VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Opinião
20/03/2017

Os 40 anos do Calçadão

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

A Folha de Londrina trouxe em sua edição do último fim de semana reportagem que lembra os 40 anos do Calçadão de Londrina. A obra, iniciada em março de 1977 e concluída em dezembro do mesmo ano, foi uma importante iniciativa para deixar o centro mais humanizado.

Diminuía o "privilégio" dos carros na Avenida Paraná e aumentava o espaço para os pedestres - no início da década de 1970, o tráfego de veículos na região já era considerado exagerado. Problema que persiste hoje no próprio centro e em outros pontos.
Durante muitos anos, o Calçadão foi um dos principais cartões-postais da cidade. Hoje, esse ranking mudou. Tantas alterações no decorrer dessas quatro décadas contribuíram para o espaço perder o seu charme. Não houve muita preocupação em preservar esse patrimônio histórico, um registro de importante fase do desenvolvimento de Londrina.
Lembrando que o projeto teve uma importante assinatura: do arquiteto e urbanista Jaime Lerner, prefeito de Curitiba entre 1971 e 1975, responsável pelo famoso Calçadão da Rua XV de Novembro, a primeira rua de pedestres do País, inaugurada em 1972.
Voltando ao Calçadão de Londrina, o projeto contemplou ainda o Bosque, e as praças Willie Davids, Primeiro de Maio e Sete de Setembro. O anel central foi dividido em seis setores. A região da Praça Gabriel Martins foi considerada o coração da cidade e ganhou o nome de Cuore (coração, em italiano).
Ali era o ponto de maior aglomeração das pessoas e que ganhou a maioria dos quiosques – pequenas construções comerciais que foram banidas anos atrás e agora voltaram, com aprovação da população, mas com estética questionada.
É certo que esse "quarentão" precisa de renovação. A população tem saudades do petit pavet e de outros elementos da arquitetura original e também de equipamentos que convidavam o londrinense a curtir o centro da cidade.
Faltam atrações e segurança para manter o Calçadão atraente para as famílias e "vivo" também no período da noite. O distanciamento do londrinense desse primeiro centro de compras do município é reflexo da pouca importância que a sociedade brasileira dispensa à preservação da história e dos monumentos de suas cidades.
CONTINUE LENDO
QUALIDADE DO ENSINO

'Devemos combater indicadores em níveis ruins'

Secretário de Educação Básica do MEC destaca que é preciso realizar mudanças para melhorar nível dos alunos

O ICMS fora da base de cálculo do PIS e da Cofins

A decisão privilegia todo o setor industrial brasileiro, com custos mais competitivos aos fornecedores, trazendo com isso reflexo aos consumidores com a diminuição dos preços finais

HÁ 40 ANOS

20 de março de 1977

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados