VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
11/11/2017
LUIZ GERALDO MAZZA

No divã do analista

"O tucanato sempre esteve em crise de identidade pelo fato de constitui uma espécie de PMDB encabulado"

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

No divã do analista
PUBLICIDADE

O tucanato sempre esteve em crise de identidade pelo fato de constitui uma espécie de PMDB encabulado. Tentaram, lá atrás e no andamento da Constituinte de 1988, sugerir que eram uma espécie de lado higienizado, daí buscarem caracterizar-se como uma fração de traço socialdemocrata e, sobretudo, parlamentarista. Em que pese esse esforço, estão agora atolados até o pescoço nas investigações da Lava Jato e seus quadros sacralizados, mesmo nas gestões paulistas, deixaram vestígios no setor de trens e metrôs com as dificuldades costumeiras de procedimentos judiciais nos Estados. É urgente, como sugeriu José Serra, submeter-se o partido à psicanálise.
Submetidos a uma humilhação na ameaça de perderem ministérios, buscaram o caminho da subserviência com o ato do senador Aécio Neves destituindo seu colega Tasso Jereissati de sua interinidade no comando da legenda. Houve perda de tempo e agora nem o desembarque do governo, ainda que seja de maioria, salva a cara dos seus seguidores.

O PSDB tentou recriar a facção dos "autênticos" ao tempo em que o divisor ideológico se dava com a maioria fisiológica, hoje a essência e a identidade desse PMDB mesmerizado com a liderança de Michel Temer. O alerta do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para rápido desembarque se deu fora de hora como também a do nosso governador Beto Richa ao enunciá-la como palavra de ordem, depois de tanto silêncio e omissão. Faz horas que não temos gente nossa em intervenções no cenário nacional. Não dá para comparar esse ciclo (ou seria uma era?) com os tempos do neysmo em que o Paraná era um protagonista sistemático.

O PSDB é o mesmo PMDB de sempre: comprova-o a figura do senador Aécio Neves, até há pouco o mais credenciado dos seus líderes na disputa presidencial, flagrado na mordida em cima da JBS logo amaciada para um suposto empréstimo.

Frágil
Fraquíssima a manifestação obreira em Curitiba contra a reforma trabalhista: segundo a Polícia Militar, reuniu menos de trezentas pessoas na Boca Maldita, o que prova a baixa adesão num tema mal discutido em que pese a sua relevância. Baixíssímo o nível de consciência das centrais sindicais inclusive revelando que estudaram pouco a questão.

Fórmula 1
Cada vez, isso no passado, quando havia a disputa da Fórmula 1 no Brasil tínhamos nas estradas e ruas alguns motoristas em altíssima velocidade. Agora, na BR-277, em área metropolitana de Curitiba, a Polícia Rodoviária Federal flagrou um deles a 187 kms-horários.

Chavão
A senadora Gleisi Hoffmann, no STF, repetiu o chavão dos seus discursos dizendo que a Justiça está criminalizando a política. Fazer acertos com empreiteiras e a Petrobras pode ser político, mas em certas oportunidades se evidencia como um ato criminal, assalto, improbidade.

Rebelião
O motim na Penitenciária de Cascavel quase reproduz o cenário da ocorrência de quatro anos passados, aquela, é claro, que com efeitos mais devastadores em perdas de vida e prejuízos materiais. No mês passado, tivemos duas mortes na Penitenciária de Piraquara e outras nos distritos policiais superlotados. A inserção do Depem na Segurança está sendo duramente testada e, apesar do longo tempo de armistício nos presídios, o sistema não é garantia. O tom fora do ritmo foi a explosão verbal do governador em críticas ao Ministério Público e ao Judiciário. O governador se refere a exigências formalistas do Ministério Público em relação ao seu secretário de Segurança em episódios ocorridos em Maringá. Como o tom dessas relações é sempre cordial, a fala surpreendeu.

Autonomia
Há um racha entre Polícia Federal e Ministério Público tradicional que esbarra no controle externo de um sobre outro, nos níveis de autonomia e em questões polêmicas como a de deferir competência à iniciativa das delações premiadas. Deu-se muito relevo ao fato de que Michel Temer teria selado acordo com José Sarney e Romero Jucá na designação do novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia. Isso não significa que haverá direcionamento nas ações da corporação o que também não houve com a ida de Raquel Dodge à Procuradoria-geral da República até porque procuradores de Justiça e promotores têm autonomia, aspiração também agora colocada pela Polícia Federal. Inimaginável esse raio de autonomia a policiais estaduais condicionados por uma rotina de obediência sistemática ao Executivo, quer por civis ou militares.

Folclore
Na verdade, a questão está em aberto: o que fazer com o importante corredor – a Avenida Comendador Franco - depois que retirarem as torres, obra a cargo da Copel e que levará no mínimo um ano e meio para ser devidamente concluída. Há tempo suficiente para o exercício da criatividade só que há uma carência que não ocorria no tempo de Lerner: não há dinheiro, a prefeitura como o Estado, se fossem empresas, estariam, na melhor das hipóteses, em recuperação judicial.
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
POLÊMICA

Reforma trabalhista entra em vigor sob fogo cruzado

Nova legislação, que altera 117 artigos da CLT, passa a vigorar neste sábado em meio a clima de incerteza. Entidades sindicais criticam mudanças em itens como férias e jornada. Para associação de magistrados, há pontos "claramente inconstitucionais". Defensor argumenta que reforma foi pensada para racionalizar o sistema judicial

ALÉM DO MERECIDO

Deputados federais têm 'superfolga' de 10 dias

Presidente da Casa, Rodrigo Maia, não marcou votações na próxima semana e parlamentares esticaram o feriadão da República até o dia 21

CLÁUDIO HUMBERTO

Tancredo e a pneumonia

"Não vai passar na Câmara"
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sobre a proibição geral a abortos no Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic