pagar por análise de viabilidade econômica para projeto e até investir na construção e administração do complexo em Londrina

Vendas de motocicletas caem 18,8% em setembro

No mês passado, foram comercializadas 116.639 unidades no Brasil, contra 143.570 em 2013 na mesma base de comparação

Emater e Embrapa firmam parceria para divulgar MIP

Assistência técnica ajudará produtores paranaenses a implantar Manejo Integrado de Pragas na safra 2014/15

Semana do empreendedor

Evento reúne grandes nomes do marketing digital em Londrina

Semana do Empreendedor Digital, promovida pela ACIL, é o maior evento da área de Marketing Digital em Londrina

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados