VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cidades
28/11/2008

Psiquiatra vem se especializando em 'maternal filicide',

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Curitiba - Mãe mata os cinco filhos, com idades entre 6 meses e 7 anos, afogados na banheira de casa. Em seguida chama a polícia e o marido para calmamente relatar o ocorrido. O caso aconteceu em 2001, nos EUA. Pode-se imaginar a comoção nacional. O quanto Andrea Yates teve sua vida exposta e a mente ''escrutinada'' pela mídia. E até que ponto ela foi antecipadamente julgada pela opinião pública.
PUBLICIDADE

A psiquiatra Sheila Wendler vem se especializando em casos de ''maternal filicide'', quando a mãe tira a vida dos filhos. Ela os enxerga sob a ótica médica. Com seus estudos, a psiquiatra ajuda a entender como funciona a mente criminosa, quais doenças ou situações causam tamanha aberração e quais os possíveis tratamentos e penas impostas a esses crimes.
Sheila participou do segundo julgamento de Andrea. Era uma mulher que vivia sob forte estresse, tendo que cuidar de cinco meninos 24 horas por dia, enquanto o marido trabalhava. Andrea, vista como doente mental grave, foi penalizada a confinamento em um hospital psiquiátrico para criminosos sem previsão de saída ou cura. Lá, recebe tratamento e vive sob vigilância.
O caso de Andrea parece muito específico, por ocorrido na sociedade americana. Mas na atualidade, quando a mídia exerce forte influência sobre a opinião pública, serve como exemplo para discussão e análise, aponta Sheila. A possibilidade de julgamentos antecipados e linchamento moral dos acusados é alta.
A realidade da violência contra crianças, aponta Sheila, não corresponde necessariamente ao ''clamor'' da opinião pública. Há uma série de circunstâncias envolvidas. ''Cada caso é um caso'', enfatiza. ''Cada história de crime contra crianças, cada caso de mães ou pais que matam filhos, cada pedófilo ou psicopata, deve ser analisado individualmente, por especialistas.'' (B.M.)
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

SEU DIREITO

PARTILHA DE BENS

Sua Saúde

ANDADOR

Uma rua dividida em duas

Um nome diferente em meio a várias vias com denominações indígenas, a Flamengo ainda é separada pela Avenida Brasília

FALA, CIDADÃO

Quais serão seus principais desafios como prefeito?

Quem deve julgar os índios?

Especialistas debatem se responsabilidade é da Justiça comum ou da Justiça Federal; No PR e SC são oito indígenas presos por crimes diversos

Mais uma família perde tudo em incêndio

Um casal e o neto moravam no imóvel, localizado no Centro de Ibiporã, desde fevereiro; curto-circuto pode ser a causa do acidente

Solidariedade - Londrinenses ajudam desabrigados de SC

Defesa Civil está centralizando as doações. Empresas privadas também se mobilizaram

Veneno é recolhido do Ribeirão Apertados

Trabalho da força-tarefa é mais uma iniciativa importante para salvar manancial, mas ainda há muito a fazer

‘Aperto’ deve ter fim neste sábado

Inauguração do Terminal Guaraituba deve desafogar o sistema de transporte coletivo de Colombo, na RMC

Psiquiatras para ajudar na solução de crimes

Casos envolvendo crianças chocam a sociedade; especialistas alertam que é preciso levar em conta doenças mentais nos assassinos

Capital arrecada 450 ton. para doação

Roupas, sapatos, comida, material de limpeza e água são levados todos os dias para municípios de Santa Catarina

Quem deve julgar os índios do Brasil?

Especialistas debatem se responsabilidade é da Justiça comum ou Federal

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados