VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Opinião
14/11/2017
EDITORIAL

Homens e a prevenção à saúde

"Destinada à prevenção do câncer de próstata, a campanha Novembro Azul alerta sobre a doença que é considerada a causa de morte de 28,6% da população masculina"

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Destinada à prevenção do câncer de próstata, a campanha Novembro Azul alerta sobre a doença que é considerada a causa de morte de 28,6% da população masculina que desenvolve neoplasias malignas.
PUBLICIDADE

Neste ano, segundo estimativas do Inca (Instituto Nacional do Câncer), o Brasil deve registrar 61,2 mil novos casos de câncer de próstata, o segundo mais comum entre os homens, perdendo apenas para o câncer de pele não melanoma.

No Paraná, conforme a Secretaria de Estado da Saúde, a previsão é de aproximadamente cinco mil casos para 2017. Em Londrina, o Hospital do Câncer chega a operar cerca de 200 pacientes por ano, com tumores iniciais.

Como os homens carregam o estigma de não cuidarem da saúde como deveriam, não se consultando com médicos ou fazendo exames regularmente, a campanha tem o papel de fazê-los se preocupar mais com o assunto e adotarem o autocuidado como hábito.

O objetivo é promover o diagnóstico precoce. Dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) apontam que 20% dos pacientes descobrem a doença em estágios avançados, o que aumenta a taxa de mortalidade.

O problema, conforme especialistas, é que este tipo de câncer não apresenta sintomas no início e quando surgem os primeiros sinais, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, tornando a cura mais difícil.

Matéria publicada na Folha de Londrina, nessa segunda-feira (13), traz relatos de homens que enfrentam o problema. Um deles, de 61 anos, revela que já tinha feito exames de toque, mas só uma biópsia atestou o resultado. Além do diagnóstico precoce, a reportagem mostra a importância das sessões de fisioterapia no pós-operatório para promover a reeducação muscular e evitar a incontinência urinária.

Embora a sociedade venha passando por transformações, o diagnóstico precoce ainda esbarra no medo e no preconceito de parte da população masculina em relação ao exame de toque. Assuntos que devem ser constantemente trabalhados pelas campanhas de conscientização.
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
ESPAÇO ABERTO

Agente penitenciário e o estigma da profissão

"Ser agente penitenciário não é fácil e, além disso, é uma profissão estigmatizada"

CARTAS

OPINIÃO DO LEITOR

"Não, meus amigos, os autores dessas infames infrações não são rebeldes sem causa ... são marmanjos irresponsáveis e egoístas"

HÁ 40 ANOS

HÁ 40 ANOS

14 de novembro de 1977

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic