VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quinta-feira, 20 de Julho de 2017
Política
19/05/2017

LUIZ GERALDO MAZZA

"Que tal um novo dilúvio, agora de água benta, para a remissão dos nossos pecados?"

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Brasil à deriva
O que é a legalidade no país, no momento em busca de reformas, quando pegam até o presidente comprando o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha ao aconselhar que o pixuleco deveria ser mantido ao dono da JBS? O pessoal da Fiep, que esteve dias atrás com Temer trocando vantagens fiscais por apoio às reformas trabalhista e previdenciária, sugere a renúncia que pegaria bem num legalista e constitucionalista. Dessa feita, a cobertura policial, firme nos flagrantes e filmagem e gravações dos delitos, pega o paranaense Rocha Loures a receber mala de R$ 500 mil e de cambulhada uma gravação do senador Aécio Neves pedindo R$ 2 milhões ao Joesley Batista.
Salva-se alguém? Pode ser, mas está difícil porque esse é o ecossistema dessa gente, é sua forma de nele sobreviver, parasitismo generalizado. Da mesma forma que o escorpião mata o animal que o salva, levando-o até o outro lado do rio porque essa é a sua natureza, assim também age, como sempre agiu, a classe política que se escora agora no argumento final de que essa é a forma de sobrevida possível. E da mesma forma que os acusados repetem o mantra de que não podem ser despojados da presunção de inocência, coloca-se o problema filosófico de como será possível fazer política sem os políticos.
A cloaca máxima vasa. E sugere ativismo com a farsa das reformas, ora numa encruzilhada cheia de despachos numa sórdida troca de interesses. Que tal um novo dilúvio, agora de água benta, para a remissão dos nossos pecados?

Guerra de números
Temendo que a imposição de regras de austeridade impeça novos aumentos salariais e sobretudo planos de carreira tanto os servidores municipais de Londrina como os bravos integrantes do Fórum de Entidades Sindicais, isso em nível estadual, contestam o aperto das contas. Em Londrina, negando o deficit de R$ 120 milhões e afirmando existir superavit de R$ 9 milhões e, em Curitiba, sob o argumento de que houve alta de 9% nas receitas no quadrimestre, enquanto o governo alega que qualquer reajuste faz extrapolar limites da LFR, Lei de Responsabilidade Fiscal.
Pelo jeito, o maior aliado dos governos estaduais ou municipais é o Tribunal de Contas com suas seguidas advertências em tom severo de que o limite prudencial dos gastos foi superado como ainda fez recentemente. Parece jogo combinado: o governo passa por temerário e irresponsável nesses puxões de orelha e obtém-se uma vacina contra aumentos respaldada no argumento do tzar financeiro, Mauro Ricardo Costa. Como o drama afeta os entes federativos e o mais doente deles é o município, tivemos recentemente o manifesto das prefeituras da Região Metropolitana de Curitiba contra reajustes salariais. Só falta combinar, como alertava Garrincha, com os russos que agora andam até se acertando com os yanques como se deu com Trump.

Painel
Historicamente, a implantação do painel eletrônico na Assembleia Legislativa sempre gerou problema, tanto que o primeiro deles, apesar do custo, não chegou a funcionar. Pois agora a licitação do sistema (R$ 2,3 milhões) vai ser fatiada e não é homenagem, de maneira alguma, às artes de cortar carne do JBS e muito menos alusão àquela colher de chá do STF a Dilma, poupando-a do corte nos seus direitos políticos.

Credibilidade
O presidente Michel Temer fez sua defesa enfática pela televisão e pelo rádio, mas sua situação lembra a de todos os denunciados quando fazem a contestação: por mais razoáveis que sejam os argumentos o peso do ataque é maior, mais abrangente. Nessas denúncias mais recentes, o trabalho da polícia, para ratificar delações, foi mais completo, artesanal.
Temer afirmou que não renuncia o mandato e muito menos a causa das reformas. O Brasil não aguenta um novo trauma como impedimento, hipótese já aberta com inquérito no STF contra o presidente pelo relator da Lava Jato, Edson Fachin, e que afastou dos mandatos o senador Áécio Neves e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures.

Agora vai?
O autor do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, advogado Miguel Reale Neto, filho do maior filósofo do Direito do Brasil, ao falar sobre a crise brasileira encheu a bola do senador Alvaro Dias, apontando-o como um diferenciado. Apesar de estar presente nas reportagens da Globo, jamais o incluíram nas pesquisas para presidente. Quem sabe, agora, deslanche e apareça.

Folclore
O ministro Edson Fachin tende a ser uma das figuras consulares do momento brasileiro e ontem, como fez no caso do ex-ministro Palocci, transferiu a questão da prisão de Aécio Neves à decisão do colegiado. No primeiro caso, driblou a hipótese de nova derrota na segunda turma e, no segundo, preservou a condição de distanciamento necessária a um relator.
CONTINUE LENDO
ESQUEMA

Joesley diz que 100% do seu negócio 'era com o presidente Michel'

A afirmação do empresário foi feita durante o depoimento em abril, no âmbito de sua delação premiada, no contexto em que Joesley explicava a conversa que teve com o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) sobre o pagamento de propinas ao grupo do PMDB

'HOMEM DE TEMER'

Psol e Rede preparam pedido de cassação de Rocha Loures

Deputado do Paraná foi citado na delação de Joesley Batista por supostamente ter atuado no Conselho Administrativo de Defesa Econômica em troca de propina

FIM DA ERA TEMER

Maia já discute com técnicos legislativos sobre eleições indiretas

Parlamentares da base aliada afirmam que foi discutida a necessidade de elaborar uma nova lei para "ajustar detalhes" da legislação

Fachin autoriza abertura de inquérito contra Temer

Supremo vai apurar se o presidente da República cometeu crime de obstrução à Justiça com base na delação premiada dos irmãos Batista, do grupo JBS

CLÁUDIO HUMBERTO

"Não roubarão nosso País de nós"
Deltan Dallagnol, procurador da Lava Jato, após a denúncia contra Michel Temer

Lideranças do Paraná defendem renúncia de Temer e criticam Aécio

Políticos paranaenses apontam que não há mais condições para peemedebista permanecer na Presidência; deputado tucano pede a saída de Aécio do partido

Aécio é afastado do cargo de senador e deixa comando do PSDB

Tucano diz que vai se defender da denúncia do MPF de que teria sido gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, dono da JBS

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados