VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia

Mercado financeiro

Dólar cai após ata do Fed sem novidades

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Dólar
desce
PUBLICIDADE

Moeda norte-americana fecha em baixa de 0,41%
Após a ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed) não trazer novidades, o dólar não exibiu reação ante o real e seguiu sua trajetória de queda vista desde o início do pregão. Entre os motivos observados por profissionais do mercado, estão uma correção das recentes altas, amparada por um giro financeiro baixo em véspera do feriado no Brasil, e a desvalorização generalizada da moeda no exterior. No mercado à vista, o dólar fechou em baixa de 0,41%, aos R$ 3,1709. O giro financeiro somou US$ 974 milhões. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1603 (-0,74%) e na máxima, R$ 3,1727 (-0,35%).

Correções predominam e Ibovespa tem queda
O mercado brasileiro de ações não teve fôlego para dar continuidade ao movimento de alta da véspera e voltou a realizar lucros no pré-feriado. Apesar das agendas interna e externa relativamente intensas, não houve notícia com impacto suficiente para direcionar os negócios com clareza. Com isso, predominaram as correções, concentradas principalmente nas blue chips. O Índice Bovespa terminou o dia em baixa de 0,31%, 76.659,80 pontos, depois de oscilar entre +0,11% e -0,75%. "Foi um dia de poucas notícias com potencial para animar o investidor", disse Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença Corretora.

Ações da Vale, siderúrgicas e Petrobras caem
No cenário externo, a principal expectativa do dia girou em torno da ata da reunião de política monetária do Fed. O mercado já esperava um documento sem grandes novidades, o que se confirmou. A queda de 2% dos preços do minério de ferro no mercado à vista chinês e a instabilidade dos preços do petróleo favoreceram as baixas das ações da Vale, siderúrgicas e da Petrobras. Papéis do setor financeiro, que na terça-feira estiveram entre as altas mais significativas da bolsa, ontem devolveram parte dos ganhos da véspera. As units do Santander perderam 1,88%, depois de uma alta de 3,81% na terça-feira. Petrobras ON caiu 0,48% e Vale ON, 0,70%.

Juros futuros ficam próximos à estabilidade
Os juros futuros terminaram a sessão regular perto da estabilidade, com viés de baixa no caso dos vencimentos de curto e médio prazos e de alta nos vencimentos longos, em mais um dia fraco de negócios. A ata da reunião do Fed, grande destaque da agenda do dia, acabou não fazendo preço sobre os ativos, ao apenas confirmar a expectativa do mercado de nova elevação do juro norte-americano em dezembro. A taxa do DI para janeiro de 2019 fechou em 7,29%, de 7,31% no ajuste de terça-feira, e a do DI para janeiro de 2020 fechou estável em 8,21%. A taxa do DI para janeiro de 2021 encerrou em 8,93%, de 8,94%, e a do DI para janeiro de 2023 passou de 9,63% para 9,65%.
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
PORTO DE SANTOS

MPF denuncia Copersucar por crime ambiental em Santos após incêndio em 2013

As chamas atingiram 180 mil toneladas de açúcar bruto estocadas e provocaram o derramamento do produto no estuário do porto.

NOVA TENTATIVA

Oi protocola novo plano de recuperação na Justiça

Capitalização viria da conversão de dívidas em participação acionária, cerca de R$ 3,6 bilhões; R$ 3,5 bilhões em dinheiro aportado por bondholders (detentores de títulos) e R$ 2,5 bilhões vindos dos acionistas.

Crescendo com apoio do consumidor

Financiamento coletivo extrapola universo das startups e é usado em Curitiba para expansão de fábrica

Vendas no varejo interrompem alta e caem 0,5% em agosto

Na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo o IBGE, há um crescimento de 3,6%

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic