VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016
Opinião
23/09/2012

Passar Londrina a limpo

Se tivermos sucesso na luta, Londrina vai passar à história como a cidade que não se omitiu - e venceu. É essa Londrina que queremos mostrar a nossos filhos e netos

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Os escândalos políticos que mais uma vez abalam a nossa cidade reforçam uma certeza para a maioria da população: é preciso passar Londrina a limpo.
Está na hora de abrir os olhos de nossas lideranças políticas. O povo honesto é majoritário em nossa sociedade, e não aceitará os malfeitos, desmandos e parasitismos no poder público. A corrupção não vai encontrar solo propício em nossa terra. Chega!
Sim, os recentes casos nos envergonham. Mas nos envergonharia muito mais dar as costas à realidade e fingir que nada aconteceu. A corrupção é uma vergonha; vergonha maior é aceitá-la como natural ou procurar escondê-la. Temos vergonha dos corruptos, mas temos orgulho de nossa indignação. Repudiamos tanto o roubo quanto a covardia; tanto a malandragem quanto a omissão; tanto Judas quanto Pilatos.
Combateremos o mal, venha ele de onde vier. Se o mal tiver origem em Brasília, que se punam os responsáveis, como vem acontecendo no julgamento do mensalão pelo Supremo. Se o mal tiver origem em nossa vizinhança, o rigor deve ser o mesmo.
Não varreremos nada para debaixo do tapete. Outras cidades talvez prefiram o silêncio, a conveniência, a omissão. Em Londrina, é diferente. Aqui a mordaça não tem vez, pois os londrinenses sabem que uma cidade não pode ser limpa se é omissa.
Temos problemas? Claro que sim. Mas temos algo que é precioso e raro em nossos dias: independência. E independência significa ter instituições fortes, imprensa livre e equilíbrio entre os poderes. Nos últimos anos, avançamos bastante: chegou a hora de a administração municipal avançar também.
O Ministério Público tem desempenhado um papel fundamental na fiscalização dos governantes. Mas os promotores nada conseguiriam trabalhando sozinhos; eles contam com o apoio de nossa comunidade.
A Prefeitura não pertence a um indivíduo, a um grupo econômico ou a uma coligação partidária. Não pode servir a interesses particulares ou projetos de poder. Não aceitaremos que a administração municipal seja guindada por lideranças oportunistas e alheias aos problemas de nossa cidade. Prefeitura não é feira de vaidades, não é máfia, não é clube fechado. A Prefeitura somos nós.
Passar a cidade a limpo é fazer um plano de industrialização consistente e atrair investimentos que gerem emprego, renda e qualidade de vida. Para tanto, é preciso ter um Plano Diretor com regras claras para a instalação de empresas no município. Sem empresas, não há desenvolvimento.
Passar a cidade a limpo é atender às demandas do setor de comércio e prestação de serviços, hoje responsável por 77,8% do PIB londrinense. A flexibilização do horário do comércio - em outras palavras, a liberdade para trabalhar - seria um excelente ponto de partida.
Passar a cidade a limpo é reestruturar a Codel e a Ippul, órgãos estratégicos para o desenvolvimento de Londrina, hoje sucateados e abandonados a um canto da Prefeitura.
Passar a cidade a limpo é cuidar de nossa segurança pública, com a efetiva integração entre a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Federal e Guarda Municipal.
Passar a cidade a limpo é cuidar da rede de saúde pública, à qual não faltam recursos, mas sim uma gestão racional e livre de paixões ideológicas e corporativistas. Não há desenvolvimento sem saúde.
Passar a cidade a limpo é reduzir gastos e aumentar a eficiência da máquina pública, com o fortalecimento da cultura de transparência entre os servidores.
Passar a cidade a limpo é garantir uma educação de qualidade em toda a rede pública, e não apenas em algumas escolas que se destacam diante da mediocridade atestada pelos números do Índice de Deenvolvimento da Educação Básica (Ideb).
Passar a cidade a limpo não é ignorar problemas, nem criar ilusões. Passar a cidade a limpo é deixar as coisas tão claras quanto o dia. Se tivermos sucesso na luta, Londrina vai passar à história como a cidade que não se omitiu - e venceu. É essa Londrina que queremos mostrar a nossos filhos e netos.

FLÁVIO MONTENEGRO BALAN é presidente da Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil)
Flávio Montenegro Balan
Continue lendo
7
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados