VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Segunda-feira, 24 de Julho de 2017
Opinião
17/07/2017

Infraestrutura no combate ao zika

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

A organização internacional Human Rights Watch fez um sério alerta à sociedade brasileira em relação ao zika vírus. Segundo o relatório divulgado na última quinta-feira, apesar do governo federal ter declarado, em maio, o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para o vírus, a situação ainda é preocupante.
Para a organização, os problemas existentes no Brasil há muito tempo e que permitiram a intensificação da epidemia de zika ainda não foram solucionados. O estudo apontou que as autoridades brasileiras precisam investir em saúde pública.
Os pesquisadores que elaboraram o relatório, chamado "Esquecidas e desprotegidas: o impacto do vírus zika nas meninas e mulheres no Nordeste do Brasil", constataram que anos de negligência ajudaram para as condições de água e esgoto permitirem a proliferação do mosquito Aedes aegypti e a rápida disseminação do vírus.
A ONG ainda cobra que as mulheres e meninas tenham mais informações sobre saúde reprodutiva e que as crianças com Síndrome de Zika tenham acesso de longo prazo a serviços que lhes proporcionem a melhor qualidade de vida possível.
A produção do relatório envolveu a entrevista com 183 pessoas em Pernambuco e Paraíba, estados mais atingidos pelo vírus. Entre os entrevistados, estão 98 mulheres e meninas, sendo que 30 delas têm filhos com Síndrome de Zika.
O fim do estado de emergência para o zika ainda não é uma vitória. Os riscos permanecem e a ameaça existe enquanto não diminuir a infestação do mosquito. Os problemas causadores da epidemia ainda existem e a divulgação, também na semana passada, de um estudo da Organização Mundial de Saúde vem comprovar o problema.
Segundo a pesquisa, 4 milhões de brasileiros não têm banheiro em casa. Condições precárias de vida que colocam em risco a saúde de famílias que vivem nas zonas rural e urbana.
CONTINUE LENDO

À espera do salvador: não aprendemos com a história

"No Brasil, o novo messias vai acabar com toda a violência e com as drogas"

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados