VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cozinha & Sabor
05/05/2017

Um prato à brasileira

A feijoada é uma alternativa irresistível de cardápio para as temperaturas mais frias ou amenas

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Fotos: Shutterstock
Fotos: Shutterstock - Feijoada: embora seja considerado um prato tipicamente brasileiro, a receita tem origens remotas e foi sendo adaptada
Feijoada: embora seja considerado um prato tipicamente brasileiro, a receita tem origens remotas e foi sendo adaptada


O friozinho típico do outono costuma despertar o apetite para receitas mais suculentas. Entre as opções irresistíveis para o período de temperaturas mais amenas está a feijoada. Embora o prato nunca tenha perdido o merecido destaque na mesa dos brasileiros, neste período do ano acaba se tornando uma opção perfeita no cardápio.
PUBLICIDADE

Apesar de ser considerada uma especiaria tipicamente brasileira, vários historiadores têm contestado a versão de que o prato teria sido criado no País por escravos que aproveitaram sobras de comida da casa-grande. De acordo com pesquisadores, a receita remonta à área mediterrânica na época do Império Romano e seria fruto de uma adaptação do famoso cozido português.

Polêmicas à parte, a feijoada tem a brasilidade típica da culinária nacional, sobretudo na composição dos ingredientes básicos de sua receita, que inclui basicamente feijão preto, diversas partes do porco, linguiça, farinha, além legumes, verduras e até frutas como acompanhamento.

Especialistas em culinária destacam que o primeiro passo para preparar uma boa feijoada é escolher o feijão preto adequado. Uma dica básica é selecionar grãos que tenham tamanho médio e uma aparência brilhante. Recomenda-se também garantir que a receita tenha bastante caldo colocando dois litros de água para cada quilo de feijão. Os demais ingredientes devem ser dessalgados na véspera por pelo menos 12 horas, trocando-se a água quatro vezes nesse período.



Na hora do cozimento, aconselha-se colocar as carnes mais duras na panela junto com o feijão cru. Carne-seca, rabo e orelha devem ser os primeiros a entrar no caldeirão. Dez minutos depois, é a vez do lombo e da costelinha. Linguiça e bacon entram por último, dez minutos depois. Uma maneira de evitar que a feijoada fique muito salgada é colocar três ou quatro batatas cruas descascadas durante o cozimento. Elas ajudam a absorver o excesso de sal. Quando a feijoada estiver pronta, basta retirar as batatas da panela.

Um erro básico que deve ser evitado durante o preparo é a fritura das carnes antes de acrescentá-las ao feijão, hábito que costuma deixar a receita muito gordurosa e pesada. O ideal é apenas cozinhar as carnes junto com o feijão e acrescentar ao final os legumes, como cenoura, repolho e batata, que absorvem a gordura e ainda ajudam na digestão do prato. Já o aroma da receita pode ganhar um perfume adicional com a utilização de folhas de louro.

Para quem não quer ter trabalho em casa, há bons restaurantes, em Londrina, que oferecem a tradicional feijoada aos sábados. No Mercado Guanabara, a feijoada é um dos diferenciais do cardápio de outono e inverno. Este ano, o buffet começa a ser servido no dia 13 de maio, sempre aos sábados no almoço, e continua até o final de julho. "O diferencial é que servimos todos os ingredientes separados, além de torresminho e caldo de feijão. Isso agrada as pessoas que não comem todos os ingredientes", explica Alexandre Guimarães, proprietário do restaurante. Para acompanhar a refeição, a sugestão que não pode faltar são as deliciosas caipirinhas.

RECEITA
Ingredientes
1 orelha de porco cortada em pedaços pequenos
2 pés de porco cortados em pedaços pequenos
Meio quilo de carne-seca cortada em pedaços pequenos
Meio quilo de costelinha de porco cortada em pedaços pequenos
Meio quilo de feijão-preto
2 colheres (sopa) de óleo
1 cebola picada
300 gramas de linguiça calabresa defumada cortada em rodelas grossas
300 gramas de paio cortado em rodelas grossas
400 gramas de lombo de porco cortado em cubos
1 laranja média sem casca
2 cubos de caldo de bacon
2 litros de água fervente

Modo de preparo
Na véspera, em uma tigela, coloque a orelha e os pés de porco e cubra-os com água fria. Troque a água 4 vezes durante esse período. Em outra tigela, coloque a carne seca e a costelinha de porco e cubra-as com água fria para dessalgar. Troque a água 4 vezes. No dia seguinte, coloque o feijão em uma tigela, cubra com água e reserve por 1 hora. Escorra a orelha e o pé de porco e coloque-os em uma panela de pressão cobertos com água fria. Tampe a panela e cozinhe por 15 minutos, contados a partir do início da pressão. Retire do fogo, aguarde sair todo o vapor e abra a panela. Escorra e reserve. Escorra a carne seca e a costelinha e coloque-as na panela de pressão cobertas com água fria. Tampe e cozinhe por 15 minutos contados a partir do início da pressão. Retire do fogo, aguarde sair todo o vapor e abra a panela. Na mesma panela, aqueça o óleo e doure a cebola. Junte a linguiça, o paio, o lombo e refogue por mais 3 minutos. Junte o feijão escorrido, as carnes pré-cozidas reservadas e a laranja. Acrescente os cubos de caldo de bacon e água fervente. Tampe e cozinhe por 15 minutos, contados a partir do início da pressão. Retire do fogo, aguarde sair todo o vapor e abra a panela. Retire a laranja e leve novamente ao fogo. Cozinhe em fogo baixo, com a panela parcialmente tampada (sem a pressão), por mais 30 minutos ou até engrossar o caldo e os ingredientes estarem cozidos. Passe para uma travessa e sirva em seguida.
Marcos Roman
Reportagem Local
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados