VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cidades
12/07/2017
PROJETO INSPIRADOR

Sensibilizarte: dez anos de humanização em hospitais

Grupo formado por estudantes da UEL aposta na arte como forma de tornar mais humano o relacionamento entre pacientes e profissionais

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois


PUBLICIDADE

Um grupo de estudantes de graduação na área de saúde tem levado arte a hospitais de Londrina como forma de promover a humanização do atendimento aos pacientes. O grupo Sensibilizarte, formado exclusivamente por alunos da área de saúde da UEL (Universidade Estadual de Londrina), completa dez anos em 2017 e já entrou para a história do HU (Hospital Universitário) ao invadir os corredores da instituição com música, arte, histórias, palhaçadas e principalmente alegria.

Os estudantes Débora Corsino, de psicologia, Márcio Souza, de enfermagem, e Rebeca Beckner, também de psicologia, fazem parte da coordenação do Sensibilizarte e explicam que a experiência de participar do grupo é transformadora. Com mais de cem alunos divididos em quatro frentes – de música, artesanato, contação de histórias e palhaços -, eles fazem visitas aos pacientes internados no Hospital Universitário (HU) e Hospital do Coração.

Participam da iniciativa apenas alunos da área de saúde, dos cursos de educação física, enfermagem, farmácia, odontologia, psicologia, serviço social, medicina e fisioterapia. "O objetivo é desenvolver a humanização dos estudantes, pois quase não há discussões sobre o tema nas graduações", justificam.

Os coordenadores relatam que o assunto é abordado de forma teórica e em poucas oportunidades no currículo dos cursos, o que criou a necessidade de estimular uma visão diferente nos alunos. "A falta de humanização ocorre principalmente por falta de conhecimento. Muitos profissionais não escutam com atenção os pacientes para saber o que sentem. É preciso que sejam considerados na totalidade", defendem.

Gustavo Carneiro
Gustavo Carneiro - Estudantes
Estudantes "invadem" os corredores do HU com música, arte, histórias, palhaçadas e alegria


A superlotação inerente à maior parte dos serviços públicos de saúde muitas vezes dificulta o atendimento humanizado, mas não pode ser justificativa para atitudes como não chamar os pacientes internados pelo nome, por exemplo. "Além disso, as pessoas têm crenças e costumes que precisam ser respeitados", pedem.

Foi diante desta realidade que, em 2007, alunos de medicina identificaram a necessidade de humanizar o atendimento pelos profissionais de saúde e criaram o grupo. Apenas em 2014, porém, o Sensibilizarte ganhou status de projeto de extensão, o que garante aos participantes uma certificação vinculada à universidade.

Os voluntários acreditam que o trabalho também sensibiliza profissionais que encontram pelo caminho, durante as visitas, e comemoram cada relato de melhora dos pacientes. "Os funcionários dão esse feedback, que é muito interessante", avaliam.

Outra premissa do trabalho é garantir às pessoas internadas o direito de dizer não. "Quando o paciente não quer participar da atividade, a gente respeita. Quem está no hospital precisa aceitar muitos procedimentos incômodos sem recusar. Para a gente eles podem dizer não", explicam.

A base teórica para o trabalho é o Plano Nacional de Humanização em Saúde. Uma grande inspiração, entretanto, é o médico norte-americano Patch Adams, que defendeu a humanização do atendimento em saúde e difunde por todo o mundo o conceito de que a alegria pode ser uma poderosa aliada no tratamento de doenças.

CAPACITAÇÃO
Para integrar o projeto, estudantes interessados devem passar por uma capacitação. O ponto inicial é um simpósio organizado todos os anos pelos estudantes, onde apresentam o projeto e debatem temas relacionados à necessidade de atendimento mais humano nos serviços de saúde. Após essa fase, os interessados se inscrevem, passam por processo de seleção e, quando passam a integrar o grupo, fazem uma capacitação para levar a arte e a alegria aos hospitais sem ferir as regras desses locais.

Saber música, teatro ou artesanato não é um pré-requisito para participar. "O mais importante é ter vontade", afirma Rebeca, que integra a frente de música apesar de não ser uma especialista no tema. Márcio, que atua no grupo de palhaços, conta que teve a experiência de ficar internado na infância e por isso aderiu ao projeto. "Era muito chato e qualquer motivo para distração me ajudava", recorda.

A decisão de ser palhaço, para ele, foi um desafio para sair da própria zona de conforto. "É um trabalho muito impactante. Nem sempre conseguimos fazer as pessoas rirem, mas o simples fato de conversar com elas já ajuda muito", conta ele.

Confira vídeo utilizando aplicativo capaz de ler QR code e posicionando no código:
Carolina Avansini
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Escolas abrem inscrições para provas online da EJA

Na área de abrangência do NRE em Londrina, são 17 unidades estaduais que vão oferecer as provas

PROJETO INSPIRADOR

'O projeto traz crescimento profissional'

Estudantes que participam do Sensibilizarte destacam que se doar para o bem-estar dos outros é sempre um grande aprendizado

EM LONDRINA

Canais de atendimento ao cidadão

Prefeitura divulga telefones e sites de secretarias e órgãos públicos em que é possível realizar reclamações e pedir serviços

OSWALDO MILITÃO

Miss na feijoada do Harmonia Tênis Clube

Patricia Garcia, recém-eleita Miss Paraná 2017, prestigiou a concorrida feijoada enquanto prepara-se para o concurso Miss Brasil em agosto

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados