VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cidades
10/08/2017

Polícia feminina é tema de livro

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Guarapuava - A criação do primeiro grupo feminino de polícia do Brasil. Foi essa a temática que motivou a professora do Departamento de História da Unicentro (Universidade Estadual do Centro-Oeste), Rosemeri Moreira, durante o doutorado. A tese virou livro – "Sobre Mulheres e polícias: Polícia Feminina no Brasil – A invenção paulista (1955-1964)" -, lançado no dia 4 de agosto, durante o 13º Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero, realizado na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).
PUBLICIDADE

A relação da pesquisadora com a temática é anterior, do período de desenvolvimento da dissertação. "Para o mestrado eu fiz a pesquisa sobre a política de entrada das mulheres na Polícia do Paraná, em 1977; no doutorado é outro recorte temporal, mas é o mesmo foco", observa. O livro traz, em quatro capítulos, uma análise sobre a presença de mulheres no efetivo da Polícia Militar de São Paulo. "Inicialmente, a ideia era trabalhar desde 1955, quando é criado, até 1985, que é o fim da Ditadura Militar", relata. "Mas, o livro teria mais um capítulo para falar a partir de 1964 o que muda na configuração das polícias no Brasil, porque é um texto sobre a entrada das mulheres na polícia, mas é um texto também sobre a história do Brasil no período de 1955 e 1964 e sobre a história das polícias."

A atuação de mulheres na corporação foi forjada sob a prerrogativa de que seriam mais indicadas para atender certos tipos de ocorrência. "O trabalho delas ainda é muito voltado para a ideia desse maternal, não que elas fossem exatamente assim, mas a ideia de que ao entrarem na polícia estariam levando a sensibilidade, o amor e o carinho, que é um discurso político bem interessante e um uso do gênero bem específico."
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Inscrições para o vestibular da UEL começam nesta quinta

Universidade oferta 2.482 vagas em 53 cursos de graduação

Cursinho da UEL transforma aulas em oportunidade

CEPV bateu recorde de interessados em 2017 e atende aproximadamente 450 pessoas de baixa renda por ano

Vizinhos incômodos

Poluição sonora atrapalha rotina de muitas pessoas; som alto e algazarra estão entre as principais reclamações

Meu pai se chama Lourenço

A figura do pai é imprescindível para a sobrevivência do mundo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados